Revista Comprecar
Avaliação: Honda CR-V EXL 2WD
Opção com tração dianteira se apresenta como crossover urbano, e para a família
Avaliação: Honda CR-V EXL 2WD
08 de Outubro de 2014

O Honda CR-V já é um velho conhecido no mercado brasileiro. Os primeiros modelos chegaram às ruas em 2000. De lá pra cá, muita coisa mudou. Em março de 2012, à quarta (e atual) geração do crossover desembarcou por aqui. E nesses últimos dois anos, o modelo recebeu algumas melhorias e aperfeiçoamentos.
 
Antes de entrar nos detalhes do carro, é importante entender sua proposta. A sigla CR-V vem de "Compact Recreational Vehicle". Trata-se de um veículo destinado a uso cotidiano, com dirigibilidade agradável, e alta praticidade. Assim, ele oferece espaço de utilitário, a versatilidade de uma minivan e a dirigibilidade de um sedan. Justamente por isso, ele não pode ser classificado como um SUV.
 
Em sua quarta geração, o CR-V incorporou uma série de melhorias, principalmente no lado tecnológico. Aliás, o CR-V compartilha muitos equipamentos com o campeão de vendas Honda Civic. O CR-V é comercializado em duas versões, sendo LX e EXL. A versão EXL traz a opção de tração dianteira (2WD) ou integral (4WD). Foco dessa avaliação, trazemos a versão EXL com tração dianteira (2WD).
 
Espaço interno
 
Como todos os carros focados no mercado familiar, o CR-V precisa ser um veículo prático. E justamente por isso, ele conta com um interior bastante agradável. O painel traz um desenho bonito. Todos os comandos são bem posicionados e o número de porta objetos é muito bom. O volante tem boa empunhadura e incorpora comandos do sistema de som, controle automático de velocidade e telefonia. O acabamento é bem cuidado, com plásticos de boa aparência e agradáveis ao toque. Não há rebarbas e o encaixe das peças tem a precisão típica dos Honda. O revestimento dos bancos na versão EXL é feito em couro. O espaço é muito bom em todos os cinco lugares. Aliás, o porta-malas também oferece um espaço condizente para uma família em viagem. São 589 litros até a altura dos vidros. Também é possível rebater os bancos traseiros para ampliar ainda mais o espaço.
 
Equipamentos
 
Um equipamento interessante no CR-V é o i-MID (intelligent Multi-Information Display). Trata-se de uma central inteligente, que exibe em uma tela de LCD diversas informações, como sistemas de áudio e de navegação, computador de bordo, status da conexão Bluetooth, e opera como interface para customização do veículo. Isso sem contar o botão ECON, que ativa e desativa a função de assistência à condução econômica.
 
Essa tecla ECON ajuda na economia de combustível. Com essa tecla acionada, a lógica de troca de marcha do câmbio, a sensibilidade do pedal do acelerador e o sistema de ar-condicionado, tem o funcionamento alterado para reduzir o consumo de combustível. É um recurso interessante, mas não faz milagres. Acelerando suavemente, um arco verde se acende em torno do velocímetro indicando uma condução mais econômica.
 
Outro equipamento apreciado por casais é o sistema de ar-condicionado digital automático, com dupla zona. Isso permite temperaturas diferentes nos bancos dianteiros.
 
Central Multimedia com Navegador GPS
 
Outro destaque do CR-V EXL é a avançada central multimedia equipada com Navegador GPS. Ela tem tela de 6,5 polegadas colorida e sistema touch screen (tela sensível ao toque dos dedos). Sua potência sonora de 160W é reproduzida em quatro alto falantes e mais 2 twitters nas colunas dianteiras. O CD player é compatível com formatos CD audio, MP3 e WMA. Ainda existem entradas auxiliares P2 e USB.
 
A central também incorpora avançado sistema de GPS. Fácil de ser operado, os comandos são feitos diretamente na tela touch screen. O sistema GPS está integrado com o TMC (rede de dados que indica o volume de tráfego a vias, em algumas capitais). Dessa forma, o moto rista tem a informação em tempo quase real do trânsito. Isso permite alterar a rota e tentar caminhos alternativos. Com a informação do TMC, o sistema também considera o trânsito para calcular o tempo de chegada ao destino. O sistema ainda traz locais de interesse como postos, restaurantes, hotéis, aeroportos e outros pontos de interesse.
 
