Revista Comprecar
Avaliação: Honda HR-V LX 2016
Versão de entrada é opção para acesso ao crossover mais desejado do Brasil
Avaliação: Honda HR-V LX 2016
01 de Setembro de 2015

Mostrado rapidamente no salão do automóvel de 2014, e lançado no início de 2015, o HR-V rapidamente caiu no desejo do consumidor brasileiro. Aliás, a Honda Automóveis precisou mudar completamente a sua grade de produção para atender a altíssima demanda que o novo modelo gerou no mercado brasileiro. Mesmo hoje, vários meses depois do lançamento, ainda é rotina encontrar fila de espera, para comprar algumas versões do Honda HR-V, nas concessionárias da marca. Segundo a Honda, o HR-V é o líder o segmento de Crossovers desde julho. No resultado do mês, o HR-V conquistou a liderança já no seu primeiro mês cheio de vendas, em abril, e não perdeu mais o posto desde então. A Honda está vendendo uma média de 5 mil HR-V por mês, limitado pela capacidade de produção da fábrica. Em 2016, depois da inauguração de Itirapina, haverá a possibilidade de ajustar melhor a produção à demanda, pois o Fit será produzido em Itirapina-SP.

O segredo do sucesso do HR-V é o fato dele vir sempre completo, com visual arrojado e moderno, um ótimo conjunto de moto r e câmbio e ser o veículo ideal no que diz respeito a uma dirigibilidade realmente agradável, em ambiente urbano.

Como principais destaques, O HR-V reúne uma série de atributos. Entre os destaques estão o moto r 1,8 litro Flex (o mesmo do Civic), com a transmissão CVT (mesma do Fit/City); freio de estacionamento elétrico; programa de estabilidade eletrônico de série em todas as versões e etiqueta “A” no programa de eficiência do INMETRO.

O HR-V concorre na categoria dos “chamados” SUVs compactos, e tem como principais concorrentes: Renault Duster, Peugeot 2008 e Jeep Renegade. Assim, o HR-V tem concorrentes de peso. Mas isso parece não ofuscar o brilho do modelo da Honda.

Estilo

Segundo a Honda, o HR-V tem um design que reúne características de um cupê esportivo, combinadas à postura de um SUV e espaço interno de uma minivan. Em teoria a versão LX pode ser encontrada com câmbio manual de seis marcha e o automático CVT. Mas isso, só na teoria, pois a Honda avisou no próprio lançamento do carro, que o a versão manual teria um mix realmente pequeno. Na prática, a versão de entrada, acaba sendo a LX com câmbio CVT.

Interior funcional

O HR-V traz uma série de interessantes atributos em seu interior. O console central é elevado, e junto com o painel de instrumentos, sugerem um cockpit. A coluna de direção tem ajuste de altura e profundidade, e o banco do moto rista traz ajuste de altura (sempre manuais).

Destaque para o console central que reúne boa oferta de porta-objetos, com um desenho “flutuante”. Na parte de baixo desse painel existem conexões para o sistema de áudio. Em todas as versões, existe prático porta-objetos sob o apoio de braço central (onde a tampa é deslizante). Outro destaque do novo carro é um sistema de saída de ar “triplo” situado bem na frente do passageiro da frente. Uma das saídas pode ser usada para direcionar o ar para o banco traseiro.

Alguns equipamentos

Mesmo sendo uma versão de entrada, ela vem equipada com rádio CD-Player. Além da entrada USB, todas as versões do HR-V são equipadas com HFT (Hands Free Telephone), acionados por meio de comandos instalados no volante, permitindo ao moto rista iniciar e encerrar chamadas.

Sistema ULT

O espaço interno do HR-V segue a filosofia herdada do Fit. Desenvolvido sob a máxima de “Máximo para o Homem, Mínimo para a Máquina”, traz o tanque de combustível na posição central. Isso melhora o espaço no compartimento de carga, com até 431 litros. Com os bancos traseiros totalmente rebatidos, o espaço de carga passa dos 1.000 litros. Mas o preço do bom espaço é cobrado com o uso de um estepe temporário.

