Revista Comprecar
Avaliação: Chevrolet Camaro SS Conversível
O ícone entre os “muscle car”, ainda mais sensual e exclusivo
Avaliação: Chevrolet Camaro SS Conversível
27 de Outubro de 2014

Por Jorge Augusto
Fotos: Marcelo Alexandre
 
Em junho desse ano, a Chevrolet apresentou oficialmente o Camaro &tipo=1"> Camaro Conversível. E agora, trazemos a nossa avaliação completa dessa tão exclusiva versão do Camaro . Importante destacar que o conversível é comercializado num pacote único, sem opcionais. Aliás, o carro tem exatamente os mesmos equipamentos da versão cupê. A única diferença é a capota de lona, que abre por acionamento elétrico.
 
Independente daqueles que gostam (ou não gostam) do Camaro , fica o fato incontestável que estamos falando de um carro que nunca passa de forma indiferente. Aqueles que amam o carro, o defende com unhas e dentes. Existem ainda aqueles que veem o Camaro &tipo=1"> Camaro como um anti exemplo da sustentabilidade. Mas o fato principal é que mesmo depois de alguns anos no mercado, o Camaro &tipo=1"> Camaro continua com um desenho de carroceria instigante. E a versão conversível consegue ir ainda além, com o charme de uma capota que abre.
 
Se o Camaro &tipo=1"> Camaro SS Cupê é um carro onde a motivação pela sua escolha baseava-se em algo 100% emocional, a opção conversível eleva essa escolha ao quadrado! Além de ser um veículo incrivelmente específico pela proposta, agora tornasse absolutamente “único”, no mercado brasileiro.
 
Nenhum cliente de Camaro &tipo=1"> Camaro escolhe esse o carro pela facilidade na condução com ampla visibilidade, pela praticidade ao se estacionar ou pela oferta de porta-trecos. Muito menos pela economia de combustível ou sustentabilidade ecológica.
 
O cliente do Camaro &tipo=1"> Camaro é um apaixonado por design, ama carros clássicos, adora o som de oito “canecos” vibrando sob o capô, gosta de um escapamento esportivo, quer um 0 à 100 em menos de 5 segundo e tem toda a certeza do mundo que “ moto rzinho” é coisa para dentista. Pois bem, com o conversível não é diferente. E ainda por cima, o cliente dessa versão, gosta de ser visto.
 
O Camaro &tipo=1"> Camaro conversível tem exatamente a mesma configuração da versão cupê. Ele usa um moto r V8 de 6,2 litros tipo “Small Block” associado a um câmbio automático de seis marchas.
 
A capota de lona
 
Seguindo o estilo “Muscle Car” da atual geração do Camaro , a versão conversível se destaca pela capota em lona preta. Ainda que existam alguns conversíveis com capotas rígidas, vários fabricantes optam pela capota de lona. O motivo curioso para isso (e não confirmado pelas montadoras) é justamente fazer o carro parecer um conversível, mesmo com a capota fechada! Afinal, os conversíveis de capota rígida (de metal) quando ela está fechada, ficam iguais aos carros tradicionais. E um conversível com capota de lona, além de mais clássico, é sempre identificado como um conversível.
 
Essa seria uma boa aposta para entender a capota de lona, no Camaro . Afinal, um clássico precisa ser sempre um clássico. Dessa forma o Camaro &tipo=1"> Camaro traz uma capota de lona Twillfast, revestida em espuma acústica com um vidro traseiro térmico. A Chevrolet faz questão de afirmar que o conversível mantém o mesmo nível de ruído do cupê. Mas na prática, não é bem assim. De qualquer forma, essa capota foi feita em parceria com o mesmo fabricante da capota do Corvette.
 
No Camaro , para a operação da capota, os vidros abaixam e a capota se dobra em um movimento “Z”, em 20 segundos. Para isso é preciso liberar uma trava manual que fica bem no centro do capota, junto ao para-brisa. Um botão instalado no teto, faz a capota abrir. A operação exige que o veículo esteja parado, com a alavanca da transmissão na posição “P” (Parking). Curioso esse fato, pois modelos como o Peugeot 308 CC e BMW Z4, podem operar a capota mesmo com o carro em movimento, desde que a velocidade seja inferior à 20 km/h e não tem a trava manual no acionamento.
 
Depois de aberta, essa capota fica dobrada em um espaço que sobra entre o banco traseiro e a carroceria do carro. O visual não é muito bonito. Dá a impressão de estar faltando alguma coisa, com o espaço vazio não preenchido pela capota dobrada. Para isso, existe uma cobertura de acabamento que acompanha o carro. Dobrado em 4 partes, esse acabamento fica guardado no porta-malas, numa bolsa que lembra um saco de tacos de golfe.
 
