Revista Comprecar
Avaliação: Jeep Compass Sport Flex
Versão tem como destaque o motor 2.0 litros Tigershark de 166 cavalos
Avaliação: Jeep Compass Sport Flex
05 de Março de 2017

O Jeep Compass já se consolidou como outro campeão de vendas, ao lado do Jeep Renegade. Sendo o próximo passo acima na marca Jeep, o Compass é a opção para o cliente que procura um pouco mais de desempenho e espaço, quando comparado ao Renegade (SUV compacto da marca). Nessa matéria, trazemos a avaliação da versão de entrada Sport do Jeep Compass.
 
De forma resumida, o Compass acrescenta mais espaço interno, mais refinamento no acabamento e mais desempenho, sobre o Renegade Flex. Assim, o Compass é a escolha para um cliente familiar que busca um veículo mais indicado para viagens, e transporte constante de cinco pessoas.
 
Motor 2.0 litros Tigershark Flex
 
Entre os destaques do Compass Sport está o motor 2.0 litros Tigershark Flex. Trata-se de um motor internacional da FCA - Fiat Chrysler Automobiles modificado para se tornar flexível, e que entrega uma boa combinação de desempenho e consumo razoável. Com potência máxima de até 166 cv de potência e 20,5 kgfm de torque, o motor está sempre associado a transmissão automática Aisin de 6 marchas.
 
Esse motor Tigershark 2.0 litros - 16V Flex tem duplo comando de válvulas no cabeçote e duplo variador de fase. Isso ajuda bastante no rendimento em baixas rotações. Com boa faixa de torque distribuído desde baixas rotações, o Tigershark oferece 86% de sua força total já a partir dos 2.000 giros.
 
Com uma série de novos componentes concebidos para reduzir o atrito, o motor oferece uma operação silenciosa. Ele é produzido no México com bloco e cabeçote de alumínio. Essa configuração rende até 166 cv de potência a 6.200 rpm e 20,5 kgfm de torque a 4.000 rpm com etanol (159 cv e 19,9 kgfm com gasolina). O motor está sempre conectado a uma caixa automática de 6 marchas. O rendimento é convincente, com uma aceleração de 0 a 100 km/h feita em 10,6 segundos (com etanol). Já a velocidade máxima é de 192 km/h.
 
Partida com etanol sem tanquinho
 
O Tigershark 2.0 Flex permite partidas a frio com 100% de etanol no tanque, por meio do sistema HCSS, que aquece o combustível com resistências elétricas. Eliminando, desse modo, o tanque auxiliar de gasolina. O fato de o bloco ser de alumínio impacta positivamente na economia de combustível, pois esse material tem menor inércia térmica. Ou seja: ele leva menos tempo para se aquecer e chegar à temperatura ideal de operação, mesmo nos dias mais frios do ano.
 
Sistema avançado para melhor eficiência
 
Para poder rodar com 100% de etanol, o motor recebeu 20 importantes mudanças, entre novos componentes e materiais. A taxa de compressão que era de 10,2:1 no gasolina, foi aumentada para 11,8:1, aproveitando ao máximo as características do etanol. Outra característica que ajuda no desempenho do Tigershark é o duplo variador de fase independente do comando, com 60° de curso de atuação.
 
Esse duplo variador de fase também atua na economia do consumo de combustível, pois reduz as perdas de bombeamento em cargas parciais de aceleração. Ele proporciona a expansão total pela abertura atrasada das válvulas de escape (comportamento do ciclo Atkinson); permite a recirculação interna dos gases do motor (EGR) pelo fechamento atrasado das válvulas de escape e tem o fechamento atrasado das válvulas de aspiração (característica do ciclo Miller). Com isso, o consumo com gasolina chega a 8,1 km/l na cidade e 10,5 km/l na estrada. Com etanol, as marcas são de 5,5 km/l na cidade e 7,2 km/l na estrada. Mas se levarmos em conta que o veículo pesa 1.541 kg, a marca não chega a ser ruim.
 
Esse motor foi desenvolvido para ter alta durabilidade, chegando a pelo menos 240 mil km, seguindo as exigências do mercado norte-americano, e é capaz de atender às normas de emissão do Proconve fase 6 e da Euro 6.
 
Dirigibilidade
 
Um dos aspectos que demonstra o valor do Jeep Compass é a dirigibilidade. A suspensão independente nas quatro rodas (McPherson da dianteira e na traseira) tem acerto refinado numa grande variedade de terrenos. Isso garante conforto, sem comprometer a estabilidade.
 
