Revista Comprecar
Renault Sandero R.S. e Volkswagen Speed Up! TSI
Bem diferentes um do outro, descubra qual o modelo mais divertido para você
Renault Sandero R.S. e Volkswagen Speed Up! TSI
26 de Outubro de 2015

Dessa vez trazemos uma matéria muito diferente do que geralmente nosso leitor está acostumado. Nossos protagonistas são a sensação do momento, em suas respectivas marcas. Tanto o Renault Sandero R.S., como o Volkswagen Speed Up TSI são novidades que agitaram seus respectivos segmentos, na chegada ao mercado. Mas não vamos fazer um comparativo dos modelos. Afinal, estamos falando de dois veículos bem diferentes, ainda que o consumidor entenda que suas propostas são parecidas.
 
A primeira coisa que precisa ser entendida é que Volkswagen Up e Renault Sandero não estão na mesma categoria, independente da versão. O Volkswagen Up é um subcompacto, enquanto o Renault Sandero é um compacto. De cara, isso já coloca os dois carros em categorias completamente diferentes. Mas então, por que os dois modelos estão juntos nessa matéria!?
 
Quando a Volkswagen lançou a versão TSI (turbo) do Up, rapidamente o consumidor interpretou que se tratava de um compacto esportivo. Porém, isso não é verdade. Fato que VW Up TSI é um modelo incrivelmente eficiente. Seu excelente desempenho é inegável, tanto na economia de combustível, quanto nas marcas de aceleração e velocidade final. Ainda sim, qualquer que seja a versão TSI do Up (Move Up; High Up; Black, Red e White Up e Speed Up) os carros não tem qualquer mudança mecânica. Existe apenas uma diferença visual entre elas, além de poucos equipamentos.
 
Já o Renault Sandero R.S. é completamente diferente, quando comparado às outras versões do hatchback Sandero. A versão R.S. traz uma série de modificações mecânicas e estruturais para entregar um produto legitimamente esportivo ao cliente.
 
Então, fica bastante claro que o modelo da Volkswagen (ainda que fantasiado de Speed Up), não abre mão de sua proposta inicial de eficiência. Já o modelo da Renault, está totalmente direcionado para a esportividade de corpo e alma. Em comum entre os dois modelos, estão: o visual diferenciado e o fato deles “andarem” mais, que seus concorrentes diretos. Então, vamos começar a análise por ai.
 
O visual diferente
 
Speed Up TSI
 
Dando preferência aos menores, a versão Speed do Up TSI, tem como mudanças em relação às demais versões, o fato de só existir na cor branca. Além da tampa do porta-malas pintada em preto (característica que define todas as versões TSI do Up), traz ainda o teto pintado em preto, de fábrica. Na dianteira, a área central do para-choque também é pintada na cor preto ninja, com os aros dos faróis auxiliares em Chrome Effect. Nas laterais, traz os retrovisores e faixas pintadas na cor azul. Esse azul remete aos conceitos BlueMotion e Think Blue da Volkswagen. As rodas de liga leve de 15 polegadas, modelo Zurique II, são exclusivas da versão, em cor preta e diamantadas. A traseira traz para-choque com defletor pintado na cor preta; e a tampa do porta-malas é pintada na cor preto ninja, com a nomenclatura TSI. Por dentro, o interior tem tons escuros. O revestimento do teto e das colunas vem na cor preta. E os bancos são revestidos em couro sintético Native.
 
Sandero R.S.
 
Já a versão R.S. do Sandero traz mudanças bem mais expressivas em relação às suas versões regulares. O Sandero R.S. é oferecido nas cores Branco Niege, Prata Etoile, Preto Nacre e Vermelho Vivo. Mas, as que geralmente são vistas nas concessionárias são a branca e a preta.
 
Por fora, essa versão traz novos para-choques (dianteiros e traseiros), rodas 195/55 R16 escurecidas com acabamento ‘Black Aluminium’, saias laterais, spoiler traseiro, dupla saída do escapamento, espelhos retrovisores na cor preta brilhante e inscrições R.S. espalhadas pelo carro. Pela primeira vez, um Sandero traz luzes diurnas (DRL) em LED, únicos na gama. Essas substituíram o farol auxiliar de neblina. O interior segue a mesma proposta. Ele traz pedaleiras de alumínio e bancos dianteiros tipo concha. Com estrutura envolvente, os bancos com desenho específico proporcionam sustentação lateral própria para as corridas. Já os apoios de cabeça são gravados com a assinatura R.S. O revestimento tem um visual esportivo com tecido em dois tons de cinza, com pespontos na cor vermelha. O volante e a manopla de câmbio são exclusividades também. As cores do painel de instrumentos são específicos dessa versão R.S., as saídas de ar ganharam detalhes na cor vermelha e os puxadores das portas são na cor Dark Metal.
 
