Revista Comprecar
Avaliação: Renault Captur Intense 2.0 automático
Novo Crossover da Renault é muito mais que um Duster repaginado
Avaliação: Renault Captur Intense 2.0 automático
10 de Abril de 2017

Conheça uma oferta da Captur Intense 2.0 litros em www.valecrenault.com.br 

Desde que o Captur chegou oficialmente ao mercado, é comum se escutar comentários dizendo que o Captur é apenas um Duster melhorado. Mas, basta uma volta bem rápida no modelo, para perceber que tal afirmação não passa de completa desinformação.
 
Ainda que a Renault tenha partido da plataforma básica do Duster para conceber a Captur, o novo produto traz uma série de melhorias, que certamente garantem identidade e vida própria a Captur. Foco dessa avaliação, trazemos a versão topo de linha Intense, equipada com motor 2.0 litros e câmbio automático.
 
Logo de cara, podemos destacar algumas importantes características do Captur. Ele conta com uma excelente altura em relação ao solo (quando comparado aos principais concorrentes), posição de direção elevada, e grande comprimento no entre-eixos (o que ajuda muito no espaço interno). Além disso, o Captur é fabricado no Complexo Ayrton Senna, no PR – Brasil, o que diminui custo de manutenção e seguro.
 
Estilo
 
As linhas do novo Captur seguem a nova identidade visual da Renault, e são assinadas pelo Technocentre da Renault, na França, em parceria com o Renault Design América Latina (RDAL), o único estúdio de desenho e estilo da marca no continente americano, localizado em São Paulo.
 
No quesito design, destaque para a pintura biton, ou seja, a possibilidade de ter o teto em uma cor diferente do restante do veículo. Aliás, característica que poucos concorrentes oferecem.
 
Na versão topo de linha, a dianteira traz luzes diurnas de LED, no formato de “C” ao redor dos faróis de neblina, que alongam a grade inferior. Aliás, a luz do farol de neblina, também conta com iluminação LED.
 
Na lateral, há um grafismo cromado na parte inferior das portas, acompanhando a linha de cintura elevada. As rodas de 17 polegadas, com visual diamantado, harmonizam o conjunto. A traseira traz lanternas também com iluminação LED, ponteira do escapamento cromada e um friso cromado abaixo do porta-malas que percorre quase toda a extensão do para-choque.
 
A pintura em biton oferece originalidade e personalização. São oferecidas 13 combinações de cores, incluindo 9 combinações em biton. O teto do Captur pode ser preto ou marfim. A carroceria pode ser preta, branca, marrom, laranja, marfim, vermelha, prata ou cinza.

Interior
 
Por dentro, também é perceptível a preocupação da Renault em entregar um produto mais elaborado, e comparável ao nível do seu sedan Fluence. 
 
Para isso, o Captur estreia um novo quadro de instrumentos. Associa um velocímetro digital e displays em formato de meia-lua de cada lado. O computador de bordo digital é visualizado logo acima do conjunto. Existem ainda uma simpática “linha verde” no quadro de instrumentos que ajuda o motorista numa condução mais econômica. Quando o motorista dirige de forma mais intensa, a linha muda para um tom amarelo, indicando consumo excessivo de combustível.
 
O interior traz acabamento em dois tons, na versão topo de linha. Nota-se maior cuidado com matérias e acabamento no Captur, quando comparado ao Duster, por exemplo.
 
Posição de direção mais alta do segmento

O Captur tem 4,33m de comprimento e 2,67m de entre-eixos, os maiores números do segmento. Além dos 21,2 cm de altura em relação ao solo, são 70,8 cm de posição de direção no Ponto H. Trata-se do critério que determina a altura do quadril do motorista em relação ao solo. O nome vem da palavra “hip”, que significa quadril em inglês. Essa altura elevada (ou posição de comando) é que faz os condutores, especialmente as mulheres, ficarem mais confortáveis e seguros ao colocar o carro para rodar, devido ao ângulo de visão maior em relação aos outros veículos. No Captur, essa medida tem 70,8 centímetros, ou seja, aproximadamente 15 centímetros a mais que um hatch ou sedan médio convencional.
 