Os amortecedores do Compass são de frequência sensitiva (FSD), adaptando-se a condições de rodagem com precisão e rapidez. O comportamento dinâmico também se explica pela elevada rigidez estrutural, com 70% do monobloco formado por aços de alta e altíssima resistência. A plataforma do Compass derivada do Renegade. E ambas as plataformas não são derivadas de um automóvel, como acontece em outros SUVs compactos e médios do mercado brasileiro.
 
A direção do Jeep Compass é do tipo elétrica progressiva (EPS) e conta com recursos como o torque de esterço ativo (DST). Em uma situação de emergência, como uma perda de aderência em curva, ele atua de forma a induzir o motorista a esterçar o volante para o lado correto, enrijecendo caso o motorista vire o volante para a direção errada.
 
Em pisos mal conservados, o Compass mostra que consegue absorver bem as irregularidades do piso, mas o ajuste da suspensão da versão Sport, acaba deixando a carroceria inclinar e fazer a parte de baixo do para-choque dianteiro raspar em algumas valetas e lombadas. Apenas o ângulo de ataque (15,8 graus) é um pouco baixo na versão Sport. Isso por conta de um spoiler dianteiro na parte de baixo do para-choque que dá o visual esportivo. Esse spoiler não existe na versão Longitude, por exemplo. Já o ângulo de saída (30,8 graus) é muito bom, assim como a distância livre do solo (20,7 cm).
 
Equipamentos
 
Um dos pontos fortes do Compass é a lista de equipamentos. De série na versão de entrada estão: computador de bordo com tela TFT de 3,5 polegadas, volante multifuncional, central multimídia com tela sensível ao toque de 5 polegadas com navegador GPS mais entrada USB e conexão Bluetooth, câmera de ré, sensor de estacionamento traseiro, rodas de liga leve 17 polegadas, e sistema ISOFIX para assentos infantis e dois air-bags frontais.
 
Está presente também controlador de velocidade com limitador e monitoramento da pressão dos pneus. Apenas para informação, a Longitude (próxima na família Compass) acrescenta itens como ar-condicionado de duas zonas, chave presencial, rodas de liga-leve aro 18 e volante revestido de couro.
 
Tecnologia para a segurança
 
Entre os principais equipamentos de série de todo Compass há assistente de partida em rampa (HSA), e o controle de estabilidade (ESC) que engloba os sistemas eletrônicos anticapotamento (ERM), de oscilação de reboque (TSC) e os recursos ligados à frenagem, como o EBP, que aproxima as pastilhas dos discos se o motorista tirar o pé do acelerador rápido demais, melhorando o tempo de resposta dos freios, e o assistente de frenagem em pânico (PBA), que aplica automaticamente a força máxima do freio em caso de emergência se o motorista não fizer isso por meio do pedal.
 
A iluminação recebeu atenção desde a versão inicial, com assinaturas em LED na frente e atrás, que também aumentam a visualização do veículo. Em todas as configurações há luzes diurnas (DRL), faróis de neblina com função cornering (se acendem sozinhos do lado em que se vira o volante em manobras ou em baixa velocidade) e luz traseira de neblina.
 
Algumas considerações
 
O espaço interno do Compass está entre os pontos fortes do carro, tanto para os cinco ocupantes quanto no porta-malas de 465 litros. Além disso, há bons porta-objetos por todos os lados, inclusive sob o assento do passageiro da frente, onde podem ser guardadas bolsas, sacolas e mochilas. O acabamento da versão Sport é simples, mas de bom gosto, com tecido nos bancos e nas laterais das portas. E na parte de ergonomia não há do que reclamar, ao contrário, foi bem resolvida, com comandos bem localizados e fáceis de serem acionados.
 
Se a ideia é levar um SUV médio para casa, o Compass Sport com motor 2.0 flex deve ser considerado na sua lista de opções. Tem uma das melhores relações entre custo e benefício do segmento, conta com bom espaço interno e conjunto moderno.
 
Pós-venda diferenciado
 
Além de estar presente com assistência técnica em 164 pontos dos 200 da rede Jeep, a Mopar preparou o plano de revisões até 60.000 km a preços fechados, com mão de obra incluída, e um programa de serviços variados e sensatos para atender aos consumidores de forma inédita para a Jeep no Brasil. Com o Mopar Vehicle Protection (MVP), o Jeep Compass versões com o 2.0 Tigershark flexível, até oito revisões poderão ser adquiridas com antecedência.
 