O GPS também esta integrado ao i-MID que disponibiliza a função curva-a-curva, orientando visualmente e, se assim o moto rista quiser, por voz pelo sistema de áudio. Desta forma a utilização do Navegador se torna mais segura, pois não é preciso olhar para a tela do mesmo. As orientações por voz são transmitidas pelos alto falantes dianteiros.
 
Essa central conta ainda com a conexão Bluetooth que permite atender e realizar chamadas, sem a necessidade do manuseio do celular. Além das funções de discagem e atendimento, existe também a função comando de voz para fazer ligações. O sistema permite configurar até seis aparelhos celulares. (somente um pode ser utilizado por vez). Toda a configuração pode ser feita na tela da central multimídia, e o controle por meio dos botões no volante de direção. O sistema faz a leitura da agenda contida na memória do celular, indicando o tempo de bateria do celular em uso e a intensidade do sinal, além d o histórico de chamadas. A conexão Bluetooth também permite reproduzir músicas, tanto do aparelho celular como de outros aparelhos com a mesma tecnologia.
 
Outro recurso é a câmera de ré localizada na tampa do porta-malas. Essa permite visualização da parte traseira do veículo. No visor da central, o moto rista conta com o auxílio de linhas de referência para a melhor percepção das distâncias em manobras.
 
Motor e câmbio
 
O Honda CR-V vem equipado com o conhecido moto r 2.0litros de 4 cilindros e 16 válvulas SOHC (Single Over Head Camshaft) i-VTEC. Esse é o mesmo Flex moto r que equipa o sedan Civic. Ele desenvolve 155 cv de potência máxima (a 6.300 rpm), e tem torque máximo de 19,5 kgfm (a 4.800rpm) com etanol. Quando abastecido a gasolina são 150 cv de potência, e torque de 19,3 kgfm. Junto com esse moto r, está o câmbio automático de cinco marchas (também o mesmo do Civic). Pesando mais de 1.500 kg, o desempenho é mediano, considerando a proposta do modelo. A velocidade máxima é de 190 km/h, e a aceleração até 100 km/h, acontece em 12,6 segundos. Ainda sim, o CR-V merecia um moto r mais potente e com cilindrada maior. Quando completamente carregado, e em subidas, fica nítida a falta de potência do modelo.
 
Uma característica importante desse moto r é o avançado sistema batizado de Flex One pela Honda. Ele possibilita o abastecimento do veículo com etanol e/ou gasolina, sem o subtanque de partida a frio. Assim, ao acionar o botão no controle da chave que destrava as portas, um conjunto de aquecedores entra em ação diretamente na linha de combustível tornando a temperatura do etanol, ideal para uma partida segura e imediata. Isso só acontece em situação de baixa temperatura (abaixo de 15 graus) e com predominância de etanol no tanque. Quando o modelo recebeu essa tecnologia, a capacidade do tanque de combustível aumentou em 13 litros (passou a 71 litros) para compensar a autonomia nas situações em que se utiliza o etanol.
 
Dirigibilidade
 
O moto rista não tem dificuldades para se acomodar. A direção com assistência elétrica é macia, garantido bom controle do carro em velocidade, e fáceis manobras ao estacionar. Na versão EXL a direção elétrica inclui o Motion Adaptative, que muda o peso da direção conforme a velocidade do veículo.
 
Em manobras, e com a ajuda da câmera de ré, as imagens são projetadas na diretamente na tela do multimedia. Isso ajuda bastante nas balizas.
 
Ainda que o modelo não seja um SUV, o CR-V tem a sua utilidade nos pequenos desafios. Ele conta com boa altura em relação ao solo, pneus parrudos e suspensões independentes que trabalham bem. Como essa versão do CR-V não tem tração integral, não se deve ir muito além dos desafios urbanos com esse veículo. Aliás, a falta da tração integral é percebida quando o carro esta em rampas muito inclinadas, e carregado. Não é difícil perceber as rodas dianteiras patinarem um pouco nas saídas.
 
