Revista Comprecar
Avaliação: Audi TT Roadster
Roadster da Audi revela muita tecnologia e alto desempenho de capota aberta
Avaliação: Audi TT Roadster
18 de Abril de 2016

Em Maio de 2015, a Audi apresentou no Brasil a terceira geração do Audi TT no Brasil. Em fevereiro de 2016, foi a vez da versão Roadster chegar às ruas brasileiras. Muito mais que um carro esportivo, o Audi TT Roadster (assim como o TT) esbanja tecnologia de ponta. Para começar, foi o primeiro carro da Audi (no mercado brasileiro) a romper com o tradicional. O grande destaque é o “Virtual Cockpit”, que aposenta de vez os tradicionais ponteiros e marcadores no painel do carro. Além disso, muito se vê do estilo do superesportivo Audi R8, nas versões TT.
 
O Audi TT Roadster é oferecido apenas com moto r 2.0 Turbo FSI com 230 cv e o câmbio S tronic de seis marchas e dupla embreagem. Ele só existe na Ambition, porém existem alguns opcionais, como veremos mais a frente.
 
Assim como acontece no TT Coupe, o Roadster é marcado por alguns detalhes externos. A família TT traz tem uma assinatura luminosa totalmente própria, com um mescla de feixes horizontais e verticais. No Roadster os faróis são inteiramente em LEDs. Além do facho alto e baixo, existe também uma função “neblina”, incorporada no bloco principal. Não existe o farol auxiliar na parte de baixo do pára-choque.
 
Na traseira, assim como acontece no Audi R8, as lanternas traseiras possuem luzes de seta dinâmicas. Elas correm de dentro para fora, indicando como uma seta o lado da conversão. Na versão com Xenon, a luz de seta acende de forma integral. Além disso, a terceira luz do freio é extremamente fina, posicionada sob a borda do defletor traseiro.
 
Outro detalhe de estilo funcional é a “asa” traseira. Quando o carro atinge 120 km/h, um spoiler se abre automaticamente na tampa do porta-malas. Isso também pode ser operado manualmente pelo moto rista, em baixa velocidade, através de um botão no painel do carro. Mas acima de 130 km/h, não é possível fechar o spoiler, através do botão.
 
O teto aberto
 
O TT Roadster combina o comportamento dinâmico de um esportivo com a experiência de direção de um carro aberto com dois lugares. Para proporcionar isso, possui travessas sob a carroceria, que aumentam tanto a rigidez torcional como o conforto de rodagem.
 
O visual do teto plano do TT Roadster contrasta com a carroceria, e é definido pelo curto design da janela lateral, típico do modelo. Para reabastecer, não é mais preciso tirar a tampa sob a portinhola redonda do tanque do lado direito. O reabastecimento agora é direto, no estilo de competição: abriu, abasteceu! Opcionalmente, o TT Roadster pode trazer pacote exterior esportivo “S line”, que reforça mais suas características dinâmicas.
 
Como todos os modelos Audi Cabriolet, o TT Roadster conta com um teto de tecido movimentado eletricamente. Na versão que chega ao Brasil ele é preto, combinando perfeitamente com o design do carro. Com peças feitas de magnésio, alumínio, aço e plástico, a capota pesa apenas 39 kg.
 
Ao abrir, o teto assume a forma de Z a medida em que se dobra, formando um volume achatado. Quando guardado na bandeja de alumínio, ele não interfere no compartimento de bagagem (porta-malas) de 280 litros. Dois moto res elétricos abrem ou fecham o teto em 10 segundos, mesmo com o carro andando a até 50 km/h.
 
Comparada à do Coupé, a carroceria do Roadster foi modificada em áreas importantes. As colunas A de alumínio escondem uma coluna de aço em seu interior que, por sua vez, aloja um tubo de aço sólido. Reforços internos de aço garantem a alta resistência das soleiras de alumínio. Travessas de aço em V reforçam as áreas sob o compartimento do moto r e do porta-malas, conectando os suportes dos eixos. Uma parede sólida, feita de dois perfis em caixa, separa o interior do carro do compartimento de bagagem. A área acima desta parede acomoda as barras anticapotagem de aço, cujas formas arredondadas definem outro elemento clássico de design. Placas de reforço fecham as aberturas da parede traseira.
 