Outras novidades da Mopar serão pacotes que darão direito a um conjunto de serviços. Como, por exemplo, duas trocas de óleo e um alinhamento de direção, ou três trocas de óleo e um alinhamento. Haverá também a oferta de estender os benefícios da assistência 24 horas Privilege Service, que normalmente dura três anos, por mais um ou dois anos. Importante também destacar que a Mopar conta com dois armazéns no Brasil, para tornar ainda mais ágil o deslocamento de peças de reposição (boa parte delas nacionais). Apenas para o Compass já há 2.500 componentes disponíveis.
 
A garantia do Jeep Compass é de três anos (podendo ser estendida por mais um ou dois anos) sem limite de quilometragem. As revisões serão feitas a cada 12.000 km nas unidades com o propulsor Flex e a cada 20 mil km naquelas movidas a diesel. Também sem limite de tempo, para não prejudicar os consumidores que rodam pouco – apenas a troca de óleo e filtro tem de ser feita anualmente. Quanto aos acessórios, outra importante linha de frente da Mopar, o Jeep Compass já chega com mais de 40 itens (número recorde para o segmento), sendo que metade deles foi desenvolvida especialmente para o novo modelo.
 
Preço
 
O Jeep Compass Sport tem preço sugerido de R$ 101, 9 mil. Mas a Jeep Bicudo, na cidade de Itu, tem uma unidade zero km, pelo preço promocional de R$ 97,9 mil. Conheça outras ofertas do Jeep Compass, AQUI!
 
Ficha técnica
 
Motor: Dianteiro, transversal, 4 cilindros em linha, 16V, comando duplo, flex
Cilindrada: 1.995 cm³
Potência: 166/159 cv a 6.200 rpm
Torque: 20,5/19,9 kgfm a 4.000 rpm
Câmbio: Automático de 6 marchas, tração dianteira
Direção: Elétrica
Suspensão: McPherson
Freios: discos ventilados (diant.) e sólidos (tras.)
Pneus: 225/55 R18
Dimensões
Compr.: 4,41 m
Largura: 1,81 m
Altura: 1,63 m
Entre-eixos: 2,63 m
Tanque: 60 litros
Porta-malas: 410 litros (fabricante)
Peso: 1.541 kg

Avaliações < Voltar
Avaliação: Jeep Compass Sport Flex
 

Avaliação: Jeep Compass Sport Flex

Publicado por Redação Comprecar – Especialista em carros usados e motos usadas

Versão tem como destaque o motor 2.0 litros Tigershark de 166 cavalos

05 de Março de 2017

O Jeep Compass já se consolidou como outro campeão de vendas, ao lado do Jeep Renegade. Sendo o próximo passo acima na marca Jeep, o Compass é a opção para o cliente que procura um pouco mais de desempenho e espaço, quando comparado ao Renegade (SUV compacto da marca). Nessa matéria, trazemos a avaliação da versão de entrada Sport do Jeep Compass.
 
De forma resumida, o Compass acrescenta mais espaço interno, mais refinamento no acabamento e mais desempenho, sobre o Renegade Flex. Assim, o Compass é a escolha para um cliente familiar que busca um veículo mais indicado para viagens, e transporte constante de cinco pessoas.
 
Motor 2.0 litros Tigershark Flex
 
Entre os destaques do Compass Sport está o motor 2.0 litros Tigershark Flex. Trata-se de um motor internacional da FCA - Fiat Chrysler Automobiles modificado para se tornar flexível, e que entrega uma boa combinação de desempenho e consumo razoável. Com potência máxima de até 166 cv de potência e 20,5 kgfm de torque, o motor está sempre associado a transmissão automática Aisin de 6 marchas.
 
Esse motor Tigershark 2.0 litros - 16V Flex tem duplo comando de válvulas no cabeçote e duplo variador de fase. Isso ajuda bastante no rendimento em baixas rotações. Com boa faixa de torque distribuído desde baixas rotações, o Tigershark oferece 86% de sua força total já a partir dos 2.000 giros.
 
Com uma série de novos componentes concebidos para reduzir o atrito, o motor oferece uma operação silenciosa. Ele é produzido no México com bloco e cabeçote de alumínio. Essa configuração rende até 166 cv de potência a 6.200 rpm e 20,5 kgfm de torque a 4.000 rpm com etanol (159 cv e 19,9 kgfm com gasolina). O motor está sempre conectado a uma caixa automática de 6 marchas. O rendimento é convincente, com uma aceleração de 0 a 100 km/h feita em 10,6 segundos (com etanol). Já a velocidade máxima é de 192 km/h.
 