E no asfalto, o CR-V se sai muito bem. Ele se comporta como uma perua. Mesmo em velocidades mais altas o conforto de rodagem e o silêncio da cabine é muito bom. A estabilidade também agrada em curvas, mesmo sendo um veículo mais alto. No dia-a-dia, o CR-V é um veículo bom de dirigir.
 
O Honda CR-V é um veículo prático e muito gostoso para ser dirigido. Geralmente, o público feminino é o maior apreciador desse modelo, em função da sua elevada altura e praticidade na hora de encarar buracos e valetas, facilidade na condução e versatilidade na hora de transportar a família.
 
Segurança
 
A versão EXL está equipada com freios ABS (Anti-lock Braking System), e o EBD (Eletronic Brake Distribution), responsável em distribuir a força de frenagem de maneira uniforme. Completando o conjunto de segurança, o CR-V tem cintos dianteiros com pré-tensionadores. Estão presentes também faróis de neblina e o teto solar. Uma forma de identificar a versão EXL são maçanetas das portas cromadas.
 
E é exatamente nesse item que a versão EXL se diferencia bastante da LX. Ela inclui Airbag laterais e de cabeça do tipo cortina com OPDS (Occupant Position Detection System).
 
No auxílio a condução, essa versão oferece Hill Start Assist ou Assistência de saída em aclives. Assim, o sistema de freio mantém o carro freado em subidas por alguns instantes, até o moto rista poder acelerar. Além do ABS, está presente o sistema de frenagem de urgência BA (Brake assist), que amplia a pressão nos freios, numa frenagem repentina. E por fim, esta presente também o VSA (Vehicle Stability Assist) para controle de tração e estabilidade do veículo.
 
Preço e mercado
 
Importado do México, o Honda CR-V vem com três anos de garantia, sem limite de quilometragem e está disponível nas cores Branco Tafettá Sólido, Cinza Titanium Metálico, Cinza Paladium Metálico, Prata Global Metálico e Preto Cristal Perolizado. O preço sugerido é de R$ 111 mil para a versão EXL 2WD. No Brasil, os principais concorrentes são o Hyundai ix35 e o Toyota RAV4.

Avaliações < Voltar
Avaliação: Honda CR-V EXL 2WD
 

Avaliação: Honda CR-V EXL 2WD

Publicado por Redação Comprecar – Especialista em carros usados e motos usadas

Opção com tração dianteira se apresenta como crossover urbano, e para a família

08 de Outubro de 2014

O Honda CR-V já é um velho conhecido no mercado brasileiro. Os primeiros modelos chegaram às ruas em 2000. De lá pra cá, muita coisa mudou. Em março de 2012, à quarta (e atual) geração do crossover desembarcou por aqui. E nesses últimos dois anos, o modelo recebeu algumas melhorias e aperfeiçoamentos.
 
Antes de entrar nos detalhes do carro, é importante entender sua proposta. A sigla CR-V vem de "Compact Recreational Vehicle". Trata-se de um veículo destinado a uso cotidiano, com dirigibilidade agradável, e alta praticidade. Assim, ele oferece espaço de utilitário, a versatilidade de uma minivan e a dirigibilidade de um sedan. Justamente por isso, ele não pode ser classificado como um SUV.
 
Em sua quarta geração, o CR-V incorporou uma série de melhorias, principalmente no lado tecnológico. Aliás, o CR-V compartilha muitos equipamentos com o campeão de vendas Honda Civic. O CR-V é comercializado em duas versões, sendo LX e EXL. A versão EXL traz a opção de tração dianteira (2WD) ou integral (4WD). Foco dessa avaliação, trazemos a versão EXL com tração dianteira (2WD).
 
Espaço interno
 
Como todos os carros focados no mercado familiar, o CR-V precisa ser um veículo prático. E justamente por isso, ele conta com um interior bastante agradável. O painel traz um desenho bonito. Todos os comandos são bem posicionados e o número de porta objetos é muito bom. O volante tem boa empunhadura e incorpora comandos do sistema de som, controle automático de velocidade e telefonia. O acabamento é bem cuidado, com plásticos de boa aparência e agradáveis ao toque. Não há rebarbas e o encaixe das peças tem a precisão típica dos Honda. O revestimento dos bancos na versão EXL é feito em couro. O espaço é muito bom em todos os cinco lugares. Aliás, o porta-malas também oferece um espaço condizente para uma família em viagem. São 589 litros até a altura dos vidros. Também é possível rebater os bancos traseiros para ampliar ainda mais o espaço.
 