O proprietário do Camaro &tipo=1"> Camaro conversível leva em torno de 5 minutos para montar esse acabamento sobre a capota dobrada. A montagem é simples e fácil. Depois disso, o aspecto visual do Camaro &tipo=1"> Camaro Conversível, com a capota aberta, melhora bastante. Mesmo sem o acabamento, o Camaro &tipo=1"> Camaro Conversível pode ser utilizado normalmente com a capota aberta. O acabamento é meramente estético.
 
Estilo
 
O Camaro &tipo=1"> Camaro SS Conversível 2014 mantém a inspiração no conceito do carro original produzido entre 1967 e 1969. O Camaro &tipo=1"> Camaro Conversível já chegou ao Brasil no modelo 2014, que tem a grade frontal maior. Também traz a saída de ar na parte superior do capô. A capota conversível aumenta um pouco o arrasto aerodinâmico do carro. No cupê, o Cx é de 0,35. No conversível, o Cx sobe para 0,39.
 
Powertrain
 
O Camaro &tipo=1"> Camaro conversível vem equipado com o poderoso moto r V8 de 406 cv de potência! Aliás, no Brasil, não existe qualquer outro carro com essa potência, pelo valor que o Camaro &tipo=1"> Camaro é vendido. Isso vale para o conversível também. Carros com potência parecida custam muito mais caro que o Camaro . Além de muito potente, o moto r ainda gera um torque impressionante de 56,7 kgfm. Para se ter uma ideia de quanto esse torque é elevado, basta dizer que carros com moto r V6 à gasolina tem torque na casa de 35 kgfm. E veículos Flex com moto r 2 litros, contam com torque médio de 20 kgfm.
 
Esse moto r V8 realmente impressiona. Em outras configurações (não disponíveis no Brasil), esse moto r pode chegar a potência máxima de até 580 cavalos. E a título de curiosidade, esse moto r ainda é a base utilizada nos veículos da Stockcar brasileira.
 
Junto com esse poderoso moto r tem-se um câmbio automático sequencial de seis marchas, batizado pela Chevrolet de GR6. Além da comodidade do câmbio automático, o moto rista ainda pode interagir com o carro através das trocas manuais, por meio de borboletas atrás do volante: o "Paddle Shift”.
 
Utilizando os seletores "Paddle Shift", é possível fazer trocas de marchas, sem a necessidade de tirar as mãos do volante. O sistema utilizado no Camaro , permite fazer a troca de marcha mesmo com o seletor na posição "D" Drive. Na posição “M”, a troca precisa ser feita sempre pelo moto rista.
 
O moto r do Camaro &tipo=1"> Camaro também incorpora muita tecnologia. Ele continua equipado com o sistema AFM (Active Fuel Management). Trata-se de um recurso que permite o desligamento automático dos cilindros. Funciona assim: quando o veículo encontra-se em velocidade de cruzeiro (em uma viagem), o sistema de gerenciamento do moto r consegue realizar o desligamento de metade dos cilindros.
 
Isso acontece na injeção de combustível, com o desligamento do bico. Também é realizado o fechamento das válvulas de admissão e escape do cilindro. Um dispositivo eletrônico, por meio da atuação de uma válvula, realiza o fechamento das válvulas. Assim, com quatro cilindros desligados, o carro fica mais econômico. Dessa forma, apenas metade dos cilindros mantém o Camaro &tipo=1"> Camaro em velocidade de cruzeiro. Mas se o moto rista der uma acelerada mais forte, os cilindros se religam quase que instantaneamente, devolvendo toda potência ao moto r do carro. Um item importante no Camaro &tipo=1"> Camaro é o fato do moto r ter sido calibrado para utilizar a gasolina brasileira, sem prejuízo dos componentes.
 
Desempenho e consumo
 
A performance é realmente impressionante. A aceleração de 0 à 100 km/h, acontece em pouco mais de 5 segundos. E a velocidade máxima é de 250 km/h (limitada eletronicamente).
 
Fato que o Camaro &tipo=1"> Camaro SS não é um carro econômico. Na versão cupê são 1.790 kg. No conversível, o peso sobre para 1.916 kg. Isso por conta de diversos reforços estruturais que o modelo recebe na carroceria. Um deles pode ser facilmente visto, ao se abrir o capô. Uma haste metálica liga as duas torres dos amortecedores dianteiros. Mas existem vários outros reforços na parte inferior da carroceria, dispostos em barras diagonais, reforçando toda a estrutura.
 