Os moto res potentes
 
Speed Up TSI
 
O moto r do Up TSI é uma obra de engenharia. Ele reúne tecnologias de ponta como: injeção direta de combustível, turbocompressor, duplo comando variável, conceito de downsizing, peças forjadas, triplo sistema de arrefecimento, sistema de partida com etanol sem tanque auxiliar, válvula “wastegate” de alívio do turbo variável com comando elétrico. Além de tudo isso, o moto r conta ainda com um inédito sensor de etanol, antes dos bicos injetores. Com ele, a injeção consegue ler o tipo de combustível, antes dele ser queimado no moto r, e passar pela sonda lambda no escapamento. Este sensor é fundamental para prevenir a ocorrência de picos de pressão, e auxilio no momento da partida a frio.
 
Com três cilindros e 999 cm³ de cilindrada, o novo moto r TSI Total Flex é 90% novo quando comparado ao 1.0 litro aspirado MPI. Sua potência máxima é de 101 cv a 5.000 RPM, quando abastecido com gasolina, e de 105 cv à mesma rotação, com etanol. O torque máximo é sempre de 16,8 kgfm, com gasolina ou etanol, disponível já a partir de apenas 1.500 RPM e constante até 4.000 RPM.
 
Em todas as versões do Up TSI, está presente uma transmissão manual de cinco marchas com diferencial alongado em 26%, em relação ao Up aspirado MPI. Assim, no Up TSI as relações de transmissão manual são as mesmas do modelo com o moto r MPI. Mas o diferencial foi alongado para 3,625:1. Isso faz com que o moto r trabalhe em rotações mais baixas quando o carro trafega em estradas. Em 5ª marcha e a 100 km/h, o moto r está girando a aproximadamente 2.300 RPM. O câmbio é tão longo que em terceira marcha, é possível chegar perto de 160 km/h, antes de atingir o limite de giro do moto r.
 
Sandero R.S.
 
O Sandero R.S. usa uma receita mais convencional. Ele vem equipado com moto r 2.0 litros flex aspirado. Batizado de F4R, esse é o mesmo moto r utilizado no utilitário-esportivo Duster. Ele entrega até 150 cv de potência máxima. São 145 cv na gasolina @ 5.750 rpm  e 150 cv no etanol @ 5.750 rpm. O torque máximo é de 20,2 kgfm na gasolina @ 4.000 rpm e 20,9 kgfm no etanol @ 4.000 rpm.
 
Junto com esse moto r, está um câmbio manual de seis marchas com relações escolhidas para maior esportividade. Ou seja, a escolha foi por relações mais curtas. Assim, em sexta marcha o moto r esta girando à quase 3.500 RPM numa velocidade de 120 km/h. Realmente a sensação é de um câmbio muito curto. Dá pra sair da imobilidade, em segunda marcha, sem muito problema. Lembrando que tudo isso, foi pensado para dar uma pegada realmente esportiva ao carro.
 
Desempenho
 
O Speed Up TSI (assim como todas as outras versões TSI do Up) leva apenas 9,1 segundos de 0 a 100 km/h, e atinge máxima de 184 km/h (segundo a Volkswagen), com etanol. Com gasolina, ele acelera de 0 a 100 km/h em 9,3 segundos e chega a máxima de 182 km/h. Mas em nossos testes, conseguimos velocidades máximas superiores à 195 km/h, com etanol! O Up pesa apenas 1.000 kg, proporcionando uma relação peso-potência de 9,52 kg/cv.
 
O Sandero R.S. chega à velocidade máxima de 202 km/h (segundo a Renault), e acelera de 0 a 100 km/h em apenas 8 segundos! Fato que o Sandero R.S. 2.0 se destaca por sua capacidade de proporcionar sensações esportivas desde o primeiro toque no acelerador. Cabe destacar que carro pesa apenas 1.161 kg (proporcionando uma excelente relação peso-potência de 7,74 kg/cv.). Assim, ele é o único hatchback compacto com moto r 2.0 litros.
 
As enormes diferenças entre os dois
 
Até aqui, os carros podem parecer relativamente parecidos, quando olhamos para a questão do desempenho. E é essa a associação que o consumidor comum faz. Porém, eles são incrivelmente diferentes no dia a dia, o que vamos explorar daqui para frente.
 
A eficiência incomparável do Up TSI
 
Com o moto r TSI, o Up melhora ainda mais sua performance, que já era boa. Ele obteve a marca de consumo energético de 1,44 MJ/km (conforme a Portaria INMETRO nº 10/2012), com classificação “A” no Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular do INMETRO. Assim, além de ser um dos modelos mais seguros do Brasil, o Up se reafirma também como o mais econômico entre todos os modelos equipados com moto r flex, mesmo quando comparado a subcompactos sem ar-condicionado e direção hidráulica.
 