Equipamentos
 
Um equipamento interessante no CR-V é o i-MID (intelligent Multi-Information Display). Trata-se de uma central inteligente, que exibe em uma tela de LCD diversas informações, como sistemas de áudio e de navegação, computador de bordo, status da conexão Bluetooth, e opera como interface para customização do veículo. Isso sem contar o botão ECON, que ativa e desativa a função de assistência à condução econômica.
 
Essa tecla ECON ajuda na economia de combustível. Com essa tecla acionada, a lógica de troca de marcha do câmbio, a sensibilidade do pedal do acelerador e o sistema de ar-condicionado, tem o funcionamento alterado para reduzir o consumo de combustível. É um recurso interessante, mas não faz milagres. Acelerando suavemente, um arco verde se acende em torno do velocímetro indicando uma condução mais econômica.
 
Outro equipamento apreciado por casais é o sistema de ar-condicionado digital automático, com dupla zona. Isso permite temperaturas diferentes nos bancos dianteiros.
 
Central Multimedia com Navegador GPS
 
Outro destaque do CR-V EXL é a avançada central multimedia equipada com Navegador GPS. Ela tem tela de 6,5 polegadas colorida e sistema touch screen (tela sensível ao toque dos dedos). Sua potência sonora de 160W é reproduzida em quatro alto falantes e mais 2 twitters nas colunas dianteiras. O CD player é compatível com formatos CD audio, MP3 e WMA. Ainda existem entradas auxiliares P2 e USB.
 
A central também incorpora avançado sistema de GPS. Fácil de ser operado, os comandos são feitos diretamente na tela touch screen. O sistema GPS está integrado com o TMC (rede de dados que indica o volume de tráfego a vias, em algumas capitais). Dessa forma, o moto rista tem a informação em tempo quase real do trânsito. Isso permite alterar a rota e tentar caminhos alternativos. Com a informação do TMC, o sistema também considera o trânsito para calcular o tempo de chegada ao destino. O sistema ainda traz locais de interesse como postos, restaurantes, hotéis, aeroportos e outros pontos de interesse.
 
O GPS também esta integrado ao i-MID que disponibiliza a função curva-a-curva, orientando visualmente e, se assim o moto rista quiser, por voz pelo sistema de áudio. Desta forma a utilização do Navegador se torna mais segura, pois não é preciso olhar para a tela do mesmo. As orientações por voz são transmitidas pelos alto falantes dianteiros.
 
Essa central conta ainda com a conexão Bluetooth que permite atender e realizar chamadas, sem a necessidade do manuseio do celular. Além das funções de discagem e atendimento, existe também a função comando de voz para fazer ligações. O sistema permite configurar até seis aparelhos celulares. (somente um pode ser utilizado por vez). Toda a configuração pode ser feita na tela da central multimídia, e o controle por meio dos botões no volante de direção. O sistema faz a leitura da agenda contida na memória do celular, indicando o tempo de bateria do celular em uso e a intensidade do sinal, além d o histórico de chamadas. A conexão Bluetooth também permite reproduzir músicas, tanto do aparelho celular como de outros aparelhos com a mesma tecnologia.
 
Outro recurso é a câmera de ré localizada na tampa do porta-malas. Essa permite visualização da parte traseira do veículo. No visor da central, o moto rista conta com o auxílio de linhas de referência para a melhor percepção das distâncias em manobras.
 
Motor e câmbio
 
O Honda CR-V vem equipado com o conhecido moto r 2.0litros de 4 cilindros e 16 válvulas SOHC (Single Over Head Camshaft) i-VTEC. Esse é o mesmo Flex moto r que equipa o sedan Civic. Ele desenvolve 155 cv de potência máxima (a 6.300 rpm), e tem torque máximo de 19,5 kgfm (a 4.800rpm) com etanol. Quando abastecido a gasolina são 150 cv de potência, e torque de 19,3 kgfm. Junto com esse moto r, está o câmbio automático de cinco marchas (também o mesmo do Civic). Pesando mais de 1.500 kg, o desempenho é mediano, considerando a proposta do modelo. A velocidade máxima é de 190 km/h, e a aceleração até 100 km/h, acontece em 12,6 segundos. Ainda sim, o CR-V merecia um moto r mais potente e com cilindrada maior. Quando completamente carregado, e em subidas, fica nítida a falta de potência do modelo.
 