Com um moto r de V8 de 6,2 litros, não dá para fazer milagres. Na cidade, a média de consumo fica abaixo de 5 km/l. Na estrada dá para fazer quase 10 km/l, em velocidade constante de 110 km/h. Uma prova que o sistema de gerenciamento de cilindros realmente funciona. Um detalhe que a GM pode rever, é justamente a indicação do consumo no computador de bordo em “litros/100 km”. Uma nova linha de programação no sistema, disponibilizaria a medida em “km/l”.
 
Dirigibilidade
 
No geral, o Camaro &tipo=1"> Camaro conversível tem a dirigibilidade muito parecida com a versão cupê. Dinamicamente, os carros são praticamente iguais. Agora, qualquer pessoa acostumada com o Camaro &tipo=1"> Camaro cupê, vai notar uma vibração ligeiramente maior no conversível, principalmente com a capota aberta. Aliás, qualquer conversível vibra mais que a versão cupê (quando existem as versões para comparação). Mas essa diferença não interfere na dinâmica do carro.
 
O Camaro &tipo=1"> Camaro conversível vem com controle eletrônico de tração e de estabilidade. É possível desativar ambos os sistemas. Pressionando-se o botão apenas uma vez, ele desabilita apenas o controle de tração. Pressionando novamente, o controle de estabilidade entra no modo "Dinâmico", permitindo uma condução altamente esportiva, mas mantendo algum nível de segurança. Trabalhando em conjunto com o sistema eletrônico de tração, o Camaro &tipo=1"> Camaro incorpora controle de tração mecânico por meio de um diferencial traseiro de escorregamento limitado (LSD). Isso evita que apenas uma das rodas gire mais que a outra, num piso de baixa aderência.
 
O superesportivo vem equipado com rodas de alumínio de 20 polegadas de tala 8 polegadas na dianteira e 9 polegada na traseira. Os pneus são de medida 245/45 ZR20 na dianteira e 275/40 ZR20 na traseira. O Camaro &tipo=1"> Camaro não tem estepe, macaco e chave de rodas. O kit de reparo é composto por compressor com acionamento elétrico e material selante para furos pequenos. Um rasgo no pneu, só é resolvido com reboque e troca de todo pneu.
 
Mesmo com os sistemas de tração ligados e com pista seca, é preciso atenção e perícia ao dirigir o Camaro . Entrar numa curva forte, pisando fundo no acelerador, fará a traseira escorregar levemente. Desligar o controle de tração e dirigir o carro na chuva, é coisa para moto rista com nível de “pilotagem profissional”. Fato que o Camaro &tipo=1"> Camaro SS é um carro “bruto” quando o pedal do acelerador é usado com vontade.
 
E para o carro continuar no chão, e parando, outros detalhes foram previstos. A suspensão do Camaro &tipo=1"> Camaro é baixa, e relativamente dura. Não chega a ser muito desconfortável como acontece em alguns esportivos. Mas não é suave. O moto rista precisa prestar muita atenção em lombadas e valetas, para não bater ou raspar o bico do carro. Numa estrada boa e ampla, com curvas longas (como a Rodovia dos Bandeirantes) é uma delícia dirigir o Camaro . Estamos falando de um carro que foi projetado para pisos de boa qualidade. Já estradas muito sinuosas, e irregulares, fica evidente o desconforto na condução.
 
E para parar o Camaro &tipo=1"> Camaro conversível, os enormes discos de freios utilizam pinças Brembo – marca italiana reconhecida mundialmente por equipar carros de F1, de seis pistões na dianteira e quatro na traseira. No geral, os freios atendem bem. Agora, aqueles que querem fazer o uso completo dos 406 cavalos, com tudo que tem direito, podem achar o sistema um pouco limitado, nas máximas. É preciso atenção redobrada no espaço necessário para as frenagens.
 
Interior
 
Os bancos dianteiros trazem regulagem elétrica (porém sem memórias). Outros detalhes interessantes são as laterais das portas com um filete de iluminação em LEDs, na cor ice blue. Destaque para os mostradores no console central, que apresentam um visual retro, com mostradores quadrados e grandes ponteiros vermelhos. São exibidas as seguintes informações: voltímetro, pressão do óleo do moto r, temperatura do óleo do moto r e temperatura do óleo do câmbio.
 
Nos bancos da frente, o nível de conforto é bom. A posição do moto rista, e passageiro, é típica de um carro esportivo com a nítida sensação de um cockpit. A visibilidade também não é das melhores, principalmente a traseira. No banco traseiro, o espaço é ainda menor que na versão cupê. Apenas duas crianças, ou pessoas de até 1,65m conseguem se acomodar no espaço. O porta-malas é pequeno. Enquanto no cupê são 320 litros, no conversível cai para 290 litros. E isso com a capota fechada. Para poder abrir a capota, é preciso estender uma rede que reduz pela metade o espaço do porta-malas. Essa rede reserva o espaço da capota, dentro do porta-malas. Na prática, cabem apenas duas pequenas mochilas, quando a capota esta aberta. Em resumo, o Camaro &tipo=1"> Camaro conversível é ideal para casais sem filhos.
 