Segundo a norma NBR 7024, o Up TSI faz 13,8 km/l na cidade e 16,1 km/l na estrada, quando abastecido com gasolina (E22). Com etanol (E100) no tanque, o Up TSI é capaz de percorrer 9,6 km/l na cidade e 11,1 km/l na estrada. Mas, em velocidade constante na estrada, é possível chegar até a 20 km/l, com gasolina. E com um tanque de combustível de 50 litros, tem-se a autonomia de mais de 800 quilômetros.
 
Além disso, o Speed Up TSI é um carro muito gostoso para se usar no dia a dia. Sua direção com assistência elétrica deixa o carro leve em todo tipo de manobra. A suspensão é macia e agradável. Como o Up tem bico e traseira extremamente curtos, é praticamente impossível bater ou raspar a parte de baixo do carro em lombadas e valetas. O câmbio longo deixa o carro ainda mais gostoso na estrada. As marchas sobram, e é comum o moto rista se esquecer de engatar a quinta marcha na estrada.
 
A esportividade do Sandero R.S.
 
Já no Sandero R.S. a preocupação não é com a eficiência. O carro ainda não tem etiqueta no INMETRO. Em nossos testes com etanol, a melhor média que obtivemos na estrada foi de 11 km/l. Na cidade, o consumo cai para cerca de 7 km/l.
 
O Sandero R.S é um carro que transpira esportividade em todos os sentidos. Pra começar, ele tem um banco envolvente, e uma direção com assistência eletro-hidráulica que a deixa mais pesada, intencionalmente. Além disso, a suspensão é retrabalhada e mais dura. Com distância do solo 26 mm menor que o Sandero Dynamique, o R.S. traz barras estabilizadoras frontais 17% mais rígidas e um eixo traseiro 65% mais rígido em comparação com o Sandero Dynamique. As novas molas são mais firmes (aumento de 92% na frente e 10% atrás), combinadas a amortecedores hidráulicos exclusivos. Tudo para deixar o carro mais na mão, em curvas fortes e condução esportiva. Ele é firme e no chão como a maioria dos homens quer.
 
O sistema de escape tem cano de escapamento de diâmetro 0,5 cm mais largo, um novo silencioso traseiro, além de saída dupla do escapamento. Isso garante um som envolvente e verdadeiramente esportivo.
 
De forma complementar, o sistema de frenagem apresenta um freio de curso curto. Este é o primeiro modelo da família Sandero a ser equipado com freios a disco nas quatro rodas, medindo 280 mm na frente (22 mm adicionais em comparação com o Sandero Dynamique) e 240 mm na traseira. A assistência é calibrada para uso intenso, tendo sido dada atenção especial à estabilidade e distribuição da frenagem, assim como à durabilidade e à resistência ao calor. Além do freio, o pedal de embreagem é mais rápido e sensível. Pessoas não acostumadas, podem fazer o moto r “morrer”, ao tentar sair com o carro.
 
A parte mais divertida é que usuário pode escolher no Sandero R.S., três modos de condução através do botão “R.S. drive”: Standard, Sport e Sport+, neste último o ESP e o controle de tração são completamente desligados. O condutor seleciona o modo de condução com o simples apertar do botão R.S., localizado no console central:
 
Modo Standard: não precisa ser ativado. O ESP fica ligado e o indicador de trocas de marchas está programado visando menor consumo.
 
Modo Sport: pedal com respostas mais rápidas, ronco do moto r mais esportivo, desaceleração mais lenta, marcha-lenta aumentada para 950 rpm e alerta sonoro da troca de marcha, permitindo uma condução esportiva. É acionado ao pressionar o botão R.S.
 
Modo Sport+: todos os recursos listados acima, além do desligamento do ESP/ASR, permitindo uma condução esportiva, aproveitando plenamente todo o potencial do carro. É acionado através de uma longa pressão no botão R.S.
 
O “porém” de cada um
 
O Speed Up TSI parece ser um carro muito mais urbano que rodoviário. Isso não significa que o carro faz feio na estrada. Pelo contrário, ele parece um carro 1.6 na estrada. Mas quando o moto rista tenta abusar do desempenho do moto r, ele descobre o Up TSI não é um esportivo. O Up não tem ESP, mais inclui o MSR (Motorschleppmomentregelung ou Controle do Efeito Freio Motor) e o GMA (Giermomentaufbauverzögerung ou Controle do Momento de Giro), O primeiro evita o escorregamento das rodas em pisos de baixo atrito, devido ao efeito do freio- moto r. Esse sistema atua quando o moto rista libera rapidamente o pedal do acelerador e nas reduções de marcha, aumentando o torque através do controle do acelerador eletrônico. O segundo diminui a possibilidade de giro do veículo, em piso com diferentes níveis de atrito. O sistema também proporciona diferentes forças de frenagem no momento da desaceleração até que a rotação das rodas seja equalizada. Na prática, isso tudo compõe o controle de tração do carro.
 
