Revista Comprecar
Ar-condicionado no carro durante o verão
Você sabe com utilizá-lo da melhor maneira para melhor funcionamento
Ar-condicionado no carro durante o verão
15 de Janeiro de 2018

Por Jorge Augusto

No verão, o ar-condicionado é um dos equipamentos mais procurados para amenizar o desconforto gerado pelas altas temperaturas. Esse, inclusive, é um dos itens que mais influenciam na decisão de compra de um carro.
 
Porém, quando não tomados os cuidados necessários, ele pode se tornar um vilão para a saúde e consumo. O ar frio pode ser um dos responsáveis pela incidência de doenças respiratórias e pela proliferação de bactérias no ar. Por isso, o equipamento pode ser um causador de reações alérgicas por causa do ressecamento das mucosas do nariz, predispondo pessoas às infecções ou agravando doenças pré-existentes.
 
Para garantir uma viagem de carro confortável, o motorista deve seguir alguns procedimentos:
 
NUNCA abrir mão de checar o estado do filtro que compõe o sistema de ar-condicionado. Esse é o responsável por filtrar as impurezas do ar externo, e do que circula internamente na cabine. Esse processo reduz a quantidade de partículas como poeira, pólen, bactérias e fungos dentro do veículo.
 
Existem dois tipos de filtros: o de pólen, que contém uma camada de microfibra altamente eletrostática responsável por reduzir a concentração de resíduos desagradáveis.
 
Existe também o de carbono que contém partículas de carbono granular ativado, o que impede a entrada não só de fragmentos, mas também de compostos orgânicos, dos gases da exaustão e ozônio.
 
Dicas:
 
• Manutenção do filtro: esse é um fator essencial para que todo o sistema funcione de maneira adequada. O processo de limpeza, ou até a troca do filtro, deve ser realizado a cada 20 mil quilômetros ou dois anos. Já para os veículos que circulam em regiões de terra ou solos porosos, esse intervalo de tempo deve ser menor.
 
• Evite a umidade excessiva: minutos antes de chegar ao seu destino, desligue o equipamento e mantenha a ventilação na velocidade máxima, com a saída de ar voltada para o painel e os pés. Também acione o seletor de temperatura no ar quente e mantenha a ventilação no nível máximo por cerca de dois minutos. Esse processo ajuda a secar o sistema de ar, evitando a umidade que facilita a propagação de micro-organismos maléficos.
 
• Atenção ao manual do proprietário do carro: é fundamental utilizar o manual do proprietário, que serve como guia ao usuário para melhor utilização do ar-condicionado em condições ambientais adversas e seguir o cronograma de manutenção periódica do veículo.
 
Por que ocorre o mau cheiro
 
Um dos problemas mais comuns é o acúmulo de folhas no interior da caixa de ar. Isso ocorre normalmente em veículos que ficam estacionados embaixo de árvores. Essas folhas caem pelas entradas de ar na parte superior do capô, apodrecendo e liberando odores indesejados.
 
Outro grande causador de mau cheiro é a formação de colônias de bactérias sobre a superfície do evaporador. Essa região é favorável à proliferação de bactérias, por ser quente e úmida. E, por está relacionado a uma condição do próprio ar condicionado, é difícil de evitar.
 
Para finalizar, temos o filtro de cabine que quando saturado de impurezas apresenta odores que são levados ao interior do veículo. A ocorrência desse problema é maior quando extrapolamos o prazo de troca do elemento filtrante.
 
Por que devemos higienizar o ar condicionado no automóvel?
 
O ar condicionado capta o ar externo, e o leva para dentro de um compressor. Esse resfria a sua temperatura. Porém, o ar que vem de fora traz todas as impurezas do ambiente externo, e algumas delas podem parar nos dutos internos do veículo, mesmo com os filtros. Se você não for realizada uma limpeza do sistema de tempos em tempos, os usuários do veículo podem respirar todas essas impurezas sempre que ligar o equipamento.
 
Quando devo realizar a manutenção?
 
Existem alguns sintomas que deixam claro quando o sistema está precisando de manutenção. O primeiro deles é o cheiro desagradável que invade o interior do veículo quando você liga o ar. O outro é a perda de eficiência do equipamento. Se antes o sistema gelava o interior do veículo rapidamente, posicionando o controle numa potência baixa, e agora precisa elevá-la para obter o mesmo resultado, seu sistema pode estar comprometido.
 