A posição de direção (ponto H) é a mais elevada entre os SUVs concorrentes e somada com a maior área envidraçada do segmento, melhoram o campo de visão e trazem além do conforto, mais segurança para o condutor. De forma complementar, os bancos R-Confort trazem bidensidade e formato concha, proporcionando mais ergonomia e conforto.
 
Versatilidade
 
O Captur tem uma das maiores áreas de acesso ao porta-malas do segmento SUV. O porta-malas é o maior entre seus concorrentes e tem capacidade para 437 litros. O modelo conta com 12 porta-objetos úteis e práticos para o uso diário, localizados nos painéis das portas, console central, painel de bordo e porta-luvas.

Boa mobilidade
 
Outra característica que agrada bastante, é o ângulo de entrada de 23°, e ainda maior de saída de 31°. Além de serem os maiores do segmento quando comparados à concorrente como Jeep Renegade Flex, Nissan Kicks, Chevrolet Tracker, Ford EcoSport, Honda HR-V, essas medidas ajudam demais na hora de superar obstáculos urbanos como lombadas e valetas. Aliás, encarar guias e buracos também não é uma tarefa difícil para o Captur.
 
Conectividade
 
O Captur na versão Intense conta com o MEDIA Nav. Essa central traz tela touchscreen de 7 polegadas que possui: GPS integrado, conectividade Bluetooth, câmera de ré e sistema eco-scoring e eco-coaching. O sistema está integrado ao comando satélite atrás do volante que possibilita o motorista interagir com funções de áudio e telefonia, sem tirar as mãos do volante.
 
Equipamentos
 
O modelo incorporou também equipamentos de mais tecnologia. Como acontece no Fluence, o Captur traz chave “tipo cartão” que possibilita a partida simplesmente com a presença do cartão no interior do veículo. Já a abertura e o travamento das portas e do porta-malas acontecem por aproximação ou afastamento, sem necessidade de tocar no cartão. Aliás, isso é muito útil, pois ao sair do carro, mesmo que o motorista esqueça de travar as portas pelo controle, as portas se trancam automaticamente, com o afastamento do cartão.
 
Também herdado do Fluence, está o sistema de controle de velocidade de cruzeiro (cruise control), que atua conjuntamente com o limitador de velocidade. O primeiro mantém a velocidade constante na estrada, enquanto o segundo é ideal para condução em zonas de velocidade controladas. Assim, o veículo só acelera até a velocidade escolhida, não ultrapassando a marca programada.
 
Outro recurso presente, é sensor crepuscular. Ele identifica a luminosidade do ambiente, e acende as luzes automaticamente conforme a necessidade. Além disso, o sensor de chuva ativa o limpador de para-brisas caso seja necessário.
 
A direção do novo Captur é eletro-hidráulica com esforço variável. Ou seja, o fluxo de óleo é gerenciado por uma bomba elétrica, que atua de forma independente em relação à velocidade do motor. A necessidade de assistência é determinada de forma mais eficiente, com base na velocidade do veículo. Quando a assistência não é necessária, a bomba elétrica é desativada temporariamente. Este sistema garante maior conforto e economia de combustível.

Os retrovisores laterais são rebatíveis eletricamente e o modelo oferece apoio de braço para o condutor (na versão Intense), ar-condicionado automático, velocímetro digital e vidros elétricos nas quatro portas.
 
Segurança
 
Toda a gama do novo Renault Captur traz sempre de série o controle eletrônico de estabilidade (ESP) e controle eletrônico de tração (ASR), mesmo na versão equipada com motor 1,6 litro.
 
Também faz parte do pacote em todas as versões, quatro airbags de série (dois frontais e dois laterais). Outro destaque do modelo é a incorporação do sistema de fixação ISOFIX para duas cadeirinhas infantis no banco traseiro.
 
Todas as versões contam com luzes de rodagem diurna LED (DRL), freios ABS, auxílio de frenagem de emergência (AFU) e distribuição eletrônica de frenagem (EBD).
 