Já a versatilidade é garantida pelo sistema ULT (Utility Long Tall) de arranjo dos assentos visto no Fit. Ele oferece várias possibilidades de acomodação de carga, independente do volume, comprimento ou altura dos objetos.

Motor 1,8 litro FlexOne e câmbio CVT

O HR-V possui exclusivamente tração dianteira. E justamente por isso, não pode ser considerado um SUV autêntico. Ele também traz o i-VTEC 1.8 litros SOHC (o mesmo do Honda Civic da versão de entrada), que inclui o sistema FlexOne. Essa tecnologia dispensa o tanque auxiliar para partida a frio, mesmo em situação de baixa temperatura. Esse moto r gera potência máxima de 139 cv a 6.300 rpm e torque de 17,44 kgfm a 5.000 rpm com a utilização de etanol – quando abastecido com gasolina, são 140 cv a 6.500 rpm e 17,34 kgfm a 4.800 rpm. Com esse conjunto, e pesando 1.265 kg, a aceleração de 0 a 100 km/h acontece em pouco mais de 10 segundos. E a velocidade máxima é de 180 km/h, sempre com etanol.

Fato relevante sobre o CVT

Com a chegada do HR-V, ficou claro que a Honda vai apostar ainda mais na tecnologia de câmbios CVT. Então, não é improvável que em breve o Civic também seja equipado com esse câmbio. Afinal, a diferença de características entre o moto r 1,8 litro e 2,0 litros no próprio Civic é bem pequena. Além disso, o principal concorrente do Civic (o Corolla) passou a utilizar recentemente a tecnologia CVT. Portanto, é só uma questão de tempo para esse câmbio chegar ao Civic.

Freio de estacionamento elétrico

Entre os diferenciais, o HR-V é o primeiro veículo de produção nacional a trazer freio de estacionamento eletrônico (EPB), de série em todas as versões. O modelo também possui o sistema Brake Hold, que garante grande praticidade nas saídas em pisos inclinados. Quando acionado, mantém o carro parado em paradas rápidas (mesmo em subidas ou descidas), até o moto rista pisar no acelerador. De forma complementar, HR-V também traz de série o assistente de freio em rampa HSA (Hill Start Assist). Isso mantém o carro parado em rampas, por alguns segundos adicionais, dando tempo do moto rista acelerar antes dele escorregar.

Mais tecnologia embarcada

Toda a linha HR-V traz de série, o controle de tração/estabilidade VSA (Vehicle Stability Assist) e o sistema de direção MA-EPS (Motion Adaptive Electric Power Steering). Esse dispositivo interpreta o movimento do volante favorecendo ou enrijecendo o esterço da direção quando o carro começa a sair da trajetória em uma curva, auxiliando na retomada do controle do veículo. O sistema de freios a disco nas quatro rodas com ABS (antitravamento) e EBD (distribuição de frenagem) também é item de série. Também são itens de série os pneus 215/55 R17, e as rodas de 17 polegadas. Também de série em todas as versões, o HR-V traz simples toque para abertura e fechamento de todos os vidros.

Segurança

Ainda que o HR-V ainda não tenha sido avaliado em testes do Latin n Cap, a Honda informa que ele deve receber 5 estrelas de proteção para adultos e quatro estrelas para crianças, segundo os testes internos de crash-test da própria montadora. Desde a versão de entrada, o modelo traz trancamento automático das portas com velocidade acima de 15 km/h. Apenas na versão EXL existem airbags laterais nos bancos dianteiros.

O que falta no LX

Por ser uma versão de entrada, o cliente pode sentir a falta de alguns equipamentos. Entre eles, não estão presentes os faróis auxiliares dianteiros, controle de cruzeiro e sensor de estacionamento traseiro. De resto, mesmo sendo uma versão de entrada, o HR-V LX traz todos os equipamentos de comodidade e segurança encontrados em veículos dessa categoria.