Equipamentos
 
O painel de instrumentos e os diversos mostradores do console trazem iluminação Ice Blue com ponteios em vermelho. Outro equipamento presente é o MyLink. Trata-se de um sistema de multimídia que permite ao usuário trazer suas músicas, fotos, vídeos e aplicativos do celular para o veículo, além de fazer ligações telefônicas via Bluetooth por meio da tecnologia HFT (Hands Free Telephone). Também permite configurar algumas funções do veículo de acordo com as suas preferências. Atenção que esse equipamento não possui mais a entrada para o disco de CD. Música no carro, apenas por processos digitais modernos.
 
Além dos atributos como tela touch screen de sete polegadas, reprodutor de MP3, entrada USB, entrada auxiliar, conexão Bluetooth, também conta com reconhecimento de voz para agenda e ligações telefônicas. Entre as novidades estão: o comandos de voz para navegação e áudio, câmera de ré integrada e a função áudio streaming, utilizando o aplicativo Tune In. O sistema ainda permite a visualização de informações do celular, como, agenda de contatos e histórico de chamadas.
 
Para fazer “par” com o potente moto r, o sistema de áudio vem com 245 watts de potência, fornecido pela Boston Acoustics, com um total de nove alto-falantes. Realmente a fidelidade acústica impressiona no carro. Dá para escutar o som com volume realmente alto, sem distorção acústica, ou falta de grave.
 
Um item muito interessante é o Heads-Up Display (HUD). Ele projeta diversas informações, do painel principal, diretamente no para-brisa do veículo. Isso permite que o moto rista não desvie o olhar da estrada, já que as informações ficam projetadas diretamente para-brisa. O HUD nasceu em projetos militares que a GM executou para as forças armadas norte-americanas. Dentre as informações projetadas estão: a velocidade, rotação do moto r, temperatura externa e indicador de força “G” em curvas. O condutor ainda pode personalizar a altura e a intensidade das imagens. E na nova geração do Camaro , essa projeção acontece em cores (antes eram monocromáticas).
 
O Camaro &tipo=1"> Camaro também oferece travas elétricas das portas e vidros com acionamento do tipo “one touch”, tanto para o moto rista quanto para o passageiro. Os mais atentos vão notar que no Camaro &tipo=1"> Camaro conversível são quatro vidros elétricos (no cupê são apenas dois).
 
Outro interessante equipamento é a possibilidade de executar a partida remota. Assim como acontece na Captiva V6, através de um botão na chave, é possível dar a partida à distância no Camaro . Isso aciona o ar-condicionado do carro e já climatiza o interior do carro, antes mesmo do moto rista entrar no carro.
 
Agora, a GM poderia pensar em melhorar algumas coisas. O sistema de ar-condicionado é manual, e de simples zona. Falta também um sensor de estacionamento dianteiro no carro, considerando a baixa visibilidade em manobras. A opção de duas ou três memórias no banco elétrico do moto rista poderia ajudar também.
 
Recall da chave de partida
 
Antes do recall mundial anunciado para o Camaro , o carro vinha equipado com uma chave tipo canivete. Quando aberta, e inserida na ignição, a chave ficava numa posição que, em casos extremos, o moto rista poderia bater o joelho na chave, desligando o moto r do carro, em plena condução.
 
Assim a GM promoveu um recall, onde a chave canivete foi substituída por uma chave convencional. Agora, são duas partes: a antiga que mantém os controles por rádio frequência, e uma chave simples para dar a partida. A solução não ficou muito bonito e nem prática. Mas a segurança deve vir sempre em primeiro lugar.
 
Mercado
 
O Camaro &tipo=1"> Camaro Conversível é comercializado apenas nas cores: amarelo, preto, branco e cinza com os seguintes acessórios: adesivos de capô, insulfilm, filme segurança, capa protetora e rede para objetos no porta-malas.
 
No Brasil, o Camaro &tipo=1"> Camaro é vendido na versão topo de linha SS. Porém, no Brasil, não estão disponíveis os faróis equipados com iluminação xenon e teto-solar com controle elétrico. O preço sugerido do Camaro &tipo=1"> Camaro conversível é de R$ 245 mil. A título de comparação, a versão cupê é vendida por R$ 228 mil.

