Revista Comprecar
Chevrolet S10 pronta para o trabalho pesado ou lazer sofisticado
Versões LT e High Country, ambas à diesel, atendem qualquer demanda do usuário
Chevrolet S10 pronta para o trabalho pesado ou lazer sofisticado
17 de Agosto de 2015

Recentemente, a Chevrolet apresentou a linha 2016 da sua picape média S10. Com as novidades, a picape da Chevrolet se consolidou como a picape com mais versões e configurações de todo o mercado brasileiro. Assim, dificilmente um cliente não encontrará uma S10 que atenda suas necessidades de trabalho, lazer, uso cotidiano ou aventureiro.
 
Nessa matéria, trazemos uma avaliação dupla da S10. Analisamos a versão LT cabine dupla e a recém chegada versão High Country. Essa escolha se dá por dois motivos: ambas as picapes contavam com moto r à diesel e tração nas quatro rodas. Mas como diferenças, esta o fato da versão LT trazer o câmbio manual de 6 marchas, sendo assim uma picape ideal para o trabalho pesado em regiões de difícil acesso. Já a versão High Country, é indicada para quem não abre mão do luxo, conforto e sofisticação, mas precisa de igual capacidade para alcançar áreas de difícil acesso. No caso da High Country, o câmbio é automático de seis marchas, além de contar com vários outros equipamentos a mais.
 
Assim, o cenário mais do que ideal para ambas as picapes, são aqueles clientes que trabalham com agronegócio, ou ainda no setor de construção, sempre em regiões bem afastadas e de difícil acesso. E a diferença básica entre as picapes, é o fato da versão LT ser indicada para quem esta na linha de frente do trabalho, e a High Country a versão ideal para o diretor ou proprietário da empresa (ou fazenda) que opera o negócio.
 
Evoluções
 
Recentemente, o interior da S10 recebeu mudanças com reforços no isolamento acústico da cabine, utilização de acabamento mais primoroso com a adoção de novos materiais, além de equipamentos de série adicionais.
 
Assim, cada vez mais, as picapes médias estão mais parecidas com os automóveis, no que se refere ao conforto percebido. Nas duas versões avaliadas, o interior tem bom acabamento, com peças bem encaixadas. Praticamente não se percebem ruídos provenientes do acabamento. Outros detalhes lembram o interior de um automóvel. Um dos detalhes que reforça essa ideia são os cintos de segurança dianteiros com ajuste de altura (os traseiros são fixos). Outra facilidade é o porta-luvas duplo, mesmo com a presença do air-bag do passageiro.
 
Espaço não falta no interior. Existem diversos porta-objetos (na cabine dupla são 26). O que mais chama a atenção é um que fica logo acima do rádio e serve para guardar documentos e carteiras. Entre os bancos dianteiros (sob o descansa-braço), outro porta-objeto. E os mais atentos, ainda vão encontrar uma pequena prateleira (sem tampa) sob o volante. Porta-copos não faltam. Na frente são quatro (dois no console e mais dois nas extremidades do painel, abaixo da saída de ventilação) e no banco traseiro mais dois, no fim do console central. O banco traseiro, ainda pode dar espaço para mais carga. Os assentos podem ser rebatidos verticalmente, permitindo colocar mais carga diretamente sob o assoalho do carro.
 
Outro item relevante é o sistema de freio, que utiliza discos ventilados na dianteira e tambor na traseira. Todas as versões da S10 trazem de série ABS com EBD e CBC. A partir da versão LTZ (incluindo a High Country) contam com controles de tração e estabilidade e ROP (Roll Over Prevention).
 
Motor turbo diesel muito potente
 
Tanto a S10 LT, como a S10 High Country estão disponíveis com moto r 4 cilindros turbo-diesel CTDi de 2.8 litros. Esse moto r entrega 200 cavalos de potência a 3.600 rpm. Com isso, a S10 mantém-se como a picape nacional mais forte do mercado. Fato curioso, que o torque máximo varia de acordo com o tipo de câmbio. Com câmbio manual de seis marchas, o torque máximo é de 44,9 kgfm a 2.000 rpm (vale ressaltar que 90% deste valor já está disponível a 1.700 rpm). Já com câmbio automático, torque máximo sobe para 51 kgfm, também a 2.000 rpm.
 