Uma característica importante desse moto r é o avançado sistema batizado de Flex One pela Honda. Ele possibilita o abastecimento do veículo com etanol e/ou gasolina, sem o subtanque de partida a frio. Assim, ao acionar o botão no controle da chave que destrava as portas, um conjunto de aquecedores entra em ação diretamente na linha de combustível tornando a temperatura do etanol, ideal para uma partida segura e imediata. Isso só acontece em situação de baixa temperatura (abaixo de 15 graus) e com predominância de etanol no tanque. Quando o modelo recebeu essa tecnologia, a capacidade do tanque de combustível aumentou em 13 litros (passou a 71 litros) para compensar a autonomia nas situações em que se utiliza o etanol.
 
Dirigibilidade
 
O moto rista não tem dificuldades para se acomodar. A direção com assistência elétrica é macia, garantido bom controle do carro em velocidade, e fáceis manobras ao estacionar. Na versão EXL a direção elétrica inclui o Motion Adaptative, que muda o peso da direção conforme a velocidade do veículo.
 
Em manobras, e com a ajuda da câmera de ré, as imagens são projetadas na diretamente na tela do multimedia. Isso ajuda bastante nas balizas.
 
Ainda que o modelo não seja um SUV, o CR-V tem a sua utilidade nos pequenos desafios. Ele conta com boa altura em relação ao solo, pneus parrudos e suspensões independentes que trabalham bem. Como essa versão do CR-V não tem tração integral, não se deve ir muito além dos desafios urbanos com esse veículo. Aliás, a falta da tração integral é percebida quando o carro esta em rampas muito inclinadas, e carregado. Não é difícil perceber as rodas dianteiras patinarem um pouco nas saídas.
 
E no asfalto, o CR-V se sai muito bem. Ele se comporta como uma perua. Mesmo em velocidades mais altas o conforto de rodagem e o silêncio da cabine é muito bom. A estabilidade também agrada em curvas, mesmo sendo um veículo mais alto. No dia-a-dia, o CR-V é um veículo bom de dirigir.
 
O Honda CR-V é um veículo prático e muito gostoso para ser dirigido. Geralmente, o público feminino é o maior apreciador desse modelo, em função da sua elevada altura e praticidade na hora de encarar buracos e valetas, facilidade na condução e versatilidade na hora de transportar a família.
 
Segurança
 
A versão EXL está equipada com freios ABS (Anti-lock Braking System), e o EBD (Eletronic Brake Distribution), responsável em distribuir a força de frenagem de maneira uniforme. Completando o conjunto de segurança, o CR-V tem cintos dianteiros com pré-tensionadores. Estão presentes também faróis de neblina e o teto solar. Uma forma de identificar a versão EXL são maçanetas das portas cromadas.
 
E é exatamente nesse item que a versão EXL se diferencia bastante da LX. Ela inclui Airbag laterais e de cabeça do tipo cortina com OPDS (Occupant Position Detection System).
 
No auxílio a condução, essa versão oferece Hill Start Assist ou Assistência de saída em aclives. Assim, o sistema de freio mantém o carro freado em subidas por alguns instantes, até o moto rista poder acelerar. Além do ABS, está presente o sistema de frenagem de urgência BA (Brake assist), que amplia a pressão nos freios, numa frenagem repentina. E por fim, esta presente também o VSA (Vehicle Stability Assist) para controle de tração e estabilidade do veículo.
 
Preço e mercado
 
Importado do México, o Honda CR-V vem com três anos de garantia, sem limite de quilometragem e está disponível nas cores Branco Tafettá Sólido, Cinza Titanium Metálico, Cinza Paladium Metálico, Prata Global Metálico e Preto Cristal Perolizado. O preço sugerido é de R$ 111 mil para a versão EXL 2WD. No Brasil, os principais concorrentes são o Hyundai ix35 e o Toyota RAV4.

O veículo que você procura está aqui na Comprecar!