A questão é que esses sistemas são muito sensíveis. E para garantir o controle total do Up TSI, ele esta sempre atuando. Então, qualquer abuso do moto rista é rapidamente limitado, cortando o acelerador. Saltar uma lombada, já faz luz do controle de tração piscar, limitando o acelerador. Além disso, a suspensão macia e os pneus normais, não ajudam nas curvas mais abusadas. Também falta a regulagem de altura manual dos cintos de segurança e de profundidade do volante. Além disso, não existem vidros com acionamento elétrico, nas portas traseiras, em nenhuma versão do Up.
 
Já o Sandero R.S. é o carro que transpira esportividade. É justamente por isso, cobra o seu preço no dia a dia. Como o carro é mais baixo, é preciso cuidado em lombadas e valetas. A suspensão também é mais dura, limitando bastante o conforto em ruas esburacadas. O ronco do escapamento é constante, fato que pode incomodar em viagens mais longas. Faz falta o ajuste de profundidade do volante.
 
O que mais encanta em cada um
 
Além da dirigibilidade muito gostosa, e da economia de combustível, o Speed Up TSI é de longe o mais bonito da família Up. Ele tem identidade própria e se distingue da paisagem comum. Também é incrivelmente prático no dia a dia. Destaque para o sistema SAVE que divide o porta-malas em duas partes, permitindo acomodar objetos menores e mais frágeis na parte de baixo.
 
Qualquer que seja a versão TSI do Up, o cliente vai ter a certeza de estar dirigindo um carro comparável aos melhores hatckback 1,6 litro do mercado brasileiro. Fazer ultrapassagens e subir serras, são tarefas simples para o Up TSI, mesmo com o carro carregado.
 
Já o Sandero R.S. é o carro ideal para quem gosta de esportivo de verdade. O carro vem pronto de fábrica. O cliente não precisa trocar roda (por uma mais bonita), não precisa rebaixar ou mudar o escapamento. O carro vem com tudo isso pronto, muito bem equilibrado e com garantia total de fábrica. Além disso, o Sandero é um dos maiores hatchback de sua categoria. Assim, existe bom espaço para as pernas nos banco traseiro e um dos maiores porta-malas da categoria, com generosos 320 litros. Com isso, o carro consegue atender uma pequena família, no que diz respeito ao espaço.
 
Conclusão
 
Ainda que o mercado veja os carros como concorrentes, fica bem claro que são dois carros completamente diferentes. Fato que ambos os carros tem um excelente desempenho quando comparado aos seus concorrentes diretos. Aliás, cada um deles hoje, são as respectivas referências a serem superadas em suas categorias.
 
O Speed Up TSI é a escolha de quem procura um carro prático para uso urbano, indicado no máximo quatro pessoas. E claro, que nunca vai passar vergonha na estrada, mesmo frente a outros sedans com moto r 1,8 ou 2,0 litros.
 
Já o Sandero R.S. é a escolha para aquele cliente que adora dirigir e não abre mão de esportividade. É quase um sonho de adolescente possível para uma grande maioria de pessoas. Ideal para aquela viagem de final de semana, em uma estrada mais sinuosa e desafiadora.
 
Preços
 
O Speed Up TSI corresponde ao topo de linha da família do Up. A lista de itens de série dessa versão é baseada na do Black/White/Red TSI, com as exclusivas rodas zurique II, de 15 polegadas. Estão incluídos bancos revestidos de couro sintético “native”. As alavancas de câmbio, freio de estacionamento e o volante também são revestidos desse material. O modelo é oferecido unicamente na cor branca, com os retrovisores laterais pintados na cor azul. O valor é de R$ 49.990. Esse valor é sem o “maps & more”, que é sempre um opcional em todas as versões.
 
O Sandero R.S. tem preço sugerido a partir de R$ 58.880. Com rodas de 17 polegadas, o único opcional, o modelo custa R$ 59.880. A gama de cores inclui: Branco Niege, Prata Etoile, Preto Nacre e Vermelho Vivo. O Grupo Renault Valec já tem o modelo a pronta entrega. Entre as opções disponíveis no estoque está um Sandero R.S. branco já com a roda 17 polegadas por R$ 59.880,00. Outra opção é um preto Nacre (metálico) também com roda 17 polegadas por R$ 61.240,00. Para conhecer uma oferta do Sandero R.S., acesse: www.ofertasvalec.com.br