Interior inovador
 
No TT Roadster, a Audi rompeu com o tradicional inovando em vários conceitos. Assim o carro tem menos botões, numa concepção minimalista. Truques de design, permitiram aos estilistas criar um painel de instrumentos “CLEAN”. O conjunto de instrumentos e a tela MMI foram combinados para formar uma unidade digital central: o invovador Audi Virtual Cockpit (uma tela única na frente do moto rista que substitui mostradores de ponteiros e a tela central). No TT, não existe uma tela central no carro. Tudo esta no Virtual Cockpit em frente ao moto rista.
 
Outra mudança aconteceu nos controles do sistema de ar-condicionado. Agora eles estão totalmente integrados às saídas de ventilação. As saídas de ar redondas são inspiradas nos moto res a jato, com seu design lembrando turbinas. As aberturas de ar contêm os controles dos sistemas de ar-condicionado. Os controles de temperatura, direção, distribuição e intensidade do fluxo de ar ficam no centro de cada um dos difusores. No sistema de ar-condicionado automático, de série na versão Ambition, o controle selecionado é indicado em pequenos mostradores digitais.
 
Seguindo a filosofia de um típico esportivo, o TT traz bancos esportivos, com apoios de cabeça integrados, e mais baixos do que no modelo anterior.
 
O novo volante multifuncional com desenho arrojado possibilita operação total do sistema de navegação e configuração do carro. Ele é item de série nas duas versões. Com três braços e base plana, os raios trazem detalhes em alumínio, além de oferecer a possibilidade de trocas de marchas pelos shift paddles.
 
Próximo a alavanca de câmbio, está o comando central giratório do MMI, que agora foi simplificado, reduzindo de quatro teclas de controle, para apenas duas. Na versão avaliada, estava disponível o “touch” do MMI, que permite desenhar letras, com os dedos.
 
Tecnologia de ponta
 
Como a maior inovação no Audi TT, está a avançada tecnologia embarcada. O novo volante multifuncional permite ativar praticamente todas as funções do cockpit virtual, sem tirar as mãos do volante. Tudo através de botões.
 
Outra novidade é o novo terminal MMI no console central. Duas teclas ativam os menus, que são: navegação (opcional), telefonia, rádio e mídia. O moto rista ainda pode “escrever” usando o touchpad no topo do botão de pressão rotativo. A estrutura do menu do MMI é semelhante aos smartphones. Todas as funções importantes podem ser acessadas diretamente pelas teclas de seleção.
 
Virtual Cockpit
 
Aposentando de vez os ponteiros no painel, a Audi Virtual Cockpit é na verdade uma grande tela de alta resolução. Assim, ao toque de botões no volante, o moto rista pode optar entre dois modos de exibição: na versão clássica, o velocímetro e o conta-giros ficam maiores nos cantos com uma pequena exibição gráfica ao centro.
 
No modo progressivo, os instrumentos virtuais (velocímetro e conta-giros) são menores. Utilizando este modo, o sistema disponibiliza uma ampla área de tela para outras funções, como o mapa de navegação GPS e funções do telefone conectado.
 
Com resolução de 1.440x540 pixels, a tela de 12,3 polegadas gera imagens precisas e brilhantes. Na borda inferior do Virtual Cockpit, os mostradores da temperatura exterior, hora e quilometragem são visíveis permanentemente. Símbolos de advertência ou informação também podem ser mostrados ali.
 
Motor e câmbio
 
Agora, o moto r 2.0 TFSI chega com 230 cv de potência. Ele reúne várias tecnologias modernas como: duplo sistema de injeção (indireta e direta totalizando 8 bicos), o sistema de acionamento de válvulas (Audi Valvelift System - AVS) para ajustar o curso das válvulas de exaustão e o coletor de escapamento integrado ao cabeçote. Esse moto r turbo entrega torque de 370 Nm entre 1.600 e 4.300 rpm. A transmissão é a Stronic de dupla embreagem com seis marchas. Trata-se da mesma transmissão que equipa o esportivo Audi S3.
 
