Revista Comprecar
Comparativo: Palio Sporting x Gol Rallye
Os líderes se enfrentam, nas versões topo de linha! Você sabe quem leva?
Comparativo: Palio Sporting x Gol Rallye
05 de Janeiro de 2015

Por Jorge Augusto
Fotos: Marcelo Alexandre
 
Esse é um comparativo muito interessante. Mais do que comparar dois concorrentes diretos, colocamos frente a frente o carro que liderou as vendas no Brasil por décadas, com o concorrente que em 2014, assumiu a liderança de vendas. Aqui trazemos as versões topo de linha de cada um, que como todos sabem, são pouco expressivas em vendas. Mas, podemos observar nessas versões qual foi o fabricante que mais evoluiu em matéria de tecnologia e produto final, ou seja, quem tem o melhor produto hoje! Para isso confrontamos o Fiat Palio Sporting com o Volkswagen Gol Rallye.
 
Aqui cabe o primeiro esclarecimento. Ainda que muitas pessoas achem que o Gol Rallye seja uma versão “aventureira” ou de apelo fora de estrada, isso não é verdade. Durante a apresentação da atual geração do Gol Rallye, o departamento de MKT da Volkswagen deixou claro que a versão Rallye não foi desenhada para essa aplicação. Ainda que traga uma suspensão elevada em 3 cm (sobre a versão regular), ele vem equipado com pneu para alta performance no asfalto, bem diferente dos pneus “todo terreno” que equipam a linha “Cross” da Volkswagen. Dessa forma, fica clara a vocação esportiva do Gol que é a mesma do Palio na versão Sporting.
 
Estilo
 
Ambos as versões trazem detalhes de estilos para torna-las diferenciadas. Também é comum vermos cores mais fortes e marcantes na carroceria. O Palio trazia o Amarelo Interlagos, enquanto o Gol tinha a cor Vermelho Flash.
 
No Palio Sporting os principais diferenciais externos são adesivos colados nas laterais, traseira e na coluna “B”. Nas laterais, alargadores dos paralamas e rodas de liga-leve pintadas em dois tons com pneus 195/55 R16. Na traseira, um pequeno aerofólio na parte superior e escapamento com dupla saída dão o tom na versão Sporting.
 
Já a Volkswagen caprichou mais na versão Rallye. Para começar, ele traz um parachoque frontal completamente diferente de versão regular. Ele tem o mesmo estilo das versões “Cross” da VW. Além da entrada de ar em formato colmeia, incorpora detalhes em cinza fosco e faróis auxiliares de dupla função (será explicado mais a frente). Na lateral também estão presentes os alargadores dos paralamas. As rodas são diamantadas com tons de preto brilhante, com pneus na medida 195/50 R16. Outro detalhe interessante são os espelhos laterais pintados em cinza fosco com repetidores de direção. Na traseira, um pequeno aerofólio e parachoque com detalhes em cinza fosco. O escapamento tem saída simples.
 
Fato que o modelo da Volkswagen traz visual mais caprichado pro fora.
 
Interior
 
No Palio Sporting, visualmente falando, o interior é bem mais interessante. A Fiat caprichou no uso de cores diferentes. O vermelho dá o tom em diversas partes. O volante traz a parte superior forrada em couro avermelhado, com costura dupla também em vermelho. As maçanetas internas e os cintos de segurança também são em tom vermelho. O painel segue a mesma linha, com a predominância do vermelho. E pra finalizar, detalhes dos alto falantes dianteiros e a parte frontal da forração dos encostos de cabeça também são em vermelho. De resto, o interior mescla tons em preto, cinza escuro e cinza claro, com uma faixa que corta todo o painel imitando “carbono”. A forração dos bancos é feita num tecido gostoso ao toque e o estofamento é macio. Detalhe que o Palio traz três encostos de cabeça (de mesmo tamanho) no banco traseiro. Sob o aspecto visual, a Fiat caprichou bastante no Palio Sporting. Ainda que o carro tenha um interior bastante agradável, a marca ainda precisa melhorar na qualidade estrutural do acabamento, que mostra pequenos problemas de montagens e encaixes, bem como ruídos quando o carro passa por fortes vibrações.
 
Já no Gol Rallye a Volkswagen foi muito conservadora no interior. São pouquíssimas as mudanças em relação a versão tradicional. Uma delas é o teto forrado em cor preta. Aliás, é o preto que dá o tom no carro. Outra diferença são os bancos forrados com tecidos que utilizam fios de PET reciclado. A faixa central é destacada, com detalhes em baixo relevo e o logotipo Rallye bordado. De resto, não existem diferenças expressivas. Conta a favor do carro da Volkswagen um acabamento com melhor qualidade estrutural, com encaixes mais bem feitos e menor quantidade de ruído sob vibrações. Mas a Volkswagen deixou a desejar no visual, considerando a proposta esportiva do modelo.
 