Recurso muito útil, é a assistência de partida em rampas (HSA), acionada toda vez que o veículo se encontra em uma inclinação superior a 3°. Este sistema freia o carro por até 2 segundos, auxiliando a arrancada em ladeiras, sem deixar o Captur escorregar para trás.

Outra equipamento que ajuda na segurança são as luzes de conversão, chamadas de Cornering Lights. Elas são integradas aos faróis de neblina dianteiros, e acionadas automaticamente ao girar o volante, quando o farol está aceso. Isso permite melhor visibilidade em áreas de menor luminosidade, em curvas.
 
Motor e câmbio
 
O Captur Intense vem equipado com o já conhecido motor 2.0 litros - 16V, que equipa Duster e Duster Oroch. Esse motor, e toda a gama, também ganhou evoluções em meados de 2016, ficando mais econômico.
  
Esse motor 2.0 – 16v entrega até tem 148 cv a 5.750 rpm quando abastecido com etanol, e 143 cv a 5.750 rpm quando abastecido com gasolina. A oferta de torque é de 20,9 kgfm a 4.000 rpm, quando abastecido com etanol, e 20,2 kgfm a 4.000 rpm com gasolina. Com esse motor, o Captur é ofertado com câmbio automático de quatro marchas.
 
Evoluções do motor
 
O Captur traz em todas as versões o sistema Energy Smart Management (ESM) de regeneração de energia, solução da Fórmula 1 que ganha as ruas nos carros da Renault. Durante a desaceleração do carro, quando o motorista retira o pé do acelerador, o motor continua girando sem consumir combustível. Nesse momento, o alternador automaticamente passa a recuperar energia e enviá-la para a bateria, que aumenta sua carga sem consumo de combustível. Durante a aceleração, o alternador não precisa “roubar” energia do motor para enviar à bateria, já que houve a carga na desaceleração.
 
Ainda com foco em economia de combustível, o modelo conta com a função Eco Mode, que é ativada com um simples apertar de um botão localizado logo abaixo da alavanca de câmbio. Por meio desta função podem ser alterados padrões de uso e otimizado o consumo de combustível, com uma economia de até 10%.
 
Desempenho
 
Se não fosse o câmbio automático de apenas quatro marchas, o desempenho do Captur seria muito melhor, pois o motor é muito bom. De forma prática, a Renault até conseguiu melhorar o entrosamento do motor com o câmbio no Captur, quando comparado aos resultados obtidos no Duster e Duster Oroch. Mas não dá para esperar milagres com as quatro marchas. Aliás, esse é único ponto que não empolga no Captur.
 
A velocidade máxima é de 179 km/h, enquanto a aceleração acontece em 10,9 segundos. Certamente esses números não são ruins. Na cidade, a grande maioria dos motoristas não perceberão qualquer dificuldade, ou limitação no câmbio de quatro marchas, em função dos ajustes promovidos pela Renault.
 
Porém na estrada, aqueles que procuram por um elevado desempenho poderão ficar um pouco aborrecidos, pela falta de marchas e uma desenvoltura menos linear do conjunto, em acelerações e retomadas de velocidade.
 
O câmbio também é culpado por um desempenho mediano no consumo de combustível. Com etanol, o Captur faz médias de 6,2 km/l na cidade, e 7,3 km/l na estrada. Com gasolina, os números sobem para 8,8 km/l (cidade), e 10,8 km/l (estrada). Certamente, esses números seriam melhores se a Renault tivesse usado o câmbio CVT do Renault Fluence.
 