Notícias < Voltar
Renault Sandero R.S. e Volkswagen Speed Up! TSI
 

Renault Sandero R.S. e Volkswagen Speed Up! TSI

Publicado por Redação Comprecar – Especialista em carros usados e motos usadas

Bem diferentes um do outro, descubra qual o modelo mais divertido para você

26 de Outubro de 2015

Dessa vez trazemos uma matéria muito diferente do que geralmente nosso leitor está acostumado. Nossos protagonistas são a sensação do momento, em suas respectivas marcas. Tanto o Renault Sandero R.S., como o Volkswagen Speed Up TSI são novidades que agitaram seus respectivos segmentos, na chegada ao mercado. Mas não vamos fazer um comparativo dos modelos. Afinal, estamos falando de dois veículos bem diferentes, ainda que o consumidor entenda que suas propostas são parecidas.
 
A primeira coisa que precisa ser entendida é que Volkswagen Up e Renault Sandero não estão na mesma categoria, independente da versão. O Volkswagen Up é um subcompacto, enquanto o Renault Sandero é um compacto. De cara, isso já coloca os dois carros em categorias completamente diferentes. Mas então, por que os dois modelos estão juntos nessa matéria!?
 
Quando a Volkswagen lançou a versão TSI (turbo) do Up, rapidamente o consumidor interpretou que se tratava de um compacto esportivo. Porém, isso não é verdade. Fato que VW Up TSI é um modelo incrivelmente eficiente. Seu excelente desempenho é inegável, tanto na economia de combustível, quanto nas marcas de aceleração e velocidade final. Ainda sim, qualquer que seja a versão TSI do Up (Move Up; High Up; Black, Red e White Up e Speed Up) os carros não tem qualquer mudança mecânica. Existe apenas uma diferença visual entre elas, além de poucos equipamentos.
 
Já o Renault Sandero R.S. é completamente diferente, quando comparado às outras versões do hatchback Sandero. A versão R.S. traz uma série de modificações mecânicas e estruturais para entregar um produto legitimamente esportivo ao cliente.
 
Então, fica bastante claro que o modelo da Volkswagen (ainda que fantasiado de Speed Up), não abre mão de sua proposta inicial de eficiência. Já o modelo da Renault, está totalmente direcionado para a esportividade de corpo e alma. Em comum entre os dois modelos, estão: o visual diferenciado e o fato deles “andarem” mais, que seus concorrentes diretos. Então, vamos começar a análise por ai.
 
O visual diferente
 
Speed Up TSI
 
Dando preferência aos menores, a versão Speed do Up TSI, tem como mudanças em relação às demais versões, o fato de só existir na cor branca. Além da tampa do porta-malas pintada em preto (característica que define todas as versões TSI do Up), traz ainda o teto pintado em preto, de fábrica. Na dianteira, a área central do para-choque também é pintada na cor preto ninja, com os aros dos faróis auxiliares em Chrome Effect. Nas laterais, traz os retrovisores e faixas pintadas na cor azul. Esse azul remete aos conceitos BlueMotion e Think Blue da Volkswagen. As rodas de liga leve de 15 polegadas, modelo Zurique II, são exclusivas da versão, em cor preta e diamantadas. A traseira traz para-choque com defletor pintado na cor preta; e a tampa do porta-malas é pintada na cor preto ninja, com a nomenclatura TSI. Por dentro, o interior tem tons escuros. O revestimento do teto e das colunas vem na cor preta. E os bancos são revestidos em couro sintético Native.
 
Sandero R.S.
 
Já a versão R.S. do Sandero traz mudanças bem mais expressivas em relação às suas versões regulares. O Sandero R.S. é oferecido nas cores Branco Niege, Prata Etoile, Preto Nacre e Vermelho Vivo. Mas, as que geralmente são vistas nas concessionárias são a branca e a preta.
 
Por fora, essa versão traz novos para-choques (dianteiros e traseiros), rodas 195/55 R16 escurecidas com acabamento ‘Black Aluminium’, saias laterais, spoiler traseiro, dupla saída do escapamento, espelhos retrovisores na cor preta brilhante e inscrições R.S. espalhadas pelo carro. Pela primeira vez, um Sandero traz luzes diurnas (DRL) em LED, únicos na gama. Essas substituíram o farol auxiliar de neblina. O interior segue a mesma proposta. Ele traz pedaleiras de alumínio e bancos dianteiros tipo concha. Com estrutura envolvente, os bancos com desenho específico proporcionam sustentação lateral própria para as corridas. Já os apoios de cabeça são gravados com a assinatura R.S. O revestimento tem um visual esportivo com tecido em dois tons de cinza, com pespontos na cor vermelha. O volante e a manopla de câmbio são exclusividades também. As cores do painel de instrumentos são específicos dessa versão R.S., as saídas de ar ganharam detalhes na cor vermelha e os puxadores das portas são na cor Dark Metal.
 