Porta-objetos
 
Esse é um ponto onde ambos os modelos precisam melhorar, quando comparados a outros concorrentes da categoria!
 
No Palio, existe uma ligeira vantagem nesse quesito. Nas portas dianteiras, os guarda-mapas trazem espaço para porta-latas. Junto ao câmbio, mais dois porta-latas e tomada 12 volts. Na parte superior do painel, um pequeno compartimento com tampa. E junto ao volante do lado esquerdo mais abaixo, um espaço que cabe uma carteira. O porta-luvas é pequeno e de difícil acesso. Ao abrir a tampa, essa bate nos joelhos do passageiro da frente.
 
No Gol, a oferta de espaços é ainda menor. Faltam os espaços dos porta-latas nos consoles das portas. Aliás, só cabem revistas nesses espaços. No console central existem dois porta-latas, acompanhados de outros dois pequenos porta-objetos. E o espaço para carteiras, também está presente no lado esquerdo do volante, logo abaixo no console. Ainda que o porta-luvas abra de forma mais eficiente, esse também é muito pequeno e mal cabe um estojo de óculos de sol.
 
Em ambos os carros, os fabricantes se esquecem de usar o espaço entre os bancos dianteiros para oferecer melhor oferta de porta-objetos. Mas nesse comparativo, a vantagem é do Palio.
 
Porta-malas
 
Em ambos os modelos, o espaço no porta-malas é relativamente próximo na medida em litros. No Palio são 280 litros e no Gol sobe para 285 litros. Apesar da pequena vantagem em litros, o porta-malas do Gol é melhor utilizável. Enquanto no Palio o fundo é completamente desnivelado (por conta do estepe), no Gol ele é perfeitamente plano. Fica mais fácil organizar pequenas caixas no compartimento do Gol.
 
Motor e câmbio
 
O Palio Sporting vem equipado com o já conhecido moto r 1,6 litro – 16 válvulas batizado de EtorQ. Esse moto r equipa a linha Palio desde 2010. Sua potência máxima na gasolina é de 115 cv (à 5.550 rpm) e torque máximo de 16,2 kgfm a 4.500 rpm. Com etanol, sobe para 117 cv com torque de 16,8 kgfm a 4.500 rpm. O câmbio é manual de cinco marchas. (existe também a opção do câmbio robotizado Dualogic). Como sempre acontece nos carros da Fiat, o engate do câmbio não é tão preciso. O curso da alavanca na seleção das marchas é um pouco mais longo e a alavanca tem uma certa folga depois de engatada.
 
O Gol Rallye por sua vez traz um moto r mais novo. Batizado de EA211, tem a configuração de 1,6 litro – 16 válvulas. Depois de um longo tempo sem o moto r multiválvulas, a Volkswagen voltou a apostar nessa configuração, no meio de 2013. Outra novidade é a inclusão do sistema de partida a frio que dispensa a utilização do tanque auxiliar para gasolina. Também conta com comando de válvulas variável (apenas na admissão). Esse novo moto r Flex chega a potência máxima é de 120 cv (a 5.750 rpm), com etanol (E100), e de 110 cavalos na mesma rotação, com gasolina. O torque máximo é de 16,8 kgfm com etanol e 15,8 kgfm com gasolina, ambos a 4.000 rpm. Já a partir de 2.000 rpm, mais de 85% do torque máximo está disponível. São duas as principais vantagens desse moto r sobre o antigo 1,6 litro – 8 válvulas da VW: em baixas rotações a resposta é mais rápida, ao mesmo tempo que a potência maior ajuda em retomadas de velocidade. O moto r faz par com a já conhecida caixa de câmbio manual MQ200 de 5 marchas. Construída em de alumínio, essa transmissão conta com acionamento das marchas por cabos. É um fato conhecido que esse câmbio oferece engates precisos e suaves. Aliás, esse é um ponto de destaque dos modelos da Volkswagen já há algum tempo.  Um diferencial do Gol Rallye é a indicação da marcha ideal a ser selecionada. No centro do painel, a informação mostra se a marcha escolhida é correta com a exibição do número e uma bolinha. Ou se a marcha precisa ser reduzida (com uma seta para baixo) ou aumentada (com seta para cima). A unidade de comando calcula continuamente qual marcha deve ser engatada, ajudando a reduzir o consumo. Também , existe a opção do câmbio rotobizado I-Motion.
 