Avaliações < Voltar
Avaliação: Chevrolet Camaro SS Conversível
 

Avaliação: Chevrolet Camaro SS Conversível

Publicado por Redação Comprecar – Especialista em carros usados e motos usadas

O ícone entre os “muscle car”, ainda mais sensual e exclusivo

27 de Outubro de 2014

Por Jorge Augusto
Fotos: Marcelo Alexandre
 
Em junho desse ano, a Chevrolet apresentou oficialmente o Camaro &tipo=1"> Camaro Conversível. E agora, trazemos a nossa avaliação completa dessa tão exclusiva versão do Camaro . Importante destacar que o conversível é comercializado num pacote único, sem opcionais. Aliás, o carro tem exatamente os mesmos equipamentos da versão cupê. A única diferença é a capota de lona, que abre por acionamento elétrico.
 
Independente daqueles que gostam (ou não gostam) do Camaro , fica o fato incontestável que estamos falando de um carro que nunca passa de forma indiferente. Aqueles que amam o carro, o defende com unhas e dentes. Existem ainda aqueles que veem o Camaro &tipo=1"> Camaro como um anti exemplo da sustentabilidade. Mas o fato principal é que mesmo depois de alguns anos no mercado, o Camaro &tipo=1"> Camaro continua com um desenho de carroceria instigante. E a versão conversível consegue ir ainda além, com o charme de uma capota que abre.
 
Se o Camaro &tipo=1"> Camaro SS Cupê é um carro onde a motivação pela sua escolha baseava-se em algo 100% emocional, a opção conversível eleva essa escolha ao quadrado! Além de ser um veículo incrivelmente específico pela proposta, agora tornasse absolutamente “único”, no mercado brasileiro.
 
Nenhum cliente de Camaro &tipo=1"> Camaro escolhe esse o carro pela facilidade na condução com ampla visibilidade, pela praticidade ao se estacionar ou pela oferta de porta-trecos. Muito menos pela economia de combustível ou sustentabilidade ecológica.
 
O cliente do Camaro &tipo=1"> Camaro é um apaixonado por design, ama carros clássicos, adora o som de oito “canecos” vibrando sob o capô, gosta de um escapamento esportivo, quer um 0 à 100 em menos de 5 segundo e tem toda a certeza do mundo que “ moto rzinho” é coisa para dentista. Pois bem, com o conversível não é diferente. E ainda por cima, o cliente dessa versão, gosta de ser visto.
 
O Camaro &tipo=1"> Camaro conversível tem exatamente a mesma configuração da versão cupê. Ele usa um moto r V8 de 6,2 litros tipo “Small Block” associado a um câmbio automático de seis marchas.
 
A capota de lona
 
Seguindo o estilo “Muscle Car” da atual geração do Camaro , a versão conversível se destaca pela capota em lona preta. Ainda que existam alguns conversíveis com capotas rígidas, vários fabricantes optam pela capota de lona. O motivo curioso para isso (e não confirmado pelas montadoras) é justamente fazer o carro parecer um conversível, mesmo com a capota fechada! Afinal, os conversíveis de capota rígida (de metal) quando ela está fechada, ficam iguais aos carros tradicionais. E um conversível com capota de lona, além de mais clássico, é sempre identificado como um conversível.
 
Essa seria uma boa aposta para entender a capota de lona, no Camaro . Afinal, um clássico precisa ser sempre um clássico. Dessa forma o Camaro &tipo=1"> Camaro traz uma capota de lona Twillfast, revestida em espuma acústica com um vidro traseiro térmico. A Chevrolet faz questão de afirmar que o conversível mantém o mesmo nível de ruído do cupê. Mas na prática, não é bem assim. De qualquer forma, essa capota foi feita em parceria com o mesmo fabricante da capota do Corvette.
 
No Camaro , para a operação da capota, os vidros abaixam e a capota se dobra em um movimento “Z”, em 20 segundos. Para isso é preciso liberar uma trava manual que fica bem no centro do capota, junto ao para-brisa. Um botão instalado no teto, faz a capota abrir. A operação exige que o veículo esteja parado, com a alavanca da transmissão na posição “P” (Parking). Curioso esse fato, pois modelos como o Peugeot 308 CC e BMW Z4, podem operar a capota mesmo com o carro em movimento, desde que a velocidade seja inferior à 20 km/h e não tem a trava manual no acionamento.
 
Depois de aberta, essa capota fica dobrada em um espaço que sobra entre o banco traseiro e a carroceria do carro. O visual não é muito bonito. Dá a impressão de estar faltando alguma coisa, com o espaço vazio não preenchido pela capota dobrada. Para isso, existe uma cobertura de acabamento que acompanha o carro. Dobrado em 4 partes, esse acabamento fica guardado no porta-malas, numa bolsa que lembra um saco de tacos de golfe.
 