Sempre muito equipado
 
O Renault Captur não decepciona quando assunto são os equipamentos de série. A título de informação, o Captur é oferecido em duas versões, com duas opções de motorização e câmbio:
 
• Captur Zen 1.6 SCe com câmbio manual: quatro airbags (dianteiros e laterais), controle eletrônico de estabilidade (ESP), controle eletrônico de tração (ASR), assistente de partida em rampas (HSA),  freios com ABS, ISOFIX,  direção eletro-hidráulica, volante com regulagem da altura, ar-condicionado, rodas aro 17 polegadas de liga leve, vidros elétricos, alarme perimétrico, chave-cartão hands free, comando de áudio e celular na coluna de direção (comando satélite), assento do condutor com regulagem de altura, sistema CAR (travamento automático das portas a 6 km/h), Luzes diurnas em LED, retrovisores rebatíveis, piloto automático com indicador e limitador de velocidade. Opcional: Media Nav + Câmera de Ré; pintura biton.
 
• Captur Intense 2.0 automático: adiciona rodas aro 17 polegadas de liga leve diamantadas, apoio de braço, central Media Nav 7” touchscreen, câmera de ré, ar-condicionado automático, sensor de chuva, farol de neblina com função Cornering Light, sensor crepuscular. Opcional: bancos em couro e pintura biton.
 
Preços
 
Captur 1.6 manual: R$ 78.900
Opcionais: Media NAV com câmera de ré: R$ 1.900; Pintura Bitom R$ 1.400
 
Captur 2.0 automático: R$ 88.490
Opcionais: Bancos parcialmente em couro: R$ 1.500; Pintura Bitom R$ 1.400
 
Pós-venda
 
O Captur tem garantia de fábrica de 3 anos ou 100 mil quilômetros rodados, prevalecendo o que ocorrer primeiro. Clientes que optarem pelas facilidades de financiamento via Banco Renault têm 5 anos de garantia. O plano de manutenção do modelo prevê revisões periódicas a serem feitas em intervalos de 10.000 quilômetros ou a cada ano de uso.
 
Além disso, a rede de concessionárias Renault oferece para os proprietários o programa “Revisão com Preço Fechado” e o “Pacote de Preço Fechado de Peças”, que reúne os principais itens de desgaste e manutenção. Esses dois serviços permitem aos clientes saberem de forma antecipada quanto gastarão para a realização de reparos, já que os preços sugeridos dos dois pacotes incluem os valores de peças e mão de obra.
 
Os proprietários dos modelos também contam com o apoio do Renault Assistance, um serviço de atendimento emergencial e de socorro mecânico disponível 24 horas por dia, em todo território nacional. Esta assistência oferece técnico para reparo no local, remoção do automóvel para a concessionária mais próxima, meio de transporte alternativo aos ocupantes do veículo, entre outros. Para os veículos de passeio, o serviço é oferecido, gratuitamente, por 24 meses após a compra e 12 meses para veículos utilitários.
 
Conclusão
 
O Captur 2.0 Intense é uma ótima opção, e bom upgrade, para o cliente que estava satisfeito com o Duster, e ainda sim queria algo à mais. Também se torna a melhor opção quando o cliente precisa de muito espaço interno, seja no porta-malas, ou no banco traseiro. Ainda continua como a melhor opção, para o cliente que precisa frequentemente passar por locais com pisos de baixa qualidade, com grande frequência de lombadas, valetas e buracos. Sob o aspecto do desempenho, desde de que o cliente não procure fortes emoções ao volante, o Captur 2.0 conseguirá atender satisfatoriamente um uso corriqueiro.

Oportunidade

As concessionárias Valec estão com as condições do Captur Day, prorrogadas. Além do test-drive nas versões 2.0 litros automática, e 1.6 litro manual da nova Captur, o cliente tem condições especiais. A Captur 1.6 litro está sendo vendida com preço partir de R$ 78.990, e taxas de 0,99% ao mês. A garantia regular da Captur é de 3 anos ou 100 mil km. Mas se adquirida pelo plano de financiamento, a garantia pode ser ampliada para até 5 anos. Outra opção exclusiva para quem já é cliente Renault, é uma condição especial de financiamento de taxa 0% no financiamento. Mais informações em www.valecrenault.com.br

Avaliações < Voltar
Avaliação: Renault Captur Intense 2.0 automático

Avaliação: Renault Captur Intense 2.0 automático

Publicado por Redação Comprecar – Especialista em carros usados e motos usadas

Novo Crossover da Renault é muito mais que um Duster repaginado

10 de Abril de 2017

Conheça uma oferta da Captur Intense 2.0 litros em www.valecrenault.com.br 

Desde que o Captur chegou oficialmente ao mercado, é comum se escutar comentários dizendo que o Captur é apenas um Duster melhorado. Mas, basta uma volta bem rápida no modelo, para perceber que tal afirmação não passa de completa desinformação.
 