 Desempenho
 
O Palio Sporting acelera até 100 km/h em 9,9 segundos, e chega a máxima de 193 km/h (no etanol). O câmbio tem uma relação relativamente curta. À 120 km/h, em quinta marcha, o moto r gira perto de 3.500 rpm. O conjunto moto r e câmbio no Palio mostra mais disposição com giro alto. Na estrada, o conjunto é gostoso para acelerar. Mas na cidade (e no trânsito), falta força em baixa rotação, obrigando mais trocas de marchas. Isso pode ser visto claramente em subidas com o carro carregado. O moto rista precisa elevar o giro para o conjunto render.
 
Já o Gol Rallye quando abastecido com etanol, acelera de 0 a 100 km/h em 9,5 segundos e atinge velocidade máxima de 190 km/h. Ainda que os números sejam próximos do Palio, no dia a dia, o Gol se mostra muito mais gostoso e eficiente no transito da cidade. O carro deslancha melhor e precisa de menos aceleração. Isso também diminui bastante as trocas de marcha, pois existe mais fôlego do moto r. Tirando a questão da velocidade máxima, onde o Palio vai um pouco melhor, o rendimento na estrada é praticamente o mesmo. A melhor explicação para a menor velocidade final do Gol, talvez seja a suspensão mais alta, que aumenta consideravelmente o arrasto aerodinâmico do carro.
 
Ambos os moto res não trazem classificação do INMETRO no programa de etiquetagem. Mas medimos os dois veículos na estrada, usando etanol e com velocidade média de 110 km/h (com ar-condicionado ligado). O Palio Sporting não passou de 10,5 km/l, enquanto o Gol Rallye conseguiu chegar à 11 km/l. Na grande maioria das situações, é evidente a superioridade do conjunto da Volkswagen, sobre a Fiat.
 
Suspensão
 
A Fiat é conhecida por oferecer suspensões confortáveis em seus carros. E no Palio Sporting não é diferente. Sem modificações em relação a suspensão regular do Palio, a versão Sporting traz um ajuste equilibrado entre conforto e estabilidade. No geral o carro é bastante macio, principalmente em ruas esburacadas. Tanto a estabilidade do conjunto, como a resistência, podem ser ambas consideradas como boa. Fato que o Palio Sporting é mais confortável que o Gol Rallye.
 
Já a Volkswagen é conhecida pelas suspensões resistentes e precisas. Indiscutivelmente, a estabilidade no Gol Rallye é muito melhor, mesmo com a suspensão mais alta. Um dos itens que ajuda bastante nisso são os pneus de perfil mais baixo. Aliás, os 3 cm à mais em altura, conferem excepcional adaptabilidade em buracos, lombadas e valetas, sem deixar o carro raspar a parte de baixo. O conjunto é firme nas condições de manobras extremas e visivelmente mais resistente nos desafios do dia a dia. O único senão da suspensão da Volkswagen é o menor conforto para quem vai no carro.
 
Dirigibilidade
 
Esse é um ponto que depende muito do gosto de cada cliente. Então, vamos analisar ambos os carros usando questões técnicas, e com foco na proposta “esportiva” de ambos. Dessa forma, o carro da Volkswagen também leva vantagem. Ainda que ambos os modelos ofereçam ajustes de altura do banco do moto rista e do volante, apenas o Gol tem o ajuste de profundidade do volante, permitindo uma postura muito mais agradável. Além disso, a visibilidade no carro da Volkswagen é melhor, principalmente a traseira. Ambos são equipados com direções hidráulicas, mas a direção do Gol é mais leve (e direta) nas manobras de baixa velocidade. Além disso, o conjunto mecânico mais consistente da Volkswagen permite levar o carro no limite, sem causar danos.
 
Equipamentos
 
Como uma versão topo de linha, o Palio Sporting já sai bastante equipado de fábrica. Ela inclui direção hidráulica; ar-condicionado manual; computador de bordo; acabamento do painel com “insertmolding”; travas elétricas; travamento automático em velocidade acima de 20 km/h; volante com regulagem de altura (não há regulagem de altura); faróis de neblina; chave canivete com telecomando; duplo air-bag frontal e freios com ABS.
 
Porém o Palio Sporting tem enorme gama de opcionais. Entre eles estão side-bags dianteiros; sensor de chuva e crepuscular; retrovisor interno eletrocrômico; vidros elétricos traseiros; teto-solar elétrico panorâmico; controle de cruzeiro; apoio de braço central entre os bancos e comandos do rádio no volante. Mas não existem sensores de estacionamento traseiro no Palio Sporting. Sem incluir o Dualogic, esses opcionais encarecem o preço do Palio Sporting em quase R$ 10 mil! Fato que a disponibilidade de equipamentos é muito maior no Palio, permitindo mais conforto e comodidade. Mas isso cria um grande problema para o consumidor, na hora da revenda (como veremos mais à frente).
 