Os moto res potentes
 
Speed Up TSI
 
O moto r do Up TSI é uma obra de engenharia. Ele reúne tecnologias de ponta como: injeção direta de combustível, turbocompressor, duplo comando variável, conceito de downsizing, peças forjadas, triplo sistema de arrefecimento, sistema de partida com etanol sem tanque auxiliar, válvula “wastegate” de alívio do turbo variável com comando elétrico. Além de tudo isso, o moto r conta ainda com um inédito sensor de etanol, antes dos bicos injetores. Com ele, a injeção consegue ler o tipo de combustível, antes dele ser queimado no moto r, e passar pela sonda lambda no escapamento. Este sensor é fundamental para prevenir a ocorrência de picos de pressão, e auxilio no momento da partida a frio.
 
Com três cilindros e 999 cm³ de cilindrada, o novo moto r TSI Total Flex é 90% novo quando comparado ao 1.0 litro aspirado MPI. Sua potência máxima é de 101 cv a 5.000 RPM, quando abastecido com gasolina, e de 105 cv à mesma rotação, com etanol. O torque máximo é sempre de 16,8 kgfm, com gasolina ou etanol, disponível já a partir de apenas 1.500 RPM e constante até 4.000 RPM.
 
Em todas as versões do Up TSI, está presente uma transmissão manual de cinco marchas com diferencial alongado em 26%, em relação ao Up aspirado MPI. Assim, no Up TSI as relações de transmissão manual são as mesmas do modelo com o moto r MPI. Mas o diferencial foi alongado para 3,625:1. Isso faz com que o moto r trabalhe em rotações mais baixas quando o carro trafega em estradas. Em 5ª marcha e a 100 km/h, o moto r está girando a aproximadamente 2.300 RPM. O câmbio é tão longo que em terceira marcha, é possível chegar perto de 160 km/h, antes de atingir o limite de giro do moto r.
 
Sandero R.S.
 
O Sandero R.S. usa uma receita mais convencional. Ele vem equipado com moto r 2.0 litros flex aspirado. Batizado de F4R, esse é o mesmo moto r utilizado no utilitário-esportivo Duster. Ele entrega até 150 cv de potência máxima. São 145 cv na gasolina @ 5.750 rpm  e 150 cv no etanol @ 5.750 rpm. O torque máximo é de 20,2 kgfm na gasolina @ 4.000 rpm e 20,9 kgfm no etanol @ 4.000 rpm.
 
Junto com esse moto r, está um câmbio manual de seis marchas com relações escolhidas para maior esportividade. Ou seja, a escolha foi por relações mais curtas. Assim, em sexta marcha o moto r esta girando à quase 3.500 RPM numa velocidade de 120 km/h. Realmente a sensação é de um câmbio muito curto. Dá pra sair da imobilidade, em segunda marcha, sem muito problema. Lembrando que tudo isso, foi pensado para dar uma pegada realmente esportiva ao carro.
 
Desempenho
 
O Speed Up TSI (assim como todas as outras versões TSI do Up) leva apenas 9,1 segundos de 0 a 100 km/h, e atinge máxima de 184 km/h (segundo a Volkswagen), com etanol. Com gasolina, ele acelera de 0 a 100 km/h em 9,3 segundos e chega a máxima de 182 km/h. Mas em nossos testes, conseguimos velocidades máximas superiores à 195 km/h, com etanol! O Up pesa apenas 1.000 kg, proporcionando uma relação peso-potência de 9,52 kg/cv.
 
O Sandero R.S. chega à velocidade máxima de 202 km/h (segundo a Renault), e acelera de 0 a 100 km/h em apenas 8 segundos! Fato que o Sandero R.S. 2.0 se destaca por sua capacidade de proporcionar sensações esportivas desde o primeiro toque no acelerador. Cabe destacar que carro pesa apenas 1.161 kg (proporcionando uma excelente relação peso-potência de 7,74 kg/cv.). Assim, ele é o único hatchback compacto com moto r 2.0 litros.
 
As enormes diferenças entre os dois
 
Até aqui, os carros podem parecer relativamente parecidos, quando olhamos para a questão do desempenho. E é essa a associação que o consumidor comum faz. Porém, eles são incrivelmente diferentes no dia a dia, o que vamos explorar daqui para frente.
 
A eficiência incomparável do Up TSI
 
Com o moto r TSI, o Up melhora ainda mais sua performance, que já era boa. Ele obteve a marca de consumo energético de 1,44 MJ/km (conforme a Portaria INMETRO nº 10/2012), com classificação “A” no Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular do INMETRO. Assim, além de ser um dos modelos mais seguros do Brasil, o Up se reafirma também como o mais econômico entre todos os modelos equipados com moto r flex, mesmo quando comparado a subcompactos sem ar-condicionado e direção hidráulica.
 