Ainda que a Renault tenha partido da plataforma básica do Duster para conceber a Captur, o novo produto traz uma série de melhorias, que certamente garantem identidade e vida própria a Captur. Foco dessa avaliação, trazemos a versão topo de linha Intense, equipada com motor 2.0 litros e câmbio automático.
 
Logo de cara, podemos destacar algumas importantes características do Captur. Ele conta com uma excelente altura em relação ao solo (quando comparado aos principais concorrentes), posição de direção elevada, e grande comprimento no entre-eixos (o que ajuda muito no espaço interno). Além disso, o Captur é fabricado no Complexo Ayrton Senna, no PR – Brasil, o que diminui custo de manutenção e seguro.
 
Estilo
 
As linhas do novo Captur seguem a nova identidade visual da Renault, e são assinadas pelo Technocentre da Renault, na França, em parceria com o Renault Design América Latina (RDAL), o único estúdio de desenho e estilo da marca no continente americano, localizado em São Paulo.
 
No quesito design, destaque para a pintura biton, ou seja, a possibilidade de ter o teto em uma cor diferente do restante do veículo. Aliás, característica que poucos concorrentes oferecem.
 
Na versão topo de linha, a dianteira traz luzes diurnas de LED, no formato de “C” ao redor dos faróis de neblina, que alongam a grade inferior. Aliás, a luz do farol de neblina, também conta com iluminação LED.
 
Na lateral, há um grafismo cromado na parte inferior das portas, acompanhando a linha de cintura elevada. As rodas de 17 polegadas, com visual diamantado, harmonizam o conjunto. A traseira traz lanternas também com iluminação LED, ponteira do escapamento cromada e um friso cromado abaixo do porta-malas que percorre quase toda a extensão do para-choque.
 
A pintura em biton oferece originalidade e personalização. São oferecidas 13 combinações de cores, incluindo 9 combinações em biton. O teto do Captur pode ser preto ou marfim. A carroceria pode ser preta, branca, marrom, laranja, marfim, vermelha, prata ou cinza.

Interior
 
Por dentro, também é perceptível a preocupação da Renault em entregar um produto mais elaborado, e comparável ao nível do seu sedan Fluence. 
 
Para isso, o Captur estreia um novo quadro de instrumentos. Associa um velocímetro digital e displays em formato de meia-lua de cada lado. O computador de bordo digital é visualizado logo acima do conjunto. Existem ainda uma simpática “linha verde” no quadro de instrumentos que ajuda o motorista numa condução mais econômica. Quando o motorista dirige de forma mais intensa, a linha muda para um tom amarelo, indicando consumo excessivo de combustível.
 
O interior traz acabamento em dois tons, na versão topo de linha. Nota-se maior cuidado com matérias e acabamento no Captur, quando comparado ao Duster, por exemplo.
 
Posição de direção mais alta do segmento

O Captur tem 4,33m de comprimento e 2,67m de entre-eixos, os maiores números do segmento. Além dos 21,2 cm de altura em relação ao solo, são 70,8 cm de posição de direção no Ponto H. Trata-se do critério que determina a altura do quadril do motorista em relação ao solo. O nome vem da palavra “hip”, que significa quadril em inglês. Essa altura elevada (ou posição de comando) é que faz os condutores, especialmente as mulheres, ficarem mais confortáveis e seguros ao colocar o carro para rodar, devido ao ângulo de visão maior em relação aos outros veículos. No Captur, essa medida tem 70,8 centímetros, ou seja, aproximadamente 15 centímetros a mais que um hatch ou sedan médio convencional.
 