Com esse conjunto, o Audi TT acelera de 0 a 100 km/h, em apenas em 5,9 segundos, atingindo velocidade máxima (limitada eletronicamente) de 250 km/h. Além de potente, o TT é eficiente. Na estrada, o cupê percorre até 12,7 km/l e, na cidade, são 9,9 km/l. Na avaliação do Inmetro, o TT Roadster recebe classificação “A” na sua categoria.
 
Outro sistema disponível que auxilia na dirigibilidade é o Audi Drive Select. Ele controla as características do moto r e a assistência da direção. O moto rista pode optar entre os modos comfort, dynamic e individual. O Audi Drive Select também intervém em vários módulos, entre eles o câmbio S tronic. O modelo ainda conta com Controle Eletrônico de Estabilidade (ESC), de multiestágios. Ele pode ser desativado tanto parcial como totalmente. Vale destacar que o TT Roadster conta com tração dianteira.
 
Launch Control
 
Para quem gosta de ainda mais esportividade, o TT vem equipado com o sistema de Launch Control (ou controle de largada). Como ele, o moto rista pode desligar o controle de tração, colocar o câmbio em modo esportivo e fazer uma arrancada bem impressionante. Para isso, basta pisar no freio com um pé, e acelerar o carro com o outro. O conta-giros vai subir para perto de 4 mil RPM. No momento que o moto rista soltar o freio, o carro vai arrancar com tudo que pode, inclusive cantando pneu.
 
Dirigibilidade
 
Fato que o Audi TT é um carro para quem gosta de correr e pilotar. Sua direção é incrivelmente direta e suas manobras são precisas. A suspensão mais firme garante toda a diversão em curvas rápidas. Como o carro é baixo, praticamente não existe inclinação de carroceria, mesmo nas manobras mais radicais. É difícil não abusar da velocidade ao volante do TT. O moto rista tem a total sensação de “trilho” atrás do volante.
 
Ainda que o TT atenda algumas necessidades básicas de conforto na cidade, fica clara sua vocação de velocidade na estrada. Como todo típico esportivo, o moto rista precisa de muita atenção em obstáculos, como lombadas e valetas, pois o TT Roadster é baixo. Além disso, entrar e sair do carro, exige certo esforço, por conta da carroceria baixa. É preciso curtir um esportivo, para não se incomodar com isso.
 
Equipamentos nas versões
 
De série, o Roadster traz de série o Audi Sound System, com potência de 155 watts e nove alto-falantes. O sistema de som Bang & Olufsen, oferecido como opcional tem amplificador com 14 canais e 12 alto-falantes, cujas bordas possuem um discreto condutor de luz de intensidade ajustável. Com o som Bang & Olufsen, a qualidade de áudio realmente impressiona. Alguns vão achar a qualidade comparável aos melhores HOME THEATERS.
 
De série, o rádio MMI plus com sistema de navegação é outro item tecnológico. O mapa de navegação é mostrado na grande tela, à frente do moto rista, identificando através da tecnologia 3D pontes, viadutos, túneis e pontos de interesse ao longo da rota. O sistema possui ainda um tocador de DVD, duas entradas para cartões de memória, conexão Bluetooth e disco rígido com mémoria interna (Jukebox) de cerca de 10 GB. Uma novidade importante do rádio MMI plus é o novo comando por voz, que aceita ordens mais complexas, facilitando a operação segura com o carro em movimento.
 
Preços
 
O TT Roadster chega uma única versão, com o preço de R$ 267 mil. Os opcionais são pintura Metálica/Perolizada/Amarelo Vegas por R$ 2 mil; Kit Esportivo S-Line por R$ 9,5 mil e o Pacote Advanced que engloba Keyless-Go; Sensor de Estacionamento Dianteiro e Sistema de Som Bang & Olufsen por R$ 10,5 mil.