A versão Rallye também corresponde ao topo de linha do Gol e sai bastante equipada de fábrica. De série são: freios com ABS; duplo air-bag; palhetas do limpador tipo Aerowischer com melhor performance; "I-System com Eco-Comfort" no computador de bordo; sensor de estacionamento traseiro; duplo air-bag dianteiro; chave tipo "canivete com keyless"; coluna de direção com ajuste de altura e profundidade; tampa do porta-malas com abertura elétrica; travamento elétrico das portas e vidros elétricos nas quatro portas. Fica claro que o Gol Rallye vem mais equipado de fábrica. Destaque para faróis auxiliares com dupla função. Esse equipamento pode funcionar com iluminação de neblina quando o farol baixo está ligado, ou com a função de longo alcance quando o farol alto é acionado. Trata-se de uma exclusividade do Gol Rallye, na categoria.
 
E o Gol Rallye traz poucos opcionais. Entre eles, está o sistema de câmbio robotizado I-Motion. Outros opcionais do Gol Rallye são o revestimento parcial dos bancos em couro sintético e o pacote tecnologia que engloba o controle de cruzeiro; função temporizada do farol; espelho retrovisor interno eletrocrômico e sensores de chuva e crepuscular.
 
Sistema de som e computador de bordo
 
Em ambos os carros os sistemas de trazem os principais itens de conectividade, com entradas para USB, tipo P2 e suporte a bluetooth tanto para viva-voz no celular, como reprodução de música sem fios. Também em ambos veículos estão presentes os controles do som no volante.
 
Mas no Gol existem algumas vantagens. Enquanto a entrada USB no Palio é dentro do porta-luvas, no Gol é no painel com melhor acesso. Os botões de controles também são mais precisos e completos no Gol. Aliás, no carro da Volkswagen o I-System está integrado ao sistema de som. Usando os mesmos botões, o moto rista pode interagir com o som, computador de bordo e realizar configurações no veículo (que são bem mais completas no Gol).
 
No Palio fica tudo espalhado.  O botão do computador de bordo fica no braço da alavanca de seta e o os ajustes do sistema My Car (configurações do veículo) ficam do lado esquerdo do painel, ao lado da coluna de direção. O sistema da Fiat é certamente mais confuso para os leigos.
 
Preços e mercado
 
Esse talvez seja o fator mais relevante para a maioria dos interessados nos dois modelos. O Palio Sporting parte de R$ 44,8 mil. Com todos os opcionais (menos Dualogic) o preço sobe para salgados R$ 54,5 mil. Acrescentando o Dualogic, o preço sobe mais R$ 2,7 mil. Já no Gol Rallye parte de R$ 52,4 mil. Opcionalmente, existe o câmbio robotizado I-Motion, acrescentando cerca de R$ 3 mil ao preço. O revestimento de couro nos bancos acrescenta R$ 700, e o pacote “tecnologia”  mais R$ 800.
 
Ainda que o Palio Sporting ofereça mais opções de equipamentos ao cliente, isso tem um preço “alto” na hora de revender o modelo. O problema é que no mercado de usados, os carros são sempre avaliados por uma tabela (a FIPE, por exemplo) que não leva em consideração os opcionais adicionados na hora da compra. Dessa forma, o cliente que pagar os R$ 10 mil à mais num Palio Sporting supercompleto, não terá isso valorizado na hora da revenda.
 
Já no Gol Rallye, a pouca oferta de equipamentos opcionais e a mínima variação de preço (entre o básico e o top), preserva o valor de investimento do cliente, na revenda. Afinal, onde muita coisa é opcional no Palio Sporting, elas são de série no Gol Rallye.
 
Conclusão!
 
Não existe um campeão absoluto nesse comparativo. O Palio supera o Gol em algumas coisas. Mas quando levamos em consideração todos os pontos, em especial dentro da proposta de “esportividade”, o Gol Rallye é certamente a melhor escolha para o cliente, como produto final ou proteção do investimento na hora da revenda. Então, ainda que a Volkswagen tenha perdido a liderança nas vendas para o Palio, nas versões topo de linha ainda é a Volkswagen que entrega o veículo mais moderno e evoluído, nessa comparação.