Como fazer a higienização corretamente?
 
A primeira providência é fazer a troca do filtro. Alguns veículos trazem essa informação no manual do proprietário, e ensina como proceder. Em outros casos, pode ser necessário levar o veículo em oficina especializada. Dependendo da situação, também pode ser necessário aplicar um líquido higienizador nos dutos. Esse pode ser encontrado em lojas de autopeças, por exemplo. Em casos mais severos, pode ser necessário desmontar alguns dutos para uma limpeza mais específica.
 
Como evitar problemas no sistema
 
O ar-condicionado precisa, e deve, ser usado frequentemente. Se ele fica muito tempo inutilizado, perde a eficiência e pode precisar de uma manutenção especializada. Várias coisas podem acontecer: as mangueiras do sistema ressecarem por falta de circulação do gás. Ocorrerem vazamentos pelo mesmo motivo em juntas ou conexões. Oxidação do compressor por conta do ressecamento. Portanto, se estiver em uma época de frio, ligue o equipamento ao menos uma vez por semana, e o deixe-o funcionando por 15 minutos, mesmo que seja no ar-quente. O importante é o compressor do ar-condicionado estar ligado.
 
Não use a recirculação FECHADA o tempo todo
 
A recirculação é uma função que serve para evitar que a poluição excessiva das ruas entre dentro do carro. Mas ela deve ser usada temporariamente, pois não permite que o ar do interior seja renovado. Em um período prolongado, além de deixar o ar bastante viciado, facilita a contaminação do sistema com bactérias. Isso pode ser prejudicial à saúde dos ocupantes.
 
Expulse antes o ar quente quando o carro ficar parado sob o sol
 
Se o carro ficou muito tempo parado sob o sol, abra completamente os vidros e ligue o ar-condicionado no máximo por, ao menos, 5 minutos. Feche também a recirculação. Após esse tempo, pode-se fechar os vidros, reduzir a velocidade e abrir a recirculação. Isso faz com que o resfriamento da cabine ocorra de forma mais rápida e eficiente.
 
O que é aquela água que pinga sob o carro?
 
Quem nunca se incomodou com a poça de água que se forma embaixo do carro? Seria um problema no radiador, ou uma mangueira estourada? Alguns motoristas ficam intrigados com isso. Mas não há motivo para preocupação!
 
O que acontece, na verdade, é um dos fenômenos mais corriqueiros de nosso dia-a-dia. O pinga-pinga nada mais é que a condensação. Esse é o resultado de uma troca térmica entre a umidade presente no ar, e as partes frias do sistema de ar condicionado. Assim como um copo de bebida gelada “sua” sobre uma mesa na beira da praia, o ar ao entrar em contato com o evaporador do ar-condicionado no interior do painel troca calor, resultando na condensação do vapor de água. Dependendo da umidade relativa do ar, o acúmulo de água na parte inferior do painel é considerável. Por isso, um pequeno dreno no fundo do painel direciona a água condensada para o exterior do veículo através de uma pequena mangueira flexível.
 
Com o motor em funcionamento, e o ar-condicionado ligado percebemos o gotejamento por baixo do carro. Esse efeito é bem mais perceptível em cidades litorâneas, onde a umidade relativa é maior, sendo menos percebido em cidades de clima seco. Portanto, o gotejamento deve ser considerado normal, sendo um indício que o dreno está desobistruído e a mangueira está removendo o excesso de água do interior da caixa de ar.
 
Alguns mitos
 
Não devo desligar o carro com o ar ligado?!
MITO. Muito antigamente, quando você chegava ao seu destino, era bom desligar o equipamento antes de parar o motor do carro. Isso prevenia uma parada brusca por meio da chave de ignição. Em sistemas antigos havia a chance de prejudicar o funcionamento do compressor. Mas nos sistemas modernos, os compressores não tem mais esses problemas.
 
Usar a ventilação mais fraca economiza combustível?!
MITO. O compressor do ar-condicionado funciona de uma forma constante, portanto não faz diferença se estiver ligado na potência 1,2,3 ou 4, o consumo será sempre o mesmo. O seletor de velocidade do ar condicionado define apenas a rotação do ventilador da caixa de ar, ou seja, quanto maior a velocidade do ventilador maior o fluxo de ar saindo pelas aletas de ventilação. Portanto, a velocidade do ventilador em nada interfere no consumo. O aumento do consumo de combustível está diretamente relacionado ao acionamento do compressor do ar condicionado. Uma vez ligado, o sistema aumenta um pouco o consumo de combustível por exigir um esforço maior do motor.
 