A posição de direção (ponto H) é a mais elevada entre os SUVs concorrentes e somada com a maior área envidraçada do segmento, melhoram o campo de visão e trazem além do conforto, mais segurança para o condutor. De forma complementar, os bancos R-Confort trazem bidensidade e formato concha, proporcionando mais ergonomia e conforto.
 
Versatilidade
 
O Captur tem uma das maiores áreas de acesso ao porta-malas do segmento SUV. O porta-malas é o maior entre seus concorrentes e tem capacidade para 437 litros. O modelo conta com 12 porta-objetos úteis e práticos para o uso diário, localizados nos painéis das portas, console central, painel de bordo e porta-luvas.

Boa mobilidade
 
Outra característica que agrada bastante, é o ângulo de entrada de 23°, e ainda maior de saída de 31°. Além de serem os maiores do segmento quando comparados à concorrente como Jeep Renegade Flex, Nissan Kicks, Chevrolet Tracker, Ford EcoSport, Honda HR-V, essas medidas ajudam demais na hora de superar obstáculos urbanos como lombadas e valetas. Aliás, encarar guias e buracos também não é uma tarefa difícil para o Captur.
 
Conectividade
 
O Captur na versão Intense conta com o MEDIA Nav. Essa central traz tela touchscreen de 7 polegadas que possui: GPS integrado, conectividade Bluetooth, câmera de ré e sistema eco-scoring e eco-coaching. O sistema está integrado ao comando satélite atrás do volante que possibilita o motorista interagir com funções de áudio e telefonia, sem tirar as mãos do volante.
 
Equipamentos
 
O modelo incorporou também equipamentos de mais tecnologia. Como acontece no Fluence, o Captur traz chave “tipo cartão” que possibilita a partida simplesmente com a presença do cartão no interior do veículo. Já a abertura e o travamento das portas e do porta-malas acontecem por aproximação ou afastamento, sem necessidade de tocar no cartão. Aliás, isso é muito útil, pois ao sair do carro, mesmo que o motorista esqueça de travar as portas pelo controle, as portas se trancam automaticamente, com o afastamento do cartão.
 
Também herdado do Fluence, está o sistema de controle de velocidade de cruzeiro (cruise control), que atua conjuntamente com o limitador de velocidade. O primeiro mantém a velocidade constante na estrada, enquanto o segundo é ideal para condução em zonas de velocidade controladas. Assim, o veículo só acelera até a velocidade escolhida, não ultrapassando a marca programada.
 
Outro recurso presente, é sensor crepuscular. Ele identifica a luminosidade do ambiente, e acende as luzes automaticamente conforme a necessidade. Além disso, o sensor de chuva ativa o limpador de para-brisas caso seja necessário.
 
A direção do novo Captur é eletro-hidráulica com esforço variável. Ou seja, o fluxo de óleo é gerenciado por uma bomba elétrica, que atua de forma independente em relação à velocidade do motor. A necessidade de assistência é determinada de forma mais eficiente, com base na velocidade do veículo. Quando a assistência não é necessária, a bomba elétrica é desativada temporariamente. Este sistema garante maior conforto e economia de combustível.

Os retrovisores laterais são rebatíveis eletricamente e o modelo oferece apoio de braço para o condutor (na versão Intense), ar-condicionado automático, velocímetro digital e vidros elétricos nas quatro portas.
 
Segurança
 
Toda a gama do novo Renault Captur traz sempre de série o controle eletrônico de estabilidade (ESP) e controle eletrônico de tração (ASR), mesmo na versão equipada com motor 1,6 litro.
 
Também faz parte do pacote em todas as versões, quatro airbags de série (dois frontais e dois laterais). Outro destaque do modelo é a incorporação do sistema de fixação ISOFIX para duas cadeirinhas infantis no banco traseiro.
 
Todas as versões contam com luzes de rodagem diurna LED (DRL), freios ABS, auxílio de frenagem de emergência (AFU) e distribuição eletrônica de frenagem (EBD).
 