Partida com etanol sem tanquinho
 
O Tigershark 2.0 Flex permite partidas a frio com 100% de etanol no tanque, por meio do sistema HCSS, que aquece o combustível com resistências elétricas. Eliminando, desse modo, o tanque auxiliar de gasolina. O fato de o bloco ser de alumínio impacta positivamente na economia de combustível, pois esse material tem menor inércia térmica. Ou seja: ele leva menos tempo para se aquecer e chegar à temperatura ideal de operação, mesmo nos dias mais frios do ano.
 
Sistema avançado para melhor eficiência
 
Para poder rodar com 100% de etanol, o motor recebeu 20 importantes mudanças, entre novos componentes e materiais. A taxa de compressão que era de 10,2:1 no gasolina, foi aumentada para 11,8:1, aproveitando ao máximo as características do etanol. Outra característica que ajuda no desempenho do Tigershark é o duplo variador de fase independente do comando, com 60° de curso de atuação.
 
Esse duplo variador de fase também atua na economia do consumo de combustível, pois reduz as perdas de bombeamento em cargas parciais de aceleração. Ele proporciona a expansão total pela abertura atrasada das válvulas de escape (comportamento do ciclo Atkinson); permite a recirculação interna dos gases do motor (EGR) pelo fechamento atrasado das válvulas de escape e tem o fechamento atrasado das válvulas de aspiração (característica do ciclo Miller). Com isso, o consumo com gasolina chega a 8,1 km/l na cidade e 10,5 km/l na estrada. Com etanol, as marcas são de 5,5 km/l na cidade e 7,2 km/l na estrada. Mas se levarmos em conta que o veículo pesa 1.541 kg, a marca não chega a ser ruim.
 
Esse motor foi desenvolvido para ter alta durabilidade, chegando a pelo menos 240 mil km, seguindo as exigências do mercado norte-americano, e é capaz de atender às normas de emissão do Proconve fase 6 e da Euro 6.
 
Dirigibilidade
 
Um dos aspectos que demonstra o valor do Jeep Compass é a dirigibilidade. A suspensão independente nas quatro rodas (McPherson da dianteira e na traseira) tem acerto refinado numa grande variedade de terrenos. Isso garante conforto, sem comprometer a estabilidade.
 
Os amortecedores do Compass são de frequência sensitiva (FSD), adaptando-se a condições de rodagem com precisão e rapidez. O comportamento dinâmico também se explica pela elevada rigidez estrutural, com 70% do monobloco formado por aços de alta e altíssima resistência. A plataforma do Compass derivada do Renegade. E ambas as plataformas não são derivadas de um automóvel, como acontece em outros SUVs compactos e médios do mercado brasileiro.
 
A direção do Jeep Compass é do tipo elétrica progressiva (EPS) e conta com recursos como o torque de esterço ativo (DST). Em uma situação de emergência, como uma perda de aderência em curva, ele atua de forma a induzir o motorista a esterçar o volante para o lado correto, enrijecendo caso o motorista vire o volante para a direção errada.
 
Em pisos mal conservados, o Compass mostra que consegue absorver bem as irregularidades do piso, mas o ajuste da suspensão da versão Sport, acaba deixando a carroceria inclinar e fazer a parte de baixo do para-choque dianteiro raspar em algumas valetas e lombadas. Apenas o ângulo de ataque (15,8 graus) é um pouco baixo na versão Sport. Isso por conta de um spoiler dianteiro na parte de baixo do para-choque que dá o visual esportivo. Esse spoiler não existe na versão Longitude, por exemplo. Já o ângulo de saída (30,8 graus) é muito bom, assim como a distância livre do solo (20,7 cm).
 
Equipamentos
 
Um dos pontos fortes do Compass é a lista de equipamentos. De série na versão de entrada estão: computador de bordo com tela TFT de 3,5 polegadas, volante multifuncional, central multimídia com tela sensível ao toque de 5 polegadas com navegador GPS mais entrada USB e conexão Bluetooth, câmera de ré, sensor de estacionamento traseiro, rodas de liga leve 17 polegadas, e sistema ISOFIX para assentos infantis e dois air-bags frontais.
 
Está presente também controlador de velocidade com limitador e monitoramento da pressão dos pneus. Apenas para informação, a Longitude (próxima na família Compass) acrescenta itens como ar-condicionado de duas zonas, chave presencial, rodas de liga-leve aro 18 e volante revestido de couro.
 