Desempenho
 
O desempenho sofre ligeira variação de acordo com o tipo de câmbio. Com câmbio manual de seis marchas, a picape precisa de quase 12 segundos para acelerar até 100 km/h. Já com o câmbio automático de seis marchas, são necessários 10,5 segundos para se chegar à 100 km/h. Em ambos os casos, a velocidade máxima é de 180 km/h, limitada eletronicamente (tanto por questão de segurança, como limitação dos pneus).
 
Suspensão
 
Um típico problema das picapes médias são as suspensões duras e desconfortáveis para os passageiros (ainda mais terrível para quem viaja no banco traseiro, no caso de cabine dupla). E aqui é outro ponto onde a S10 agrada. Evidente que não se pode comparar ao conforto de um sedan. Mas a S10 consegue entregar um nível de conforto, que vai agradar inclusive pessoas acostumas a um padrão de automóvel. Diferente de alguns concorrentes que maltratam seus ocupantes todo tempo, o modelo da Chevrolet só traz a lembrança de se estar a bordo de uma picape, ao atravessar ruas esburacadas ou rodovias com em má conservação. Ainda sim, a S10 mostra-se melhor que a média da categoria.
 
Tração 4x4
 
O sistema de tração da S10 contempla o acionamento por controle eletrônico e inclui a opção da reduzida. Essa é a mesma tração que equipa as versões flex e diesel das picapes S10. Assim, do ponto de vista de mobilidade, a S10 4x4 não tem qualquer limitante para conseguir fazer as mesmas coisas os 4x4 mais aventureiros do mercado.
 
Quem já precisou enfrentar em complicado atoleiro, ou rebocar algo muito pesado, ou ainda subir e descer rampas realmente inclinadas, sabe que a opção do câmbio manual é muito mais interessante. Isso porque ele permite controle muito maior sobre o veículo. Justamente por isso, a S10 4x4 LT é a opção para quem procura uma picape para trabalhar pesado com ela. Já a versão automática, ainda que não entregue os pontos nas adversidades do fora de estrada, é melhor para o conforto na condução em geral.
 
Ambas as versões da S10 se mostram aptas a encarar situações difíceis. Com uma altura de 23 centímetros em relação ao solo, elas tem ângulo de passagem de 25,7º, e um elevado ângulo de entrada com 31 graus. Já o de saída, conta apenas com 17 graus.
 
Capacidade de carga
 
A S10 também oferece boa capacidade de carga. Na versão cabine dupla o espaço da caçamba é de 1.061 litros, o que corresponde a uma capacidade de carga de 1.202 kg na versão LT ou 1.011 kg na High Country. A caçamba tem 2,32 m de comprimento, por 1,54m de largura.
 
S10 High Country
 
Apresentada como conceito na última edição do Salão do Automóvel de São Paulo, em outubro de 2014, a S10 High Country agora é a versão topo de linha, posicionada acima da versão LTZ. A picape recebeu faróis em cromo escurecido com projetor, aplique no para-choque dianteiro, estribos laterais, rodas aro 18 com superfície usinada, frisos cromados na base dos vidros das portas além de um diferenciado Santo Antonio, especialmente projetado para integrar à caçamba. A peça acompanha uma inédita capota marítima. Lanternas em LED, maçaneta da tampa traseira cromada e rack de teto com barras longitudinais e transversais completam a lista de destaques externos.
 
O interior da picape traz o mesmo nível de sofisticação já visto no SUV Trailblazer. Os bancos têm forração em dois tons (marrom Brownstone e preto Jet Black), costura pespontada e descansa braço traseiro. Já o assento do moto rista conta com regulagem elétrica de altura, distância e inclinação do encosto.
 
Todos os demais itens de conforto e segurança são os mesmos existentes na versão LTZ. Entre eles estão: ar-condicionado digital, computador de bordo, volante multifuncional, sensor de estacionamento, controle de cruzeiro (cruise control) e sistema multimídia Chevrolet MyLink com GPS, DVD e câmera de ré integrados.  Na parte de segurança estão: controle eletrônico de estabilidade, controle de velocidade em declive (Hill Descent Control), freios ABS com sistema de distribuição de frenagem (EBD), cinto de segurança traseiros e central de três pontos retráteis, alarme de não afivelamento do cinto de segurança e airbags.
 
A lista de equipamento de série da versão High Country também é vasta. Destaque para o Assistente de Partida em Rampas (Hill Start Assist), que não permite que o veículo recue em saídas íngremes, e o Assistente de Descida (Hill Descend Control), que controla a velocidade em descidas íngremes sem a necessidade de intervenção do moto rista, proporcionando maior segurança. Completa a relação os controles eletrônicos de tração e de estabilidade (TC e ECS) e o controle de balanço de reboque (TSC), que aciona automaticamente os freios e reduz o torque do moto r, caso seja detectado alteração da trajetória do trailer, por exemplo.
 