O proprietário do Camaro &tipo=1"> Camaro conversível leva em torno de 5 minutos para montar esse acabamento sobre a capota dobrada. A montagem é simples e fácil. Depois disso, o aspecto visual do Camaro &tipo=1"> Camaro Conversível, com a capota aberta, melhora bastante. Mesmo sem o acabamento, o Camaro &tipo=1"> Camaro Conversível pode ser utilizado normalmente com a capota aberta. O acabamento é meramente estético.
 
Estilo
 
O Camaro &tipo=1"> Camaro SS Conversível 2014 mantém a inspiração no conceito do carro original produzido entre 1967 e 1969. O Camaro &tipo=1"> Camaro Conversível já chegou ao Brasil no modelo 2014, que tem a grade frontal maior. Também traz a saída de ar na parte superior do capô. A capota conversível aumenta um pouco o arrasto aerodinâmico do carro. No cupê, o Cx é de 0,35. No conversível, o Cx sobe para 0,39.
 
Powertrain
 
O Camaro &tipo=1"> Camaro conversível vem equipado com o poderoso moto r V8 de 406 cv de potência! Aliás, no Brasil, não existe qualquer outro carro com essa potência, pelo valor que o Camaro &tipo=1"> Camaro é vendido. Isso vale para o conversível também. Carros com potência parecida custam muito mais caro que o Camaro . Além de muito potente, o moto r ainda gera um torque impressionante de 56,7 kgfm. Para se ter uma ideia de quanto esse torque é elevado, basta dizer que carros com moto r V6 à gasolina tem torque na casa de 35 kgfm. E veículos Flex com moto r 2 litros, contam com torque médio de 20 kgfm.
 
Esse moto r V8 realmente impressiona. Em outras configurações (não disponíveis no Brasil), esse moto r pode chegar a potência máxima de até 580 cavalos. E a título de curiosidade, esse moto r ainda é a base utilizada nos veículos da Stockcar brasileira.
 
Junto com esse poderoso moto r tem-se um câmbio automático sequencial de seis marchas, batizado pela Chevrolet de GR6. Além da comodidade do câmbio automático, o moto rista ainda pode interagir com o carro através das trocas manuais, por meio de borboletas atrás do volante: o "Paddle Shift”.
 
Utilizando os seletores "Paddle Shift", é possível fazer trocas de marchas, sem a necessidade de tirar as mãos do volante. O sistema utilizado no Camaro , permite fazer a troca de marcha mesmo com o seletor na posição "D" Drive. Na posição “M”, a troca precisa ser feita sempre pelo moto rista.
 
O moto r do Camaro &tipo=1"> Camaro também incorpora muita tecnologia. Ele continua equipado com o sistema AFM (Active Fuel Management). Trata-se de um recurso que permite o desligamento automático dos cilindros. Funciona assim: quando o veículo encontra-se em velocidade de cruzeiro (em uma viagem), o sistema de gerenciamento do moto r consegue realizar o desligamento de metade dos cilindros.
 
Isso acontece na injeção de combustível, com o desligamento do bico. Também é realizado o fechamento das válvulas de admissão e escape do cilindro. Um dispositivo eletrônico, por meio da atuação de uma válvula, realiza o fechamento das válvulas. Assim, com quatro cilindros desligados, o carro fica mais econômico. Dessa forma, apenas metade dos cilindros mantém o Camaro &tipo=1"> Camaro em velocidade de cruzeiro. Mas se o moto rista der uma acelerada mais forte, os cilindros se religam quase que instantaneamente, devolvendo toda potência ao moto r do carro. Um item importante no Camaro &tipo=1"> Camaro é o fato do moto r ter sido calibrado para utilizar a gasolina brasileira, sem prejuízo dos componentes.
 
Desempenho e consumo
 
A performance é realmente impressionante. A aceleração de 0 à 100 km/h, acontece em pouco mais de 5 segundos. E a velocidade máxima é de 250 km/h (limitada eletronicamente).
 
Fato que o Camaro &tipo=1"> Camaro SS não é um carro econômico. Na versão cupê são 1.790 kg. No conversível, o peso sobre para 1.916 kg. Isso por conta de diversos reforços estruturais que o modelo recebe na carroceria. Um deles pode ser facilmente visto, ao se abrir o capô. Uma haste metálica liga as duas torres dos amortecedores dianteiros. Mas existem vários outros reforços na parte inferior da carroceria, dispostos em barras diagonais, reforçando toda a estrutura.
 