Dirigibilidade

Entre todos os concorrentes diretos, o HR-V é de longe o modelo com a melhor dirigibilidade. O moto r 1,8 litro – 16 válvulas mais a transmissão CVT (em todo linha do modelo), foram muito bem escolhidos. Isso deixa o HR-V bastante ágil e prático no dia a dia, sem qualquer viés. Nos outros concorrentes, ou não existe câmbio automático na versão topo de linha, ou quando existe, o desempenho não é convincente. E quando o desempenho é bom, é uma versão diesel caríssima! Além disso, o HR-V é muito econômico. Segundo INMETRO, ele faz 7,1 e 10,5 km/l (com etanol) na cidade e na estrada. Com gasolina, a média sobe para 8,5 e 12,1 km/l, respectivamente. Assim, o HR-V é o mais econômico de toda a categoria.

Acessórios

Os clientes que quiserem deixar o HR-V mais personalizado poderão contar ainda com uma linha completa de acessórios originais, desenvolvidos pela divisão Honda Access, sendo 19 itens externos e 11 internos. Entre os destaques estão grade dianteira cromada, aplique frontal no para-choque, bagageiro de teto com suporte para bicicleta, pedaleiras esportivas, soleiras iluminadas para as portas e iluminação interna (sob o painel).

Preço e mercado

O HR-V chega com três anos de garantia, sem limite de quilometragem e estará disponível nas cores: Branco Taffetá sólido, Prata Global metálico, Cinza Iridium metálico, Cinza Barium metálico, Preto Cristal perolizado, Marrom Júpiter metálico, além da exclusiva Vermelho Mercúrio perolizado (cor de lançamento do carro). O preço público sugerido da versão LX CVT é de R$ 77,4 mil.

Avaliações < Voltar
Avaliação: Honda HR-V LX 2016
 

Avaliação: Honda HR-V LX 2016

Publicado por Redação Comprecar – Especialista em carros usados e motos usadas

Versão de entrada é opção para acesso ao crossover mais desejado do Brasil

01 de Setembro de 2015

Mostrado rapidamente no salão do automóvel de 2014, e lançado no início de 2015, o HR-V rapidamente caiu no desejo do consumidor brasileiro. Aliás, a Honda Automóveis precisou mudar completamente a sua grade de produção para atender a altíssima demanda que o novo modelo gerou no mercado brasileiro. Mesmo hoje, vários meses depois do lançamento, ainda é rotina encontrar fila de espera, para comprar algumas versões do Honda HR-V, nas concessionárias da marca. Segundo a Honda, o HR-V é o líder o segmento de Crossovers desde julho. No resultado do mês, o HR-V conquistou a liderança já no seu primeiro mês cheio de vendas, em abril, e não perdeu mais o posto desde então. A Honda está vendendo uma média de 5 mil HR-V por mês, limitado pela capacidade de produção da fábrica. Em 2016, depois da inauguração de Itirapina, haverá a possibilidade de ajustar melhor a produção à demanda, pois o Fit será produzido em Itirapina-SP.

O segredo do sucesso do HR-V é o fato dele vir sempre completo, com visual arrojado e moderno, um ótimo conjunto de moto r e câmbio e ser o veículo ideal no que diz respeito a uma dirigibilidade realmente agradável, em ambiente urbano.

Como principais destaques, O HR-V reúne uma série de atributos. Entre os destaques estão o moto r 1,8 litro Flex (o mesmo do Civic), com a transmissão CVT (mesma do Fit/City); freio de estacionamento elétrico; programa de estabilidade eletrônico de série em todas as versões e etiqueta “A” no programa de eficiência do INMETRO.