Tecnologia para a segurança
 
Entre os principais equipamentos de série de todo Compass há assistente de partida em rampa (HSA), e o controle de estabilidade (ESC) que engloba os sistemas eletrônicos anticapotamento (ERM), de oscilação de reboque (TSC) e os recursos ligados à frenagem, como o EBP, que aproxima as pastilhas dos discos se o motorista tirar o pé do acelerador rápido demais, melhorando o tempo de resposta dos freios, e o assistente de frenagem em pânico (PBA), que aplica automaticamente a força máxima do freio em caso de emergência se o motorista não fizer isso por meio do pedal.
 
A iluminação recebeu atenção desde a versão inicial, com assinaturas em LED na frente e atrás, que também aumentam a visualização do veículo. Em todas as configurações há luzes diurnas (DRL), faróis de neblina com função cornering (se acendem sozinhos do lado em que se vira o volante em manobras ou em baixa velocidade) e luz traseira de neblina.
 
Algumas considerações
 
O espaço interno do Compass está entre os pontos fortes do carro, tanto para os cinco ocupantes quanto no porta-malas de 465 litros. Além disso, há bons porta-objetos por todos os lados, inclusive sob o assento do passageiro da frente, onde podem ser guardadas bolsas, sacolas e mochilas. O acabamento da versão Sport é simples, mas de bom gosto, com tecido nos bancos e nas laterais das portas. E na parte de ergonomia não há do que reclamar, ao contrário, foi bem resolvida, com comandos bem localizados e fáceis de serem acionados.
 
Se a ideia é levar um SUV médio para casa, o Compass Sport com motor 2.0 flex deve ser considerado na sua lista de opções. Tem uma das melhores relações entre custo e benefício do segmento, conta com bom espaço interno e conjunto moderno.
 
Pós-venda diferenciado
 
Além de estar presente com assistência técnica em 164 pontos dos 200 da rede Jeep, a Mopar preparou o plano de revisões até 60.000 km a preços fechados, com mão de obra incluída, e um programa de serviços variados e sensatos para atender aos consumidores de forma inédita para a Jeep no Brasil. Com o Mopar Vehicle Protection (MVP), o Jeep Compass versões com o 2.0 Tigershark flexível, até oito revisões poderão ser adquiridas com antecedência.
 
Outras novidades da Mopar serão pacotes que darão direito a um conjunto de serviços. Como, por exemplo, duas trocas de óleo e um alinhamento de direção, ou três trocas de óleo e um alinhamento. Haverá também a oferta de estender os benefícios da assistência 24 horas Privilege Service, que normalmente dura três anos, por mais um ou dois anos. Importante também destacar que a Mopar conta com dois armazéns no Brasil, para tornar ainda mais ágil o deslocamento de peças de reposição (boa parte delas nacionais). Apenas para o Compass já há 2.500 componentes disponíveis.
 
A garantia do Jeep Compass é de três anos (podendo ser estendida por mais um ou dois anos) sem limite de quilometragem. As revisões serão feitas a cada 12.000 km nas unidades com o propulsor Flex e a cada 20 mil km naquelas movidas a diesel. Também sem limite de tempo, para não prejudicar os consumidores que rodam pouco – apenas a troca de óleo e filtro tem de ser feita anualmente. Quanto aos acessórios, outra importante linha de frente da Mopar, o Jeep Compass já chega com mais de 40 itens (número recorde para o segmento), sendo que metade deles foi desenvolvida especialmente para o novo modelo.
 
Preço
 
O Jeep Compass Sport tem preço sugerido de R$ 101, 9 mil. Mas a Jeep Bicudo, na cidade de Itu, tem uma unidade zero km, pelo preço promocional de R$ 97,9 mil. Conheça outras ofertas do Jeep Compass, AQUI!
 
Ficha técnica
 
Motor: Dianteiro, transversal, 4 cilindros em linha, 16V, comando duplo, flex
Cilindrada: 1.995 cm³
Potência: 166/159 cv a 6.200 rpm
Torque: 20,5/19,9 kgfm a 4.000 rpm
Câmbio: Automático de 6 marchas, tração dianteira
Direção: Elétrica
Suspensão: McPherson
Freios: discos ventilados (diant.) e sólidos (tras.)
Pneus: 225/55 R18
Dimensões
Compr.: 4,41 m
Largura: 1,81 m
Altura: 1,63 m
Entre-eixos: 2,63 m
Tanque: 60 litros
Porta-malas: 410 litros (fabricante)
Peso: 1.541 kg

O veículo que você procura está aqui na Comprecar!