Com um moto r de V8 de 6,2 litros, não dá para fazer milagres. Na cidade, a média de consumo fica abaixo de 5 km/l. Na estrada dá para fazer quase 10 km/l, em velocidade constante de 110 km/h. Uma prova que o sistema de gerenciamento de cilindros realmente funciona. Um detalhe que a GM pode rever, é justamente a indicação do consumo no computador de bordo em “litros/100 km”. Uma nova linha de programação no sistema, disponibilizaria a medida em “km/l”.
 
Dirigibilidade
 
No geral, o Camaro &tipo=1"> Camaro conversível tem a dirigibilidade muito parecida com a versão cupê. Dinamicamente, os carros são praticamente iguais. Agora, qualquer pessoa acostumada com o Camaro &tipo=1"> Camaro cupê, vai notar uma vibração ligeiramente maior no conversível, principalmente com a capota aberta. Aliás, qualquer conversível vibra mais que a versão cupê (quando existem as versões para comparação). Mas essa diferença não interfere na dinâmica do carro.
 
O Camaro &tipo=1"> Camaro conversível vem com controle eletrônico de tração e de estabilidade. É possível desativar ambos os sistemas. Pressionando-se o botão apenas uma vez, ele desabilita apenas o controle de tração. Pressionando novamente, o controle de estabilidade entra no modo "Dinâmico", permitindo uma condução altamente esportiva, mas mantendo algum nível de segurança. Trabalhando em conjunto com o sistema eletrônico de tração, o Camaro &tipo=1"> Camaro incorpora controle de tração mecânico por meio de um diferencial traseiro de escorregamento limitado (LSD). Isso evita que apenas uma das rodas gire mais que a outra, num piso de baixa aderência.
 
O superesportivo vem equipado com rodas de alumínio de 20 polegadas de tala 8 polegadas na dianteira e 9 polegada na traseira. Os pneus são de medida 245/45 ZR20 na dianteira e 275/40 ZR20 na traseira. O Camaro &tipo=1"> Camaro não tem estepe, macaco e chave de rodas. O kit de reparo é composto por compressor com acionamento elétrico e material selante para furos pequenos. Um rasgo no pneu, só é resolvido com reboque e troca de todo pneu.
 
Mesmo com os sistemas de tração ligados e com pista seca, é preciso atenção e perícia ao dirigir o Camaro . Entrar numa curva forte, pisando fundo no acelerador, fará a traseira escorregar levemente. Desligar o controle de tração e dirigir o carro na chuva, é coisa para moto rista com nível de “pilotagem profissional”. Fato que o Camaro &tipo=1"> Camaro SS é um carro “bruto” quando o pedal do acelerador é usado com vontade.
 
E para o carro continuar no chão, e parando, outros detalhes foram previstos. A suspensão do Camaro &tipo=1"> Camaro é baixa, e relativamente dura. Não chega a ser muito desconfortável como acontece em alguns esportivos. Mas não é suave. O moto rista precisa prestar muita atenção em lombadas e valetas, para não bater ou raspar o bico do carro. Numa estrada boa e ampla, com curvas longas (como a Rodovia dos Bandeirantes) é uma delícia dirigir o Camaro . Estamos falando de um carro que foi projetado para pisos de boa qualidade. Já estradas muito sinuosas, e irregulares, fica evidente o desconforto na condução.
 
E para parar o Camaro &tipo=1"> Camaro conversível, os enormes discos de freios utilizam pinças Brembo – marca italiana reconhecida mundialmente por equipar carros de F1, de seis pistões na dianteira e quatro na traseira. No geral, os freios atendem bem. Agora, aqueles que querem fazer o uso completo dos 406 cavalos, com tudo que tem direito, podem achar o sistema um pouco limitado, nas máximas. É preciso atenção redobrada no espaço necessário para as frenagens.
 
Interior
 
Os bancos dianteiros trazem regulagem elétrica (porém sem memórias). Outros detalhes interessantes são as laterais das portas com um filete de iluminação em LEDs, na cor ice blue. Destaque para os mostradores no console central, que apresentam um visual retro, com mostradores quadrados e grandes ponteiros vermelhos. São exibidas as seguintes informações: voltímetro, pressão do óleo do moto r, temperatura do óleo do moto r e temperatura do óleo do câmbio.
 
Nos bancos da frente, o nível de conforto é bom. A posição do moto rista, e passageiro, é típica de um carro esportivo com a nítida sensação de um cockpit. A visibilidade também não é das melhores, principalmente a traseira. No banco traseiro, o espaço é ainda menor que na versão cupê. Apenas duas crianças, ou pessoas de até 1,65m conseguem se acomodar no espaço. O porta-malas é pequeno. Enquanto no cupê são 320 litros, no conversível cai para 290 litros. E isso com a capota fechada. Para poder abrir a capota, é preciso estender uma rede que reduz pela metade o espaço do porta-malas. Essa rede reserva o espaço da capota, dentro do porta-malas. Na prática, cabem apenas duas pequenas mochilas, quando a capota esta aberta. Em resumo, o Camaro &tipo=1"> Camaro conversível é ideal para casais sem filhos.
 