A versão High Country (topo de linha) já sai muito bem equipada. Entre os destaques pode-se destacar banco do moto rista com todos os ajustes elétricos, volante com ajuste de altura e profundidade, ar-condicionado digital e automático e central multimídia com GPS e tela sensível ao toque.
 
Em relação às cores, a S10 High Country traz como novidade o Vermelho Chili, que destaca ainda mais a versão. Há ainda mais quatro opções: Branco Summit, Cinza Cyclone, Preto Carbon Flash e a nova Cinza Graphite. Na prática a versão High Country é para o cliente que busca por uma maior diferenciação no visual externo e um pouco mais de requinte no acabamento interno. A versão High Country tem preço sugerido de R$ 163.800.
 
S10 LT
 
Já a versão LT é a picape para o trabalho de verdade. Claro que o requinte não é tão elevado, mas a utilidade é muito parecida. Ainda sim, a picape traz o essencial para o conforto e utilização, com: ar-condicionado manual; banco do moto rista com regulagem de altura; assistência hidráulica da direção com ajuste de altura do volante; vidros e espelhos laterais com comandos elétricos; sistema de entretenimento My Link I com tela sensível ao toque sem GPS; computador de bordo com funções de autonomia, velocidade média, odômetro parcial, temperatura externa, cronômetro, consumo médio, consumo total em litros e indicador de faixa de aceleração para melhor consumo; sistema de deslizamento limitado de diferencial ("Limited Slip"). Entre vários itens estéticos e de conforto que faltam nessa versão, em relação a High Country, cabe destacar que o programa de estabilidade eletrônico não esta disponível. Justamente por isso, que a S10 LT é mais barata, com preço sugerido de R$ 131 mil
 
Posicionamento
 
Em ordem crescente de equipamentos, todas as versões atuais da família S10 ficam assim, em ordem crescente: Chassis Cab < LS < Advantage < LT < Freeride < LTZ < High Country.

Avaliações < Voltar
Chevrolet S10 pronta para o trabalho pesado ou lazer sofisticado
 

Chevrolet S10 pronta para o trabalho pesado ou lazer sofisticado

Publicado por Redação Comprecar – Especialista em carros usados e motos usadas

Versões LT e High Country, ambas à diesel, atendem qualquer demanda do usuário

17 de Agosto de 2015

Recentemente, a Chevrolet apresentou a linha 2016 da sua picape média S10. Com as novidades, a picape da Chevrolet se consolidou como a picape com mais versões e configurações de todo o mercado brasileiro. Assim, dificilmente um cliente não encontrará uma S10 que atenda suas necessidades de trabalho, lazer, uso cotidiano ou aventureiro.
 
Nessa matéria, trazemos uma avaliação dupla da S10. Analisamos a versão LT cabine dupla e a recém chegada versão High Country. Essa escolha se dá por dois motivos: ambas as picapes contavam com moto r à diesel e tração nas quatro rodas. Mas como diferenças, esta o fato da versão LT trazer o câmbio manual de 6 marchas, sendo assim uma picape ideal para o trabalho pesado em regiões de difícil acesso. Já a versão High Country, é indicada para quem não abre mão do luxo, conforto e sofisticação, mas precisa de igual capacidade para alcançar áreas de difícil acesso. No caso da High Country, o câmbio é automático de seis marchas, além de contar com vários outros equipamentos a mais.
 
Assim, o cenário mais do que ideal para ambas as picapes, são aqueles clientes que trabalham com agronegócio, ou ainda no setor de construção, sempre em regiões bem afastadas e de difícil acesso. E a diferença básica entre as picapes, é o fato da versão LT ser indicada para quem esta na linha de frente do trabalho, e a High Country a versão ideal para o diretor ou proprietário da empresa (ou fazenda) que opera o negócio.
 
Evoluções
 
Recentemente, o interior da S10 recebeu mudanças com reforços no isolamento acústico da cabine, utilização de acabamento mais primoroso com a adoção de novos materiais, além de equipamentos de série adicionais.
 