Segundo a norma NBR 7024, o Up TSI faz 13,8 km/l na cidade e 16,1 km/l na estrada, quando abastecido com gasolina (E22). Com etanol (E100) no tanque, o Up TSI é capaz de percorrer 9,6 km/l na cidade e 11,1 km/l na estrada. Mas, em velocidade constante na estrada, é possível chegar até a 20 km/l, com gasolina. E com um tanque de combustível de 50 litros, tem-se a autonomia de mais de 800 quilômetros.
 
Além disso, o Speed Up TSI é um carro muito gostoso para se usar no dia a dia. Sua direção com assistência elétrica deixa o carro leve em todo tipo de manobra. A suspensão é macia e agradável. Como o Up tem bico e traseira extremamente curtos, é praticamente impossível bater ou raspar a parte de baixo do carro em lombadas e valetas. O câmbio longo deixa o carro ainda mais gostoso na estrada. As marchas sobram, e é comum o moto rista se esquecer de engatar a quinta marcha na estrada.
 
A esportividade do Sandero R.S.
 
Já no Sandero R.S. a preocupação não é com a eficiência. O carro ainda não tem etiqueta no INMETRO. Em nossos testes com etanol, a melhor média que obtivemos na estrada foi de 11 km/l. Na cidade, o consumo cai para cerca de 7 km/l.
 
O Sandero R.S é um carro que transpira esportividade em todos os sentidos. Pra começar, ele tem um banco envolvente, e uma direção com assistência eletro-hidráulica que a deixa mais pesada, intencionalmente. Além disso, a suspensão é retrabalhada e mais dura. Com distância do solo 26 mm menor que o Sandero Dynamique, o R.S. traz barras estabilizadoras frontais 17% mais rígidas e um eixo traseiro 65% mais rígido em comparação com o Sandero Dynamique. As novas molas são mais firmes (aumento de 92% na frente e 10% atrás), combinadas a amortecedores hidráulicos exclusivos. Tudo para deixar o carro mais na mão, em curvas fortes e condução esportiva. Ele é firme e no chão como a maioria dos homens quer.
 
O sistema de escape tem cano de escapamento de diâmetro 0,5 cm mais largo, um novo silencioso traseiro, além de saída dupla do escapamento. Isso garante um som envolvente e verdadeiramente esportivo.
 
De forma complementar, o sistema de frenagem apresenta um freio de curso curto. Este é o primeiro modelo da família Sandero a ser equipado com freios a disco nas quatro rodas, medindo 280 mm na frente (22 mm adicionais em comparação com o Sandero Dynamique) e 240 mm na traseira. A assistência é calibrada para uso intenso, tendo sido dada atenção especial à estabilidade e distribuição da frenagem, assim como à durabilidade e à resistência ao calor. Além do freio, o pedal de embreagem é mais rápido e sensível. Pessoas não acostumadas, podem fazer o moto r “morrer”, ao tentar sair com o carro.
 
A parte mais divertida é que usuário pode escolher no Sandero R.S., três modos de condução através do botão “R.S. drive”: Standard, Sport e Sport+, neste último o ESP e o controle de tração são completamente desligados. O condutor seleciona o modo de condução com o simples apertar do botão R.S., localizado no console central:
 
Modo Standard: não precisa ser ativado. O ESP fica ligado e o indicador de trocas de marchas está programado visando menor consumo.
 
Modo Sport: pedal com respostas mais rápidas, ronco do moto r mais esportivo, desaceleração mais lenta, marcha-lenta aumentada para 950 rpm e alerta sonoro da troca de marcha, permitindo uma condução esportiva. É acionado ao pressionar o botão R.S.
 
Modo Sport+: todos os recursos listados acima, além do desligamento do ESP/ASR, permitindo uma condução esportiva, aproveitando plenamente todo o potencial do carro. É acionado através de uma longa pressão no botão R.S.
 
O “porém” de cada um
 
O Speed Up TSI parece ser um carro muito mais urbano que rodoviário. Isso não significa que o carro faz feio na estrada. Pelo contrário, ele parece um carro 1.6 na estrada. Mas quando o moto rista tenta abusar do desempenho do moto r, ele descobre o Up TSI não é um esportivo. O Up não tem ESP, mais inclui o MSR (Motorschleppmomentregelung ou Controle do Efeito Freio Motor) e o GMA (Giermomentaufbauverzögerung ou Controle do Momento de Giro), O primeiro evita o escorregamento das rodas em pisos de baixo atrito, devido ao efeito do freio- moto r. Esse sistema atua quando o moto rista libera rapidamente o pedal do acelerador e nas reduções de marcha, aumentando o torque através do controle do acelerador eletrônico. O segundo diminui a possibilidade de giro do veículo, em piso com diferentes níveis de atrito. O sistema também proporciona diferentes forças de frenagem no momento da desaceleração até que a rotação das rodas seja equalizada. Na prática, isso tudo compõe o controle de tração do carro.
 