Avaliações < Voltar
Comparativo: Palio Sporting x Gol Rallye
 

Comparativo: Palio Sporting x Gol Rallye

Publicado por Redação Comprecar – Especialista em carros usados e motos usadas

Os líderes se enfrentam, nas versões topo de linha! Você sabe quem leva?

05 de Janeiro de 2015

Por Jorge Augusto
Fotos: Marcelo Alexandre
 
Esse é um comparativo muito interessante. Mais do que comparar dois concorrentes diretos, colocamos frente a frente o carro que liderou as vendas no Brasil por décadas, com o concorrente que em 2014, assumiu a liderança de vendas. Aqui trazemos as versões topo de linha de cada um, que como todos sabem, são pouco expressivas em vendas. Mas, podemos observar nessas versões qual foi o fabricante que mais evoluiu em matéria de tecnologia e produto final, ou seja, quem tem o melhor produto hoje! Para isso confrontamos o Fiat Palio Sporting com o Volkswagen Gol Rallye.
 
Aqui cabe o primeiro esclarecimento. Ainda que muitas pessoas achem que o Gol Rallye seja uma versão “aventureira” ou de apelo fora de estrada, isso não é verdade. Durante a apresentação da atual geração do Gol Rallye, o departamento de MKT da Volkswagen deixou claro que a versão Rallye não foi desenhada para essa aplicação. Ainda que traga uma suspensão elevada em 3 cm (sobre a versão regular), ele vem equipado com pneu para alta performance no asfalto, bem diferente dos pneus “todo terreno” que equipam a linha “Cross” da Volkswagen. Dessa forma, fica clara a vocação esportiva do Gol que é a mesma do Palio na versão Sporting.
 
Estilo
 
Ambos as versões trazem detalhes de estilos para torna-las diferenciadas. Também é comum vermos cores mais fortes e marcantes na carroceria. O Palio trazia o Amarelo Interlagos, enquanto o Gol tinha a cor Vermelho Flash.
 
No Palio Sporting os principais diferenciais externos são adesivos colados nas laterais, traseira e na coluna “B”. Nas laterais, alargadores dos paralamas e rodas de liga-leve pintadas em dois tons com pneus 195/55 R16. Na traseira, um pequeno aerofólio na parte superior e escapamento com dupla saída dão o tom na versão Sporting.
 
Já a Volkswagen caprichou mais na versão Rallye. Para começar, ele traz um parachoque frontal completamente diferente de versão regular. Ele tem o mesmo estilo das versões “Cross” da VW. Além da entrada de ar em formato colmeia, incorpora detalhes em cinza fosco e faróis auxiliares de dupla função (será explicado mais a frente). Na lateral também estão presentes os alargadores dos paralamas. As rodas são diamantadas com tons de preto brilhante, com pneus na medida 195/50 R16. Outro detalhe interessante são os espelhos laterais pintados em cinza fosco com repetidores de direção. Na traseira, um pequeno aerofólio e parachoque com detalhes em cinza fosco. O escapamento tem saída simples.
 
Fato que o modelo da Volkswagen traz visual mais caprichado pro fora.
 
Interior
 
No Palio Sporting, visualmente falando, o interior é bem mais interessante. A Fiat caprichou no uso de cores diferentes. O vermelho dá o tom em diversas partes. O volante traz a parte superior forrada em couro avermelhado, com costura dupla também em vermelho. As maçanetas internas e os cintos de segurança também são em tom vermelho. O painel segue a mesma linha, com a predominância do vermelho. E pra finalizar, detalhes dos alto falantes dianteiros e a parte frontal da forração dos encostos de cabeça também são em vermelho. De resto, o interior mescla tons em preto, cinza escuro e cinza claro, com uma faixa que corta todo o painel imitando “carbono”. A forração dos bancos é feita num tecido gostoso ao toque e o estofamento é macio. Detalhe que o Palio traz três encostos de cabeça (de mesmo tamanho) no banco traseiro. Sob o aspecto visual, a Fiat caprichou bastante no Palio Sporting. Ainda que o carro tenha um interior bastante agradável, a marca ainda precisa melhorar na qualidade estrutural do acabamento, que mostra pequenos problemas de montagens e encaixes, bem como ruídos quando o carro passa por fortes vibrações.
 
Já no Gol Rallye a Volkswagen foi muito conservadora no interior. São pouquíssimas as mudanças em relação a versão tradicional. Uma delas é o teto forrado em cor preta. Aliás, é o preto que dá o tom no carro. Outra diferença são os bancos forrados com tecidos que utilizam fios de PET reciclado. A faixa central é destacada, com detalhes em baixo relevo e o logotipo Rallye bordado. De resto, não existem diferenças expressivas. Conta a favor do carro da Volkswagen um acabamento com melhor qualidade estrutural, com encaixes mais bem feitos e menor quantidade de ruído sob vibrações. Mas a Volkswagen deixou a desejar no visual, considerando a proposta esportiva do modelo.
 