Ar-condicionado ligado sempre gasta mais combustível?!
MITO. Uma dúvida bastante frequente entre os motoristas é sobre dirigir na estrada, se vale a pena ligar o ar-condicionado ou não. Bom, pela lógica, utilizar o carro com o ar ligado aumenta o consumo de combustível, isso é fato! No entanto, na estrada existem exceções.
Quando você está dirigindo na estrada com a velocidade maior que 70 km/h, com o vidro aberto, cria-se o chamado “arrasto”. Isto é o vento entra no carro e “segura” o veículo, fazendo com que o motor seja mais exigido, causando um consumo maior do combustível.
No entanto, se você estiver com o ar-condicionado ligado e os vidros fechados, você consegue impedir tal fenômeno, criando uma aerodinâmica mais favorável. Além disso, com o motor em rotação constante por conta do movimento, o esforço do ar-condicionado fica menor, quando comparado a rotações em marcha lenta, na cidade.
 
Ligar o ar-condicionado gasta o gás do sistema?!
Mito - Ligar o ar-condicionado NÃO gasta o gás do sistema. Não se preocupe. Isso é uma das maiores bobagens sobre manutenção automotiva. O gás, aliás, não precisa ser completado ou reposto se tudo estiver em dia. Ele só vazará em caso de defeito. O gás do ar também não vicia nem fica velho, como você deve ter escutado por aí. Se tudo estiver correto, pode durar toda a vida útil do carro.
 
Conclusão
 
Ter um ar-condicionado eficiente no veículo não é só uma questão de conforto ou conveniência, mas também de segurança. Além de desembaçar os vidros nas chuvas, e renovar o ar da cabine, ele serve para evitar a sonolência causada pelo calor excessivo, e deixa o motorista mais alerta.

Artigos < Voltar
Ar-condicionado no carro durante o verão
 

Ar-condicionado no carro durante o verão

Publicado por Redação Comprecar – Especialista em carros usados e motos usadas

Você sabe com utilizá-lo da melhor maneira para melhor funcionamento

15 de Janeiro de 2018

Por Jorge Augusto

No verão, o ar-condicionado é um dos equipamentos mais procurados para amenizar o desconforto gerado pelas altas temperaturas. Esse, inclusive, é um dos itens que mais influenciam na decisão de compra de um carro.
 
Porém, quando não tomados os cuidados necessários, ele pode se tornar um vilão para a saúde e consumo. O ar frio pode ser um dos responsáveis pela incidência de doenças respiratórias e pela proliferação de bactérias no ar. Por isso, o equipamento pode ser um causador de reações alérgicas por causa do ressecamento das mucosas do nariz, predispondo pessoas às infecções ou agravando doenças pré-existentes.
 
Para garantir uma viagem de carro confortável, o motorista deve seguir alguns procedimentos:
 
NUNCA abrir mão de checar o estado do filtro que compõe o sistema de ar-condicionado. Esse é o responsável por filtrar as impurezas do ar externo, e do que circula internamente na cabine. Esse processo reduz a quantidade de partículas como poeira, pólen, bactérias e fungos dentro do veículo.
 
Existem dois tipos de filtros: o de pólen, que contém uma camada de microfibra altamente eletrostática responsável por reduzir a concentração de resíduos desagradáveis.
 
Existe também o de carbono que contém partículas de carbono granular ativado, o que impede a entrada não só de fragmentos, mas também de compostos orgânicos, dos gases da exaustão e ozônio.
 
Dicas:
 
• Manutenção do filtro: esse é um fator essencial para que todo o sistema funcione de maneira adequada. O processo de limpeza, ou até a troca do filtro, deve ser realizado a cada 20 mil quilômetros ou dois anos. Já para os veículos que circulam em regiões de terra ou solos porosos, esse intervalo de tempo deve ser menor.
 