A questão é que esses sistemas são muito sensíveis. E para garantir o controle total do Up TSI, ele esta sempre atuando. Então, qualquer abuso do moto rista é rapidamente limitado, cortando o acelerador. Saltar uma lombada, já faz luz do controle de tração piscar, limitando o acelerador. Além disso, a suspensão macia e os pneus normais, não ajudam nas curvas mais abusadas. Também falta a regulagem de altura manual dos cintos de segurança e de profundidade do volante. Além disso, não existem vidros com acionamento elétrico, nas portas traseiras, em nenhuma versão do Up.
 
Já o Sandero R.S. é o carro que transpira esportividade. É justamente por isso, cobra o seu preço no dia a dia. Como o carro é mais baixo, é preciso cuidado em lombadas e valetas. A suspensão também é mais dura, limitando bastante o conforto em ruas esburacadas. O ronco do escapamento é constante, fato que pode incomodar em viagens mais longas. Faz falta o ajuste de profundidade do volante.
 
O que mais encanta em cada um
 
Além da dirigibilidade muito gostosa, e da economia de combustível, o Speed Up TSI é de longe o mais bonito da família Up. Ele tem identidade própria e se distingue da paisagem comum. Também é incrivelmente prático no dia a dia. Destaque para o sistema SAVE que divide o porta-malas em duas partes, permitindo acomodar objetos menores e mais frágeis na parte de baixo.
 
Qualquer que seja a versão TSI do Up, o cliente vai ter a certeza de estar dirigindo um carro comparável aos melhores hatckback 1,6 litro do mercado brasileiro. Fazer ultrapassagens e subir serras, são tarefas simples para o Up TSI, mesmo com o carro carregado.
 
Já o Sandero R.S. é o carro ideal para quem gosta de esportivo de verdade. O carro vem pronto de fábrica. O cliente não precisa trocar roda (por uma mais bonita), não precisa rebaixar ou mudar o escapamento. O carro vem com tudo isso pronto, muito bem equilibrado e com garantia total de fábrica. Além disso, o Sandero é um dos maiores hatchback de sua categoria. Assim, existe bom espaço para as pernas nos banco traseiro e um dos maiores porta-malas da categoria, com generosos 320 litros. Com isso, o carro consegue atender uma pequena família, no que diz respeito ao espaço.
 
Conclusão
 
Ainda que o mercado veja os carros como concorrentes, fica bem claro que são dois carros completamente diferentes. Fato que ambos os carros tem um excelente desempenho quando comparado aos seus concorrentes diretos. Aliás, cada um deles hoje, são as respectivas referências a serem superadas em suas categorias.
 
O Speed Up TSI é a escolha de quem procura um carro prático para uso urbano, indicado no máximo quatro pessoas. E claro, que nunca vai passar vergonha na estrada, mesmo frente a outros sedans com moto r 1,8 ou 2,0 litros.
 
Já o Sandero R.S. é a escolha para aquele cliente que adora dirigir e não abre mão de esportividade. É quase um sonho de adolescente possível para uma grande maioria de pessoas. Ideal para aquela viagem de final de semana, em uma estrada mais sinuosa e desafiadora.
 
Preços
 
O Speed Up TSI corresponde ao topo de linha da família do Up. A lista de itens de série dessa versão é baseada na do Black/White/Red TSI, com as exclusivas rodas zurique II, de 15 polegadas. Estão incluídos bancos revestidos de couro sintético “native”. As alavancas de câmbio, freio de estacionamento e o volante também são revestidos desse material. O modelo é oferecido unicamente na cor branca, com os retrovisores laterais pintados na cor azul. O valor é de R$ 49.990. Esse valor é sem o “maps & more”, que é sempre um opcional em todas as versões.
 
O Sandero R.S. tem preço sugerido a partir de R$ 58.880. Com rodas de 17 polegadas, o único opcional, o modelo custa R$ 59.880. A gama de cores inclui: Branco Niege, Prata Etoile, Preto Nacre e Vermelho Vivo. O Grupo Renault Valec já tem o modelo a pronta entrega. Entre as opções disponíveis no estoque está um Sandero R.S. branco já com a roda 17 polegadas por R$ 59.880,00. Outra opção é um preto Nacre (metálico) também com roda 17 polegadas por R$ 61.240,00. Para conhecer uma oferta do Sandero R.S., acesse: www.ofertasvalec.com.br

O veículo que você procura está aqui na Comprecar!