Avaliações < Voltar
Avaliação: Audi TT Roadster
 

Avaliação: Audi TT Roadster

Publicado por Redação Comprecar – Especialista em carros usados e motos usadas

Roadster da Audi revela muita tecnologia e alto desempenho de capota aberta

18 de Abril de 2016

Em Maio de 2015, a Audi apresentou no Brasil a terceira geração do Audi TT no Brasil. Em fevereiro de 2016, foi a vez da versão Roadster chegar às ruas brasileiras. Muito mais que um carro esportivo, o Audi TT Roadster (assim como o TT) esbanja tecnologia de ponta. Para começar, foi o primeiro carro da Audi (no mercado brasileiro) a romper com o tradicional. O grande destaque é o “Virtual Cockpit”, que aposenta de vez os tradicionais ponteiros e marcadores no painel do carro. Além disso, muito se vê do estilo do superesportivo Audi R8, nas versões TT.
 
O Audi TT Roadster é oferecido apenas com moto r 2.0 Turbo FSI com 230 cv e o câmbio S tronic de seis marchas e dupla embreagem. Ele só existe na Ambition, porém existem alguns opcionais, como veremos mais a frente.
 
Assim como acontece no TT Coupe, o Roadster é marcado por alguns detalhes externos. A família TT traz tem uma assinatura luminosa totalmente própria, com um mescla de feixes horizontais e verticais. No Roadster os faróis são inteiramente em LEDs. Além do facho alto e baixo, existe também uma função “neblina”, incorporada no bloco principal. Não existe o farol auxiliar na parte de baixo do pára-choque.
 
Na traseira, assim como acontece no Audi R8, as lanternas traseiras possuem luzes de seta dinâmicas. Elas correm de dentro para fora, indicando como uma seta o lado da conversão. Na versão com Xenon, a luz de seta acende de forma integral. Além disso, a terceira luz do freio é extremamente fina, posicionada sob a borda do defletor traseiro.
 
Outro detalhe de estilo funcional é a “asa” traseira. Quando o carro atinge 120 km/h, um spoiler se abre automaticamente na tampa do porta-malas. Isso também pode ser operado manualmente pelo moto rista, em baixa velocidade, através de um botão no painel do carro. Mas acima de 130 km/h, não é possível fechar o spoiler, através do botão.
 
O teto aberto
 
O TT Roadster combina o comportamento dinâmico de um esportivo com a experiência de direção de um carro aberto com dois lugares. Para proporcionar isso, possui travessas sob a carroceria, que aumentam tanto a rigidez torcional como o conforto de rodagem.
 
O visual do teto plano do TT Roadster contrasta com a carroceria, e é definido pelo curto design da janela lateral, típico do modelo. Para reabastecer, não é mais preciso tirar a tampa sob a portinhola redonda do tanque do lado direito. O reabastecimento agora é direto, no estilo de competição: abriu, abasteceu! Opcionalmente, o TT Roadster pode trazer pacote exterior esportivo “S line”, que reforça mais suas características dinâmicas.
 
Como todos os modelos Audi Cabriolet, o TT Roadster conta com um teto de tecido movimentado eletricamente. Na versão que chega ao Brasil ele é preto, combinando perfeitamente com o design do carro. Com peças feitas de magnésio, alumínio, aço e plástico, a capota pesa apenas 39 kg.
 
Ao abrir, o teto assume a forma de Z a medida em que se dobra, formando um volume achatado. Quando guardado na bandeja de alumínio, ele não interfere no compartimento de bagagem (porta-malas) de 280 litros. Dois moto res elétricos abrem ou fecham o teto em 10 segundos, mesmo com o carro andando a até 50 km/h.
 
Comparada à do Coupé, a carroceria do Roadster foi modificada em áreas importantes. As colunas A de alumínio escondem uma coluna de aço em seu interior que, por sua vez, aloja um tubo de aço sólido. Reforços internos de aço garantem a alta resistência das soleiras de alumínio. Travessas de aço em V reforçam as áreas sob o compartimento do moto r e do porta-malas, conectando os suportes dos eixos. Uma parede sólida, feita de dois perfis em caixa, separa o interior do carro do compartimento de bagagem. A área acima desta parede acomoda as barras anticapotagem de aço, cujas formas arredondadas definem outro elemento clássico de design. Placas de reforço fecham as aberturas da parede traseira.
 