• Evite a umidade excessiva: minutos antes de chegar ao seu destino, desligue o equipamento e mantenha a ventilação na velocidade máxima, com a saída de ar voltada para o painel e os pés. Também acione o seletor de temperatura no ar quente e mantenha a ventilação no nível máximo por cerca de dois minutos. Esse processo ajuda a secar o sistema de ar, evitando a umidade que facilita a propagação de micro-organismos maléficos.
 
• Atenção ao manual do proprietário do carro: é fundamental utilizar o manual do proprietário, que serve como guia ao usuário para melhor utilização do ar-condicionado em condições ambientais adversas e seguir o cronograma de manutenção periódica do veículo.
 
Por que ocorre o mau cheiro
 
Um dos problemas mais comuns é o acúmulo de folhas no interior da caixa de ar. Isso ocorre normalmente em veículos que ficam estacionados embaixo de árvores. Essas folhas caem pelas entradas de ar na parte superior do capô, apodrecendo e liberando odores indesejados.
 
Outro grande causador de mau cheiro é a formação de colônias de bactérias sobre a superfície do evaporador. Essa região é favorável à proliferação de bactérias, por ser quente e úmida. E, por está relacionado a uma condição do próprio ar condicionado, é difícil de evitar.
 
Para finalizar, temos o filtro de cabine que quando saturado de impurezas apresenta odores que são levados ao interior do veículo. A ocorrência desse problema é maior quando extrapolamos o prazo de troca do elemento filtrante.
 
Por que devemos higienizar o ar condicionado no automóvel?
 
O ar condicionado capta o ar externo, e o leva para dentro de um compressor. Esse resfria a sua temperatura. Porém, o ar que vem de fora traz todas as impurezas do ambiente externo, e algumas delas podem parar nos dutos internos do veículo, mesmo com os filtros. Se você não for realizada uma limpeza do sistema de tempos em tempos, os usuários do veículo podem respirar todas essas impurezas sempre que ligar o equipamento.
 
Quando devo realizar a manutenção?
 
Existem alguns sintomas que deixam claro quando o sistema está precisando de manutenção. O primeiro deles é o cheiro desagradável que invade o interior do veículo quando você liga o ar. O outro é a perda de eficiência do equipamento. Se antes o sistema gelava o interior do veículo rapidamente, posicionando o controle numa potência baixa, e agora precisa elevá-la para obter o mesmo resultado, seu sistema pode estar comprometido.
 
Como fazer a higienização corretamente?
 
A primeira providência é fazer a troca do filtro. Alguns veículos trazem essa informação no manual do proprietário, e ensina como proceder. Em outros casos, pode ser necessário levar o veículo em oficina especializada. Dependendo da situação, também pode ser necessário aplicar um líquido higienizador nos dutos. Esse pode ser encontrado em lojas de autopeças, por exemplo. Em casos mais severos, pode ser necessário desmontar alguns dutos para uma limpeza mais específica.
 
Como evitar problemas no sistema
 
O ar-condicionado precisa, e deve, ser usado frequentemente. Se ele fica muito tempo inutilizado, perde a eficiência e pode precisar de uma manutenção especializada. Várias coisas podem acontecer: as mangueiras do sistema ressecarem por falta de circulação do gás. Ocorrerem vazamentos pelo mesmo motivo em juntas ou conexões. Oxidação do compressor por conta do ressecamento. Portanto, se estiver em uma época de frio, ligue o equipamento ao menos uma vez por semana, e o deixe-o funcionando por 15 minutos, mesmo que seja no ar-quente. O importante é o compressor do ar-condicionado estar ligado.
 
Não use a recirculação FECHADA o tempo todo
 
A recirculação é uma função que serve para evitar que a poluição excessiva das ruas entre dentro do carro. Mas ela deve ser usada temporariamente, pois não permite que o ar do interior seja renovado. Em um período prolongado, além de deixar o ar bastante viciado, facilita a contaminação do sistema com bactérias. Isso pode ser prejudicial à saúde dos ocupantes.
 
Expulse antes o ar quente quando o carro ficar parado sob o sol
 
Se o carro ficou muito tempo parado sob o sol, abra completamente os vidros e ligue o ar-condicionado no máximo por, ao menos, 5 minutos. Feche também a recirculação. Após esse tempo, pode-se fechar os vidros, reduzir a velocidade e abrir a recirculação. Isso faz com que o resfriamento da cabine ocorra de forma mais rápida e eficiente.
 
O que é aquela água que pinga sob o carro?
 