Porta-objetos
 
Esse é um ponto onde ambos os modelos precisam melhorar, quando comparados a outros concorrentes da categoria!
 
No Palio, existe uma ligeira vantagem nesse quesito. Nas portas dianteiras, os guarda-mapas trazem espaço para porta-latas. Junto ao câmbio, mais dois porta-latas e tomada 12 volts. Na parte superior do painel, um pequeno compartimento com tampa. E junto ao volante do lado esquerdo mais abaixo, um espaço que cabe uma carteira. O porta-luvas é pequeno e de difícil acesso. Ao abrir a tampa, essa bate nos joelhos do passageiro da frente.
 
No Gol, a oferta de espaços é ainda menor. Faltam os espaços dos porta-latas nos consoles das portas. Aliás, só cabem revistas nesses espaços. No console central existem dois porta-latas, acompanhados de outros dois pequenos porta-objetos. E o espaço para carteiras, também está presente no lado esquerdo do volante, logo abaixo no console. Ainda que o porta-luvas abra de forma mais eficiente, esse também é muito pequeno e mal cabe um estojo de óculos de sol.
 
Em ambos os carros, os fabricantes se esquecem de usar o espaço entre os bancos dianteiros para oferecer melhor oferta de porta-objetos. Mas nesse comparativo, a vantagem é do Palio.
 
Porta-malas
 
Em ambos os modelos, o espaço no porta-malas é relativamente próximo na medida em litros. No Palio são 280 litros e no Gol sobe para 285 litros. Apesar da pequena vantagem em litros, o porta-malas do Gol é melhor utilizável. Enquanto no Palio o fundo é completamente desnivelado (por conta do estepe), no Gol ele é perfeitamente plano. Fica mais fácil organizar pequenas caixas no compartimento do Gol.
 
Motor e câmbio
 
O Palio Sporting vem equipado com o já conhecido moto r 1,6 litro – 16 válvulas batizado de EtorQ. Esse moto r equipa a linha Palio desde 2010. Sua potência máxima na gasolina é de 115 cv (à 5.550 rpm) e torque máximo de 16,2 kgfm a 4.500 rpm. Com etanol, sobe para 117 cv com torque de 16,8 kgfm a 4.500 rpm. O câmbio é manual de cinco marchas. (existe também a opção do câmbio robotizado Dualogic). Como sempre acontece nos carros da Fiat, o engate do câmbio não é tão preciso. O curso da alavanca na seleção das marchas é um pouco mais longo e a alavanca tem uma certa folga depois de engatada.
 
O Gol Rallye por sua vez traz um moto r mais novo. Batizado de EA211, tem a configuração de 1,6 litro – 16 válvulas. Depois de um longo tempo sem o moto r multiválvulas, a Volkswagen voltou a apostar nessa configuração, no meio de 2013. Outra novidade é a inclusão do sistema de partida a frio que dispensa a utilização do tanque auxiliar para gasolina. Também conta com comando de válvulas variável (apenas na admissão). Esse novo moto r Flex chega a potência máxima é de 120 cv (a 5.750 rpm), com etanol (E100), e de 110 cavalos na mesma rotação, com gasolina. O torque máximo é de 16,8 kgfm com etanol e 15,8 kgfm com gasolina, ambos a 4.000 rpm. Já a partir de 2.000 rpm, mais de 85% do torque máximo está disponível. São duas as principais vantagens desse moto r sobre o antigo 1,6 litro – 8 válvulas da VW: em baixas rotações a resposta é mais rápida, ao mesmo tempo que a potência maior ajuda em retomadas de velocidade. O moto r faz par com a já conhecida caixa de câmbio manual MQ200 de 5 marchas. Construída em de alumínio, essa transmissão conta com acionamento das marchas por cabos. É um fato conhecido que esse câmbio oferece engates precisos e suaves. Aliás, esse é um ponto de destaque dos modelos da Volkswagen já há algum tempo.  Um diferencial do Gol Rallye é a indicação da marcha ideal a ser selecionada. No centro do painel, a informação mostra se a marcha escolhida é correta com a exibição do número e uma bolinha. Ou se a marcha precisa ser reduzida (com uma seta para baixo) ou aumentada (com seta para cima). A unidade de comando calcula continuamente qual marcha deve ser engatada, ajudando a reduzir o consumo. Também , existe a opção do câmbio rotobizado I-Motion.
 