Interior inovador
 
No TT Roadster, a Audi rompeu com o tradicional inovando em vários conceitos. Assim o carro tem menos botões, numa concepção minimalista. Truques de design, permitiram aos estilistas criar um painel de instrumentos “CLEAN”. O conjunto de instrumentos e a tela MMI foram combinados para formar uma unidade digital central: o invovador Audi Virtual Cockpit (uma tela única na frente do moto rista que substitui mostradores de ponteiros e a tela central). No TT, não existe uma tela central no carro. Tudo esta no Virtual Cockpit em frente ao moto rista.
 
Outra mudança aconteceu nos controles do sistema de ar-condicionado. Agora eles estão totalmente integrados às saídas de ventilação. As saídas de ar redondas são inspiradas nos moto res a jato, com seu design lembrando turbinas. As aberturas de ar contêm os controles dos sistemas de ar-condicionado. Os controles de temperatura, direção, distribuição e intensidade do fluxo de ar ficam no centro de cada um dos difusores. No sistema de ar-condicionado automático, de série na versão Ambition, o controle selecionado é indicado em pequenos mostradores digitais.
 
Seguindo a filosofia de um típico esportivo, o TT traz bancos esportivos, com apoios de cabeça integrados, e mais baixos do que no modelo anterior.
 
O novo volante multifuncional com desenho arrojado possibilita operação total do sistema de navegação e configuração do carro. Ele é item de série nas duas versões. Com três braços e base plana, os raios trazem detalhes em alumínio, além de oferecer a possibilidade de trocas de marchas pelos shift paddles.
 
Próximo a alavanca de câmbio, está o comando central giratório do MMI, que agora foi simplificado, reduzindo de quatro teclas de controle, para apenas duas. Na versão avaliada, estava disponível o “touch” do MMI, que permite desenhar letras, com os dedos.
 
Tecnologia de ponta
 
Como a maior inovação no Audi TT, está a avançada tecnologia embarcada. O novo volante multifuncional permite ativar praticamente todas as funções do cockpit virtual, sem tirar as mãos do volante. Tudo através de botões.
 
Outra novidade é o novo terminal MMI no console central. Duas teclas ativam os menus, que são: navegação (opcional), telefonia, rádio e mídia. O moto rista ainda pode “escrever” usando o touchpad no topo do botão de pressão rotativo. A estrutura do menu do MMI é semelhante aos smartphones. Todas as funções importantes podem ser acessadas diretamente pelas teclas de seleção.
 
Virtual Cockpit
 
Aposentando de vez os ponteiros no painel, a Audi Virtual Cockpit é na verdade uma grande tela de alta resolução. Assim, ao toque de botões no volante, o moto rista pode optar entre dois modos de exibição: na versão clássica, o velocímetro e o conta-giros ficam maiores nos cantos com uma pequena exibição gráfica ao centro.
 
No modo progressivo, os instrumentos virtuais (velocímetro e conta-giros) são menores. Utilizando este modo, o sistema disponibiliza uma ampla área de tela para outras funções, como o mapa de navegação GPS e funções do telefone conectado.
 
Com resolução de 1.440x540 pixels, a tela de 12,3 polegadas gera imagens precisas e brilhantes. Na borda inferior do Virtual Cockpit, os mostradores da temperatura exterior, hora e quilometragem são visíveis permanentemente. Símbolos de advertência ou informação também podem ser mostrados ali.
 
Motor e câmbio
 
Agora, o moto r 2.0 TFSI chega com 230 cv de potência. Ele reúne várias tecnologias modernas como: duplo sistema de injeção (indireta e direta totalizando 8 bicos), o sistema de acionamento de válvulas (Audi Valvelift System - AVS) para ajustar o curso das válvulas de exaustão e o coletor de escapamento integrado ao cabeçote. Esse moto r turbo entrega torque de 370 Nm entre 1.600 e 4.300 rpm. A transmissão é a Stronic de dupla embreagem com seis marchas. Trata-se da mesma transmissão que equipa o esportivo Audi S3.
 