Assim, cada vez mais, as picapes médias estão mais parecidas com os automóveis, no que se refere ao conforto percebido. Nas duas versões avaliadas, o interior tem bom acabamento, com peças bem encaixadas. Praticamente não se percebem ruídos provenientes do acabamento. Outros detalhes lembram o interior de um automóvel. Um dos detalhes que reforça essa ideia são os cintos de segurança dianteiros com ajuste de altura (os traseiros são fixos). Outra facilidade é o porta-luvas duplo, mesmo com a presença do air-bag do passageiro.
 
Espaço não falta no interior. Existem diversos porta-objetos (na cabine dupla são 26). O que mais chama a atenção é um que fica logo acima do rádio e serve para guardar documentos e carteiras. Entre os bancos dianteiros (sob o descansa-braço), outro porta-objeto. E os mais atentos, ainda vão encontrar uma pequena prateleira (sem tampa) sob o volante. Porta-copos não faltam. Na frente são quatro (dois no console e mais dois nas extremidades do painel, abaixo da saída de ventilação) e no banco traseiro mais dois, no fim do console central. O banco traseiro, ainda pode dar espaço para mais carga. Os assentos podem ser rebatidos verticalmente, permitindo colocar mais carga diretamente sob o assoalho do carro.
 
Outro item relevante é o sistema de freio, que utiliza discos ventilados na dianteira e tambor na traseira. Todas as versões da S10 trazem de série ABS com EBD e CBC. A partir da versão LTZ (incluindo a High Country) contam com controles de tração e estabilidade e ROP (Roll Over Prevention).
 
Motor turbo diesel muito potente
 
Tanto a S10 LT, como a S10 High Country estão disponíveis com moto r 4 cilindros turbo-diesel CTDi de 2.8 litros. Esse moto r entrega 200 cavalos de potência a 3.600 rpm. Com isso, a S10 mantém-se como a picape nacional mais forte do mercado. Fato curioso, que o torque máximo varia de acordo com o tipo de câmbio. Com câmbio manual de seis marchas, o torque máximo é de 44,9 kgfm a 2.000 rpm (vale ressaltar que 90% deste valor já está disponível a 1.700 rpm). Já com câmbio automático, torque máximo sobe para 51 kgfm, também a 2.000 rpm.
 
Desempenho
 
O desempenho sofre ligeira variação de acordo com o tipo de câmbio. Com câmbio manual de seis marchas, a picape precisa de quase 12 segundos para acelerar até 100 km/h. Já com o câmbio automático de seis marchas, são necessários 10,5 segundos para se chegar à 100 km/h. Em ambos os casos, a velocidade máxima é de 180 km/h, limitada eletronicamente (tanto por questão de segurança, como limitação dos pneus).
 
Suspensão
 
Um típico problema das picapes médias são as suspensões duras e desconfortáveis para os passageiros (ainda mais terrível para quem viaja no banco traseiro, no caso de cabine dupla). E aqui é outro ponto onde a S10 agrada. Evidente que não se pode comparar ao conforto de um sedan. Mas a S10 consegue entregar um nível de conforto, que vai agradar inclusive pessoas acostumas a um padrão de automóvel. Diferente de alguns concorrentes que maltratam seus ocupantes todo tempo, o modelo da Chevrolet só traz a lembrança de se estar a bordo de uma picape, ao atravessar ruas esburacadas ou rodovias com em má conservação. Ainda sim, a S10 mostra-se melhor que a média da categoria.
 
Tração 4x4
 
O sistema de tração da S10 contempla o acionamento por controle eletrônico e inclui a opção da reduzida. Essa é a mesma tração que equipa as versões flex e diesel das picapes S10. Assim, do ponto de vista de mobilidade, a S10 4x4 não tem qualquer limitante para conseguir fazer as mesmas coisas os 4x4 mais aventureiros do mercado.
 
Quem já precisou enfrentar em complicado atoleiro, ou rebocar algo muito pesado, ou ainda subir e descer rampas realmente inclinadas, sabe que a opção do câmbio manual é muito mais interessante. Isso porque ele permite controle muito maior sobre o veículo. Justamente por isso, a S10 4x4 LT é a opção para quem procura uma picape para trabalhar pesado com ela. Já a versão automática, ainda que não entregue os pontos nas adversidades do fora de estrada, é melhor para o conforto na condução em geral.
 
Ambas as versões da S10 se mostram aptas a encarar situações difíceis. Com uma altura de 23 centímetros em relação ao solo, elas tem ângulo de passagem de 25,7º, e um elevado ângulo de entrada com 31 graus. Já o de saída, conta apenas com 17 graus.
 