Equipamentos
 
O painel de instrumentos e os diversos mostradores do console trazem iluminação Ice Blue com ponteios em vermelho. Outro equipamento presente é o MyLink. Trata-se de um sistema de multimídia que permite ao usuário trazer suas músicas, fotos, vídeos e aplicativos do celular para o veículo, além de fazer ligações telefônicas via Bluetooth por meio da tecnologia HFT (Hands Free Telephone). Também permite configurar algumas funções do veículo de acordo com as suas preferências. Atenção que esse equipamento não possui mais a entrada para o disco de CD. Música no carro, apenas por processos digitais modernos.
 
Além dos atributos como tela touch screen de sete polegadas, reprodutor de MP3, entrada USB, entrada auxiliar, conexão Bluetooth, também conta com reconhecimento de voz para agenda e ligações telefônicas. Entre as novidades estão: o comandos de voz para navegação e áudio, câmera de ré integrada e a função áudio streaming, utilizando o aplicativo Tune In. O sistema ainda permite a visualização de informações do celular, como, agenda de contatos e histórico de chamadas.
 
Para fazer “par” com o potente moto r, o sistema de áudio vem com 245 watts de potência, fornecido pela Boston Acoustics, com um total de nove alto-falantes. Realmente a fidelidade acústica impressiona no carro. Dá para escutar o som com volume realmente alto, sem distorção acústica, ou falta de grave.
 
Um item muito interessante é o Heads-Up Display (HUD). Ele projeta diversas informações, do painel principal, diretamente no para-brisa do veículo. Isso permite que o moto rista não desvie o olhar da estrada, já que as informações ficam projetadas diretamente para-brisa. O HUD nasceu em projetos militares que a GM executou para as forças armadas norte-americanas. Dentre as informações projetadas estão: a velocidade, rotação do moto r, temperatura externa e indicador de força “G” em curvas. O condutor ainda pode personalizar a altura e a intensidade das imagens. E na nova geração do Camaro , essa projeção acontece em cores (antes eram monocromáticas).
 
O Camaro &tipo=1"> Camaro também oferece travas elétricas das portas e vidros com acionamento do tipo “one touch”, tanto para o moto rista quanto para o passageiro. Os mais atentos vão notar que no Camaro &tipo=1"> Camaro conversível são quatro vidros elétricos (no cupê são apenas dois).
 
Outro interessante equipamento é a possibilidade de executar a partida remota. Assim como acontece na Captiva V6, através de um botão na chave, é possível dar a partida à distância no Camaro . Isso aciona o ar-condicionado do carro e já climatiza o interior do carro, antes mesmo do moto rista entrar no carro.
 
Agora, a GM poderia pensar em melhorar algumas coisas. O sistema de ar-condicionado é manual, e de simples zona. Falta também um sensor de estacionamento dianteiro no carro, considerando a baixa visibilidade em manobras. A opção de duas ou três memórias no banco elétrico do moto rista poderia ajudar também.
 
Recall da chave de partida
 
Antes do recall mundial anunciado para o Camaro , o carro vinha equipado com uma chave tipo canivete. Quando aberta, e inserida na ignição, a chave ficava numa posição que, em casos extremos, o moto rista poderia bater o joelho na chave, desligando o moto r do carro, em plena condução.
 
Assim a GM promoveu um recall, onde a chave canivete foi substituída por uma chave convencional. Agora, são duas partes: a antiga que mantém os controles por rádio frequência, e uma chave simples para dar a partida. A solução não ficou muito bonito e nem prática. Mas a segurança deve vir sempre em primeiro lugar.
 
Mercado
 
O Camaro &tipo=1"> Camaro Conversível é comercializado apenas nas cores: amarelo, preto, branco e cinza com os seguintes acessórios: adesivos de capô, insulfilm, filme segurança, capa protetora e rede para objetos no porta-malas.
 
No Brasil, o Camaro &tipo=1"> Camaro é vendido na versão topo de linha SS. Porém, no Brasil, não estão disponíveis os faróis equipados com iluminação xenon e teto-solar com controle elétrico. O preço sugerido do Camaro &tipo=1"> Camaro conversível é de R$ 245 mil. A título de comparação, a versão cupê é vendida por R$ 228 mil.

O veículo que você procura está aqui na Comprecar!