Com esse conjunto, o Audi TT acelera de 0 a 100 km/h, em apenas em 5,9 segundos, atingindo velocidade máxima (limitada eletronicamente) de 250 km/h. Além de potente, o TT é eficiente. Na estrada, o cupê percorre até 12,7 km/l e, na cidade, são 9,9 km/l. Na avaliação do Inmetro, o TT Roadster recebe classificação “A” na sua categoria.
 
Outro sistema disponível que auxilia na dirigibilidade é o Audi Drive Select. Ele controla as características do moto r e a assistência da direção. O moto rista pode optar entre os modos comfort, dynamic e individual. O Audi Drive Select também intervém em vários módulos, entre eles o câmbio S tronic. O modelo ainda conta com Controle Eletrônico de Estabilidade (ESC), de multiestágios. Ele pode ser desativado tanto parcial como totalmente. Vale destacar que o TT Roadster conta com tração dianteira.
 
Launch Control
 
Para quem gosta de ainda mais esportividade, o TT vem equipado com o sistema de Launch Control (ou controle de largada). Como ele, o moto rista pode desligar o controle de tração, colocar o câmbio em modo esportivo e fazer uma arrancada bem impressionante. Para isso, basta pisar no freio com um pé, e acelerar o carro com o outro. O conta-giros vai subir para perto de 4 mil RPM. No momento que o moto rista soltar o freio, o carro vai arrancar com tudo que pode, inclusive cantando pneu.
 
Dirigibilidade
 
Fato que o Audi TT é um carro para quem gosta de correr e pilotar. Sua direção é incrivelmente direta e suas manobras são precisas. A suspensão mais firme garante toda a diversão em curvas rápidas. Como o carro é baixo, praticamente não existe inclinação de carroceria, mesmo nas manobras mais radicais. É difícil não abusar da velocidade ao volante do TT. O moto rista tem a total sensação de “trilho” atrás do volante.
 
Ainda que o TT atenda algumas necessidades básicas de conforto na cidade, fica clara sua vocação de velocidade na estrada. Como todo típico esportivo, o moto rista precisa de muita atenção em obstáculos, como lombadas e valetas, pois o TT Roadster é baixo. Além disso, entrar e sair do carro, exige certo esforço, por conta da carroceria baixa. É preciso curtir um esportivo, para não se incomodar com isso.
 
Equipamentos nas versões
 
De série, o Roadster traz de série o Audi Sound System, com potência de 155 watts e nove alto-falantes. O sistema de som Bang & Olufsen, oferecido como opcional tem amplificador com 14 canais e 12 alto-falantes, cujas bordas possuem um discreto condutor de luz de intensidade ajustável. Com o som Bang & Olufsen, a qualidade de áudio realmente impressiona. Alguns vão achar a qualidade comparável aos melhores HOME THEATERS.
 
De série, o rádio MMI plus com sistema de navegação é outro item tecnológico. O mapa de navegação é mostrado na grande tela, à frente do moto rista, identificando através da tecnologia 3D pontes, viadutos, túneis e pontos de interesse ao longo da rota. O sistema possui ainda um tocador de DVD, duas entradas para cartões de memória, conexão Bluetooth e disco rígido com mémoria interna (Jukebox) de cerca de 10 GB. Uma novidade importante do rádio MMI plus é o novo comando por voz, que aceita ordens mais complexas, facilitando a operação segura com o carro em movimento.
 
Preços
 
O TT Roadster chega uma única versão, com o preço de R$ 267 mil. Os opcionais são pintura Metálica/Perolizada/Amarelo Vegas por R$ 2 mil; Kit Esportivo S-Line por R$ 9,5 mil e o Pacote Advanced que engloba Keyless-Go; Sensor de Estacionamento Dianteiro e Sistema de Som Bang & Olufsen por R$ 10,5 mil.

O veículo que você procura está aqui na Comprecar!