O HR-V concorre na categoria dos “chamados” SUVs compactos, e tem como principais concorrentes: Renault Duster, Peugeot 2008 e Jeep Renegade. Assim, o HR-V tem concorrentes de peso. Mas isso parece não ofuscar o brilho do modelo da Honda.

Estilo

Segundo a Honda, o HR-V tem um design que reúne características de um cupê esportivo, combinadas à postura de um SUV e espaço interno de uma minivan. Em teoria a versão LX pode ser encontrada com câmbio manual de seis marcha e o automático CVT. Mas isso, só na teoria, pois a Honda avisou no próprio lançamento do carro, que o a versão manual teria um mix realmente pequeno. Na prática, a versão de entrada, acaba sendo a LX com câmbio CVT.

Interior funcional

O HR-V traz uma série de interessantes atributos em seu interior. O console central é elevado, e junto com o painel de instrumentos, sugerem um cockpit. A coluna de direção tem ajuste de altura e profundidade, e o banco do moto rista traz ajuste de altura (sempre manuais).

Destaque para o console central que reúne boa oferta de porta-objetos, com um desenho “flutuante”. Na parte de baixo desse painel existem conexões para o sistema de áudio. Em todas as versões, existe prático porta-objetos sob o apoio de braço central (onde a tampa é deslizante). Outro destaque do novo carro é um sistema de saída de ar “triplo” situado bem na frente do passageiro da frente. Uma das saídas pode ser usada para direcionar o ar para o banco traseiro.

Alguns equipamentos

Mesmo sendo uma versão de entrada, ela vem equipada com rádio CD-Player. Além da entrada USB, todas as versões do HR-V são equipadas com HFT (Hands Free Telephone), acionados por meio de comandos instalados no volante, permitindo ao moto rista iniciar e encerrar chamadas.

Sistema ULT

O espaço interno do HR-V segue a filosofia herdada do Fit. Desenvolvido sob a máxima de “Máximo para o Homem, Mínimo para a Máquina”, traz o tanque de combustível na posição central. Isso melhora o espaço no compartimento de carga, com até 431 litros. Com os bancos traseiros totalmente rebatidos, o espaço de carga passa dos 1.000 litros. Mas o preço do bom espaço é cobrado com o uso de um estepe temporário.

Já a versatilidade é garantida pelo sistema ULT (Utility Long Tall) de arranjo dos assentos visto no Fit. Ele oferece várias possibilidades de acomodação de carga, independente do volume, comprimento ou altura dos objetos.

Motor 1,8 litro FlexOne e câmbio CVT

O HR-V possui exclusivamente tração dianteira. E justamente por isso, não pode ser considerado um SUV autêntico. Ele também traz o i-VTEC 1.8 litros SOHC (o mesmo do Honda Civic da versão de entrada), que inclui o sistema FlexOne. Essa tecnologia dispensa o tanque auxiliar para partida a frio, mesmo em situação de baixa temperatura. Esse moto r gera potência máxima de 139 cv a 6.300 rpm e torque de 17,44 kgfm a 5.000 rpm com a utilização de etanol – quando abastecido com gasolina, são 140 cv a 6.500 rpm e 17,34 kgfm a 4.800 rpm. Com esse conjunto, e pesando 1.265 kg, a aceleração de 0 a 100 km/h acontece em pouco mais de 10 segundos. E a velocidade máxima é de 180 km/h, sempre com etanol.

Fato relevante sobre o CVT

Com a chegada do HR-V, ficou claro que a Honda vai apostar ainda mais na tecnologia de câmbios CVT. Então, não é improvável que em breve o Civic também seja equipado com esse câmbio. Afinal, a diferença de características entre o moto r 1,8 litro e 2,0 litros no próprio Civic é bem pequena. Além disso, o principal concorrente do Civic (o Corolla) passou a utilizar recentemente a tecnologia CVT. Portanto, é só uma questão de tempo para esse câmbio chegar ao Civic.