Quem nunca se incomodou com a poça de água que se forma embaixo do carro? Seria um problema no radiador, ou uma mangueira estourada? Alguns motoristas ficam intrigados com isso. Mas não há motivo para preocupação!
 
O que acontece, na verdade, é um dos fenômenos mais corriqueiros de nosso dia-a-dia. O pinga-pinga nada mais é que a condensação. Esse é o resultado de uma troca térmica entre a umidade presente no ar, e as partes frias do sistema de ar condicionado. Assim como um copo de bebida gelada “sua” sobre uma mesa na beira da praia, o ar ao entrar em contato com o evaporador do ar-condicionado no interior do painel troca calor, resultando na condensação do vapor de água. Dependendo da umidade relativa do ar, o acúmulo de água na parte inferior do painel é considerável. Por isso, um pequeno dreno no fundo do painel direciona a água condensada para o exterior do veículo através de uma pequena mangueira flexível.
 
Com o motor em funcionamento, e o ar-condicionado ligado percebemos o gotejamento por baixo do carro. Esse efeito é bem mais perceptível em cidades litorâneas, onde a umidade relativa é maior, sendo menos percebido em cidades de clima seco. Portanto, o gotejamento deve ser considerado normal, sendo um indício que o dreno está desobistruído e a mangueira está removendo o excesso de água do interior da caixa de ar.
 
Alguns mitos
 
Não devo desligar o carro com o ar ligado?!
MITO. Muito antigamente, quando você chegava ao seu destino, era bom desligar o equipamento antes de parar o motor do carro. Isso prevenia uma parada brusca por meio da chave de ignição. Em sistemas antigos havia a chance de prejudicar o funcionamento do compressor. Mas nos sistemas modernos, os compressores não tem mais esses problemas.
 
Usar a ventilação mais fraca economiza combustível?!
MITO. O compressor do ar-condicionado funciona de uma forma constante, portanto não faz diferença se estiver ligado na potência 1,2,3 ou 4, o consumo será sempre o mesmo. O seletor de velocidade do ar condicionado define apenas a rotação do ventilador da caixa de ar, ou seja, quanto maior a velocidade do ventilador maior o fluxo de ar saindo pelas aletas de ventilação. Portanto, a velocidade do ventilador em nada interfere no consumo. O aumento do consumo de combustível está diretamente relacionado ao acionamento do compressor do ar condicionado. Uma vez ligado, o sistema aumenta um pouco o consumo de combustível por exigir um esforço maior do motor.
 
Ar-condicionado ligado sempre gasta mais combustível?!
MITO. Uma dúvida bastante frequente entre os motoristas é sobre dirigir na estrada, se vale a pena ligar o ar-condicionado ou não. Bom, pela lógica, utilizar o carro com o ar ligado aumenta o consumo de combustível, isso é fato! No entanto, na estrada existem exceções.
Quando você está dirigindo na estrada com a velocidade maior que 70 km/h, com o vidro aberto, cria-se o chamado “arrasto”. Isto é o vento entra no carro e “segura” o veículo, fazendo com que o motor seja mais exigido, causando um consumo maior do combustível.
No entanto, se você estiver com o ar-condicionado ligado e os vidros fechados, você consegue impedir tal fenômeno, criando uma aerodinâmica mais favorável. Além disso, com o motor em rotação constante por conta do movimento, o esforço do ar-condicionado fica menor, quando comparado a rotações em marcha lenta, na cidade.
 
Ligar o ar-condicionado gasta o gás do sistema?!
Mito - Ligar o ar-condicionado NÃO gasta o gás do sistema. Não se preocupe. Isso é uma das maiores bobagens sobre manutenção automotiva. O gás, aliás, não precisa ser completado ou reposto se tudo estiver em dia. Ele só vazará em caso de defeito. O gás do ar também não vicia nem fica velho, como você deve ter escutado por aí. Se tudo estiver correto, pode durar toda a vida útil do carro.
 
Conclusão
 
Ter um ar-condicionado eficiente no veículo não é só uma questão de conforto ou conveniência, mas também de segurança. Além de desembaçar os vidros nas chuvas, e renovar o ar da cabine, ele serve para evitar a sonolência causada pelo calor excessivo, e deixa o motorista mais alerta.

O veículo que você procura está aqui na Comprecar!