Recurso muito útil, é a assistência de partida em rampas (HSA), acionada toda vez que o veículo se encontra em uma inclinação superior a 3°. Este sistema freia o carro por até 2 segundos, auxiliando a arrancada em ladeiras, sem deixar o Captur escorregar para trás.

Outra equipamento que ajuda na segurança são as luzes de conversão, chamadas de Cornering Lights. Elas são integradas aos faróis de neblina dianteiros, e acionadas automaticamente ao girar o volante, quando o farol está aceso. Isso permite melhor visibilidade em áreas de menor luminosidade, em curvas.
 
Motor e câmbio
 
O Captur Intense vem equipado com o já conhecido motor 2.0 litros - 16V, que equipa Duster e Duster Oroch. Esse motor, e toda a gama, também ganhou evoluções em meados de 2016, ficando mais econômico.
  
Esse motor 2.0 – 16v entrega até tem 148 cv a 5.750 rpm quando abastecido com etanol, e 143 cv a 5.750 rpm quando abastecido com gasolina. A oferta de torque é de 20,9 kgfm a 4.000 rpm, quando abastecido com etanol, e 20,2 kgfm a 4.000 rpm com gasolina. Com esse motor, o Captur é ofertado com câmbio automático de quatro marchas.
 
Evoluções do motor
 
O Captur traz em todas as versões o sistema Energy Smart Management (ESM) de regeneração de energia, solução da Fórmula 1 que ganha as ruas nos carros da Renault. Durante a desaceleração do carro, quando o motorista retira o pé do acelerador, o motor continua girando sem consumir combustível. Nesse momento, o alternador automaticamente passa a recuperar energia e enviá-la para a bateria, que aumenta sua carga sem consumo de combustível. Durante a aceleração, o alternador não precisa “roubar” energia do motor para enviar à bateria, já que houve a carga na desaceleração.
 
Ainda com foco em economia de combustível, o modelo conta com a função Eco Mode, que é ativada com um simples apertar de um botão localizado logo abaixo da alavanca de câmbio. Por meio desta função podem ser alterados padrões de uso e otimizado o consumo de combustível, com uma economia de até 10%.
 
Desempenho
 
Se não fosse o câmbio automático de apenas quatro marchas, o desempenho do Captur seria muito melhor, pois o motor é muito bom. De forma prática, a Renault até conseguiu melhorar o entrosamento do motor com o câmbio no Captur, quando comparado aos resultados obtidos no Duster e Duster Oroch. Mas não dá para esperar milagres com as quatro marchas. Aliás, esse é único ponto que não empolga no Captur.
 
A velocidade máxima é de 179 km/h, enquanto a aceleração acontece em 10,9 segundos. Certamente esses números não são ruins. Na cidade, a grande maioria dos motoristas não perceberão qualquer dificuldade, ou limitação no câmbio de quatro marchas, em função dos ajustes promovidos pela Renault.
 
Porém na estrada, aqueles que procuram por um elevado desempenho poderão ficar um pouco aborrecidos, pela falta de marchas e uma desenvoltura menos linear do conjunto, em acelerações e retomadas de velocidade.
 
O câmbio também é culpado por um desempenho mediano no consumo de combustível. Com etanol, o Captur faz médias de 6,2 km/l na cidade, e 7,3 km/l na estrada. Com gasolina, os números sobem para 8,8 km/l (cidade), e 10,8 km/l (estrada). Certamente, esses números seriam melhores se a Renault tivesse usado o câmbio CVT do Renault Fluence.
 
Sempre muito equipado
 
O Renault Captur não decepciona quando assunto são os equipamentos de série. A título de informação, o Captur é oferecido em duas versões, com duas opções de motorização e câmbio:
 
• Captur Zen 1.6 SCe com câmbio manual: quatro airbags (dianteiros e laterais), controle eletrônico de estabilidade (ESP), controle eletrônico de tração (ASR), assistente de partida em rampas (HSA),  freios com ABS, ISOFIX,  direção eletro-hidráulica, volante com regulagem da altura, ar-condicionado, rodas aro 17 polegadas de liga leve, vidros elétricos, alarme perimétrico, chave-cartão hands free, comando de áudio e celular na coluna de direção (comando satélite), assento do condutor com regulagem de altura, sistema CAR (travamento automático das portas a 6 km/h), Luzes diurnas em LED, retrovisores rebatíveis, piloto automático com indicador e limitador de velocidade. Opcional: Media Nav + Câmera de Ré; pintura biton.
 