Freio de estacionamento elétrico

Entre os diferenciais, o HR-V é o primeiro veículo de produção nacional a trazer freio de estacionamento eletrônico (EPB), de série em todas as versões. O modelo também possui o sistema Brake Hold, que garante grande praticidade nas saídas em pisos inclinados. Quando acionado, mantém o carro parado em paradas rápidas (mesmo em subidas ou descidas), até o moto rista pisar no acelerador. De forma complementar, HR-V também traz de série o assistente de freio em rampa HSA (Hill Start Assist). Isso mantém o carro parado em rampas, por alguns segundos adicionais, dando tempo do moto rista acelerar antes dele escorregar.

Mais tecnologia embarcada

Toda a linha HR-V traz de série, o controle de tração/estabilidade VSA (Vehicle Stability Assist) e o sistema de direção MA-EPS (Motion Adaptive Electric Power Steering). Esse dispositivo interpreta o movimento do volante favorecendo ou enrijecendo o esterço da direção quando o carro começa a sair da trajetória em uma curva, auxiliando na retomada do controle do veículo. O sistema de freios a disco nas quatro rodas com ABS (antitravamento) e EBD (distribuição de frenagem) também é item de série. Também são itens de série os pneus 215/55 R17, e as rodas de 17 polegadas. Também de série em todas as versões, o HR-V traz simples toque para abertura e fechamento de todos os vidros.

Segurança

Ainda que o HR-V ainda não tenha sido avaliado em testes do Latin n Cap, a Honda informa que ele deve receber 5 estrelas de proteção para adultos e quatro estrelas para crianças, segundo os testes internos de crash-test da própria montadora. Desde a versão de entrada, o modelo traz trancamento automático das portas com velocidade acima de 15 km/h. Apenas na versão EXL existem airbags laterais nos bancos dianteiros.

O que falta no LX

Por ser uma versão de entrada, o cliente pode sentir a falta de alguns equipamentos. Entre eles, não estão presentes os faróis auxiliares dianteiros, controle de cruzeiro e sensor de estacionamento traseiro. De resto, mesmo sendo uma versão de entrada, o HR-V LX traz todos os equipamentos de comodidade e segurança encontrados em veículos dessa categoria.

Dirigibilidade

Entre todos os concorrentes diretos, o HR-V é de longe o modelo com a melhor dirigibilidade. O moto r 1,8 litro – 16 válvulas mais a transmissão CVT (em todo linha do modelo), foram muito bem escolhidos. Isso deixa o HR-V bastante ágil e prático no dia a dia, sem qualquer viés. Nos outros concorrentes, ou não existe câmbio automático na versão topo de linha, ou quando existe, o desempenho não é convincente. E quando o desempenho é bom, é uma versão diesel caríssima! Além disso, o HR-V é muito econômico. Segundo INMETRO, ele faz 7,1 e 10,5 km/l (com etanol) na cidade e na estrada. Com gasolina, a média sobe para 8,5 e 12,1 km/l, respectivamente. Assim, o HR-V é o mais econômico de toda a categoria.

Acessórios

Os clientes que quiserem deixar o HR-V mais personalizado poderão contar ainda com uma linha completa de acessórios originais, desenvolvidos pela divisão Honda Access, sendo 19 itens externos e 11 internos. Entre os destaques estão grade dianteira cromada, aplique frontal no para-choque, bagageiro de teto com suporte para bicicleta, pedaleiras esportivas, soleiras iluminadas para as portas e iluminação interna (sob o painel).

Preço e mercado

O HR-V chega com três anos de garantia, sem limite de quilometragem e estará disponível nas cores: Branco Taffetá sólido, Prata Global metálico, Cinza Iridium metálico, Cinza Barium metálico, Preto Cristal perolizado, Marrom Júpiter metálico, além da exclusiva Vermelho Mercúrio perolizado (cor de lançamento do carro). O preço público sugerido da versão LX CVT é de R$ 77,4 mil.

O veículo que você procura está aqui na Comprecar!