 Desempenho
 
O Palio Sporting acelera até 100 km/h em 9,9 segundos, e chega a máxima de 193 km/h (no etanol). O câmbio tem uma relação relativamente curta. À 120 km/h, em quinta marcha, o moto r gira perto de 3.500 rpm. O conjunto moto r e câmbio no Palio mostra mais disposição com giro alto. Na estrada, o conjunto é gostoso para acelerar. Mas na cidade (e no trânsito), falta força em baixa rotação, obrigando mais trocas de marchas. Isso pode ser visto claramente em subidas com o carro carregado. O moto rista precisa elevar o giro para o conjunto render.
 
Já o Gol Rallye quando abastecido com etanol, acelera de 0 a 100 km/h em 9,5 segundos e atinge velocidade máxima de 190 km/h. Ainda que os números sejam próximos do Palio, no dia a dia, o Gol se mostra muito mais gostoso e eficiente no transito da cidade. O carro deslancha melhor e precisa de menos aceleração. Isso também diminui bastante as trocas de marcha, pois existe mais fôlego do moto r. Tirando a questão da velocidade máxima, onde o Palio vai um pouco melhor, o rendimento na estrada é praticamente o mesmo. A melhor explicação para a menor velocidade final do Gol, talvez seja a suspensão mais alta, que aumenta consideravelmente o arrasto aerodinâmico do carro.
 
Ambos os moto res não trazem classificação do INMETRO no programa de etiquetagem. Mas medimos os dois veículos na estrada, usando etanol e com velocidade média de 110 km/h (com ar-condicionado ligado). O Palio Sporting não passou de 10,5 km/l, enquanto o Gol Rallye conseguiu chegar à 11 km/l. Na grande maioria das situações, é evidente a superioridade do conjunto da Volkswagen, sobre a Fiat.
 
Suspensão
 
A Fiat é conhecida por oferecer suspensões confortáveis em seus carros. E no Palio Sporting não é diferente. Sem modificações em relação a suspensão regular do Palio, a versão Sporting traz um ajuste equilibrado entre conforto e estabilidade. No geral o carro é bastante macio, principalmente em ruas esburacadas. Tanto a estabilidade do conjunto, como a resistência, podem ser ambas consideradas como boa. Fato que o Palio Sporting é mais confortável que o Gol Rallye.
 
Já a Volkswagen é conhecida pelas suspensões resistentes e precisas. Indiscutivelmente, a estabilidade no Gol Rallye é muito melhor, mesmo com a suspensão mais alta. Um dos itens que ajuda bastante nisso são os pneus de perfil mais baixo. Aliás, os 3 cm à mais em altura, conferem excepcional adaptabilidade em buracos, lombadas e valetas, sem deixar o carro raspar a parte de baixo. O conjunto é firme nas condições de manobras extremas e visivelmente mais resistente nos desafios do dia a dia. O único senão da suspensão da Volkswagen é o menor conforto para quem vai no carro.
 
Dirigibilidade
 
Esse é um ponto que depende muito do gosto de cada cliente. Então, vamos analisar ambos os carros usando questões técnicas, e com foco na proposta “esportiva” de ambos. Dessa forma, o carro da Volkswagen também leva vantagem. Ainda que ambos os modelos ofereçam ajustes de altura do banco do moto rista e do volante, apenas o Gol tem o ajuste de profundidade do volante, permitindo uma postura muito mais agradável. Além disso, a visibilidade no carro da Volkswagen é melhor, principalmente a traseira. Ambos são equipados com direções hidráulicas, mas a direção do Gol é mais leve (e direta) nas manobras de baixa velocidade. Além disso, o conjunto mecânico mais consistente da Volkswagen permite levar o carro no limite, sem causar danos.
 
Equipamentos
 
Como uma versão topo de linha, o Palio Sporting já sai bastante equipado de fábrica. Ela inclui direção hidráulica; ar-condicionado manual; computador de bordo; acabamento do painel com “insertmolding”; travas elétricas; travamento automático em velocidade acima de 20 km/h; volante com regulagem de altura (não há regulagem de altura); faróis de neblina; chave canivete com telecomando; duplo air-bag frontal e freios com ABS.
 