Capacidade de carga
 
A S10 também oferece boa capacidade de carga. Na versão cabine dupla o espaço da caçamba é de 1.061 litros, o que corresponde a uma capacidade de carga de 1.202 kg na versão LT ou 1.011 kg na High Country. A caçamba tem 2,32 m de comprimento, por 1,54m de largura.
 
S10 High Country
 
Apresentada como conceito na última edição do Salão do Automóvel de São Paulo, em outubro de 2014, a S10 High Country agora é a versão topo de linha, posicionada acima da versão LTZ. A picape recebeu faróis em cromo escurecido com projetor, aplique no para-choque dianteiro, estribos laterais, rodas aro 18 com superfície usinada, frisos cromados na base dos vidros das portas além de um diferenciado Santo Antonio, especialmente projetado para integrar à caçamba. A peça acompanha uma inédita capota marítima. Lanternas em LED, maçaneta da tampa traseira cromada e rack de teto com barras longitudinais e transversais completam a lista de destaques externos.
 
O interior da picape traz o mesmo nível de sofisticação já visto no SUV Trailblazer. Os bancos têm forração em dois tons (marrom Brownstone e preto Jet Black), costura pespontada e descansa braço traseiro. Já o assento do moto rista conta com regulagem elétrica de altura, distância e inclinação do encosto.
 
Todos os demais itens de conforto e segurança são os mesmos existentes na versão LTZ. Entre eles estão: ar-condicionado digital, computador de bordo, volante multifuncional, sensor de estacionamento, controle de cruzeiro (cruise control) e sistema multimídia Chevrolet MyLink com GPS, DVD e câmera de ré integrados.  Na parte de segurança estão: controle eletrônico de estabilidade, controle de velocidade em declive (Hill Descent Control), freios ABS com sistema de distribuição de frenagem (EBD), cinto de segurança traseiros e central de três pontos retráteis, alarme de não afivelamento do cinto de segurança e airbags.
 
A lista de equipamento de série da versão High Country também é vasta. Destaque para o Assistente de Partida em Rampas (Hill Start Assist), que não permite que o veículo recue em saídas íngremes, e o Assistente de Descida (Hill Descend Control), que controla a velocidade em descidas íngremes sem a necessidade de intervenção do moto rista, proporcionando maior segurança. Completa a relação os controles eletrônicos de tração e de estabilidade (TC e ECS) e o controle de balanço de reboque (TSC), que aciona automaticamente os freios e reduz o torque do moto r, caso seja detectado alteração da trajetória do trailer, por exemplo.
 
A versão High Country (topo de linha) já sai muito bem equipada. Entre os destaques pode-se destacar banco do moto rista com todos os ajustes elétricos, volante com ajuste de altura e profundidade, ar-condicionado digital e automático e central multimídia com GPS e tela sensível ao toque.
 
Em relação às cores, a S10 High Country traz como novidade o Vermelho Chili, que destaca ainda mais a versão. Há ainda mais quatro opções: Branco Summit, Cinza Cyclone, Preto Carbon Flash e a nova Cinza Graphite. Na prática a versão High Country é para o cliente que busca por uma maior diferenciação no visual externo e um pouco mais de requinte no acabamento interno. A versão High Country tem preço sugerido de R$ 163.800.
 
S10 LT
 
Já a versão LT é a picape para o trabalho de verdade. Claro que o requinte não é tão elevado, mas a utilidade é muito parecida. Ainda sim, a picape traz o essencial para o conforto e utilização, com: ar-condicionado manual; banco do moto rista com regulagem de altura; assistência hidráulica da direção com ajuste de altura do volante; vidros e espelhos laterais com comandos elétricos; sistema de entretenimento My Link I com tela sensível ao toque sem GPS; computador de bordo com funções de autonomia, velocidade média, odômetro parcial, temperatura externa, cronômetro, consumo médio, consumo total em litros e indicador de faixa de aceleração para melhor consumo; sistema de deslizamento limitado de diferencial ("Limited Slip"). Entre vários itens estéticos e de conforto que faltam nessa versão, em relação a High Country, cabe destacar que o programa de estabilidade eletrônico não esta disponível. Justamente por isso, que a S10 LT é mais barata, com preço sugerido de R$ 131 mil
 
Posicionamento
 
Em ordem crescente de equipamentos, todas as versões atuais da família S10 ficam assim, em ordem crescente: Chassis Cab < LS < Advantage < LT < Freeride < LTZ < High Country.

O veículo que você procura está aqui na Comprecar!