• Captur Intense 2.0 automático: adiciona rodas aro 17 polegadas de liga leve diamantadas, apoio de braço, central Media Nav 7” touchscreen, câmera de ré, ar-condicionado automático, sensor de chuva, farol de neblina com função Cornering Light, sensor crepuscular. Opcional: bancos em couro e pintura biton.
 
Preços
 
Captur 1.6 manual: R$ 78.900
Opcionais: Media NAV com câmera de ré: R$ 1.900; Pintura Bitom R$ 1.400
 
Captur 2.0 automático: R$ 88.490
Opcionais: Bancos parcialmente em couro: R$ 1.500; Pintura Bitom R$ 1.400
 
Pós-venda
 
O Captur tem garantia de fábrica de 3 anos ou 100 mil quilômetros rodados, prevalecendo o que ocorrer primeiro. Clientes que optarem pelas facilidades de financiamento via Banco Renault têm 5 anos de garantia. O plano de manutenção do modelo prevê revisões periódicas a serem feitas em intervalos de 10.000 quilômetros ou a cada ano de uso.
 
Além disso, a rede de concessionárias Renault oferece para os proprietários o programa “Revisão com Preço Fechado” e o “Pacote de Preço Fechado de Peças”, que reúne os principais itens de desgaste e manutenção. Esses dois serviços permitem aos clientes saberem de forma antecipada quanto gastarão para a realização de reparos, já que os preços sugeridos dos dois pacotes incluem os valores de peças e mão de obra.
 
Os proprietários dos modelos também contam com o apoio do Renault Assistance, um serviço de atendimento emergencial e de socorro mecânico disponível 24 horas por dia, em todo território nacional. Esta assistência oferece técnico para reparo no local, remoção do automóvel para a concessionária mais próxima, meio de transporte alternativo aos ocupantes do veículo, entre outros. Para os veículos de passeio, o serviço é oferecido, gratuitamente, por 24 meses após a compra e 12 meses para veículos utilitários.
 
Conclusão
 
O Captur 2.0 Intense é uma ótima opção, e bom upgrade, para o cliente que estava satisfeito com o Duster, e ainda sim queria algo à mais. Também se torna a melhor opção quando o cliente precisa de muito espaço interno, seja no porta-malas, ou no banco traseiro. Ainda continua como a melhor opção, para o cliente que precisa frequentemente passar por locais com pisos de baixa qualidade, com grande frequência de lombadas, valetas e buracos. Sob o aspecto do desempenho, desde de que o cliente não procure fortes emoções ao volante, o Captur 2.0 conseguirá atender satisfatoriamente um uso corriqueiro.

Oportunidade

As concessionárias Valec estão com as condições do Captur Day, prorrogadas. Além do test-drive nas versões 2.0 litros automática, e 1.6 litro manual da nova Captur, o cliente tem condições especiais. A Captur 1.6 litro está sendo vendida com preço partir de R$ 78.990, e taxas de 0,99% ao mês. A garantia regular da Captur é de 3 anos ou 100 mil km. Mas se adquirida pelo plano de financiamento, a garantia pode ser ampliada para até 5 anos. Outra opção exclusiva para quem já é cliente Renault, é uma condição especial de financiamento de taxa 0% no financiamento. Mais informações em www.valecrenault.com.br

O veículo que você procura está aqui na Comprecar!

Você sabia?

O primeiro automóvel produzido em série foi em 1908, Henry Ford constrói o Ford T e sua fabricação em série iniciou-se em 1º de outubro e foram vendidas 15 milhões de unidades entre 1908 e 1927. Tinha um motor de quatro cilindros de 20 cv de potência, fazia 5,5 km/l a 9 km/l de gasolina.