Porém o Palio Sporting tem enorme gama de opcionais. Entre eles estão side-bags dianteiros; sensor de chuva e crepuscular; retrovisor interno eletrocrômico; vidros elétricos traseiros; teto-solar elétrico panorâmico; controle de cruzeiro; apoio de braço central entre os bancos e comandos do rádio no volante. Mas não existem sensores de estacionamento traseiro no Palio Sporting. Sem incluir o Dualogic, esses opcionais encarecem o preço do Palio Sporting em quase R$ 10 mil! Fato que a disponibilidade de equipamentos é muito maior no Palio, permitindo mais conforto e comodidade. Mas isso cria um grande problema para o consumidor, na hora da revenda (como veremos mais à frente).
 
A versão Rallye também corresponde ao topo de linha do Gol e sai bastante equipada de fábrica. De série são: freios com ABS; duplo air-bag; palhetas do limpador tipo Aerowischer com melhor performance; "I-System com Eco-Comfort" no computador de bordo; sensor de estacionamento traseiro; duplo air-bag dianteiro; chave tipo "canivete com keyless"; coluna de direção com ajuste de altura e profundidade; tampa do porta-malas com abertura elétrica; travamento elétrico das portas e vidros elétricos nas quatro portas. Fica claro que o Gol Rallye vem mais equipado de fábrica. Destaque para faróis auxiliares com dupla função. Esse equipamento pode funcionar com iluminação de neblina quando o farol baixo está ligado, ou com a função de longo alcance quando o farol alto é acionado. Trata-se de uma exclusividade do Gol Rallye, na categoria.
 
E o Gol Rallye traz poucos opcionais. Entre eles, está o sistema de câmbio robotizado I-Motion. Outros opcionais do Gol Rallye são o revestimento parcial dos bancos em couro sintético e o pacote tecnologia que engloba o controle de cruzeiro; função temporizada do farol; espelho retrovisor interno eletrocrômico e sensores de chuva e crepuscular.
 
Sistema de som e computador de bordo
 
Em ambos os carros os sistemas de trazem os principais itens de conectividade, com entradas para USB, tipo P2 e suporte a bluetooth tanto para viva-voz no celular, como reprodução de música sem fios. Também em ambos veículos estão presentes os controles do som no volante.
 
Mas no Gol existem algumas vantagens. Enquanto a entrada USB no Palio é dentro do porta-luvas, no Gol é no painel com melhor acesso. Os botões de controles também são mais precisos e completos no Gol. Aliás, no carro da Volkswagen o I-System está integrado ao sistema de som. Usando os mesmos botões, o moto rista pode interagir com o som, computador de bordo e realizar configurações no veículo (que são bem mais completas no Gol).
 
No Palio fica tudo espalhado.  O botão do computador de bordo fica no braço da alavanca de seta e o os ajustes do sistema My Car (configurações do veículo) ficam do lado esquerdo do painel, ao lado da coluna de direção. O sistema da Fiat é certamente mais confuso para os leigos.
 
Preços e mercado
 
Esse talvez seja o fator mais relevante para a maioria dos interessados nos dois modelos. O Palio Sporting parte de R$ 44,8 mil. Com todos os opcionais (menos Dualogic) o preço sobe para salgados R$ 54,5 mil. Acrescentando o Dualogic, o preço sobe mais R$ 2,7 mil. Já no Gol Rallye parte de R$ 52,4 mil. Opcionalmente, existe o câmbio robotizado I-Motion, acrescentando cerca de R$ 3 mil ao preço. O revestimento de couro nos bancos acrescenta R$ 700, e o pacote “tecnologia”  mais R$ 800.
 
Ainda que o Palio Sporting ofereça mais opções de equipamentos ao cliente, isso tem um preço “alto” na hora de revender o modelo. O problema é que no mercado de usados, os carros são sempre avaliados por uma tabela (a FIPE, por exemplo) que não leva em consideração os opcionais adicionados na hora da compra. Dessa forma, o cliente que pagar os R$ 10 mil à mais num Palio Sporting supercompleto, não terá isso valorizado na hora da revenda.
 
Já no Gol Rallye, a pouca oferta de equipamentos opcionais e a mínima variação de preço (entre o básico e o top), preserva o valor de investimento do cliente, na revenda. Afinal, onde muita coisa é opcional no Palio Sporting, elas são de série no Gol Rallye.
 
Conclusão!
 
Não existe um campeão absoluto nesse comparativo. O Palio supera o Gol em algumas coisas. Mas quando levamos em consideração todos os pontos, em especial dentro da proposta de “esportividade”, o Gol Rallye é certamente a melhor escolha para o cliente, como produto final ou proteção do investimento na hora da revenda. Então, ainda que a Volkswagen tenha perdido a liderança nas vendas para o Palio, nas versões topo de linha ainda é a Volkswagen que entrega o veículo mais moderno e evoluído, nessa comparação.

O veículo que você procura está aqui na Comprecar!