Revista Comprecar
Avaliação: Golf TSi Comfortline
Versão Comfortline entrega melhor custo-benefício, sem deixar de ser eficiente
Avaliação: Golf TSi Comfortline
13 de Fevereiro de 2015

Por Jorge Augusto
Fotos: Marcelo Alexandre
 
Que o Golf é hoje o melhor hatchback do mercado brasileiro, ninguém dúvida. Com um conjunto extremamente eficiente, tecnologia de ponta e dirigibilidade impar, o hatch da Volkswagen supera seus concorrentes com folga. Mas isso tem um preço, e ele é alto! O carro da Volkswagen não é barato. Quando a sétima geração chegou ao mercado brasileiro, ela estava disponível somente na versão Highline (a topo de linha e mais cara). Para tornar o carro mais acessível, pouco tempo depois, a Volkswagen começou a vender a versão Comfortline, que tem um preço mais acessível. Foco dessa matéria, trazemos a matéria de avaliação dessa versão.
 
Agora na sétima geração (também conhecido por MK7), o Golf esta totalmente alinhado com o modelo europeu. Assim, o projeto estrutural do novo Golf evoluiu consideravelmente. Utilizando um novo sistema de plataformas batizado de MQB, a Volkswagen trouxe para o Golf soluções de engenharia de carros de categoria superior, encontradas no grupo mundial da marca. O carro também cresceu. Comparada ao Golf de sexta geração, a distância entre-eixos aumentou 5,3 cm, chegando à para 2,63 m. O comprimento do carro também aumentou 5,5 cm, chegando à 4,26 m. E a largura aumentou 1,3 cm (para 1,79 m).
 
Essas mudanças são perceptíveis no espaço interno. Os passageiros de trás têm agora 1,5 cm mais de espaço para as pernas. O espaço para os ombros está 3,1 cm maior. O banco traseiro é bipartido e rebatível na proporção 60:40. Quando ele é dobrado, aparece uma superfície de carga quase nivelada com 1,55 m de comprimento para cargas. Em posição normal, o porta-malas oferece 313 litros.
 
Interior com ótimo acabamento
 
É justamente no acabamento do interior que a versão Comfortline se diferencia da Highline. Pra começar, o acabamento do painel imita aço escovado (na Highline é em preto Black Pinao). Outra diferença é que no Comfortline, o ar-condicionado é manual de simples zona (no Highline ele é digital com duas zonas “Climatronic”). Os bancos são forrados em tecido (couro no top); o volante multifuncional é opcional (série no top) e os seguintes itens são opcionais: Sensores de chuva e crepuscular com função "Coming & Leaving Home" e o controle automático de velocidade com limitador de velocidade "Speed Limiter". De resto, a versão Confortline é bastante parecida com a Highline.
 
De série, o carro é bastante completo. Ele traz encosto traseiro assimétrico rebatível, coluna de direção com regulagens de altura e de distância, regulagem de altura no banco do moto rista, travamento central com controle re moto , ajuste de altura e sistema de pré-tensionamento dos cintos de segurança dianteiros e gavetas sob os bancos dianteiros.
 
Uma marca registrada dos carros da linha “Import” da Volkswagen é justamente o elevado padrão do acabamento interno. Além de silencioso, a estrutura incorpora matérias de alta qualidade, com montagem precisa, além de visual moderno.
 
Motor e câmbio
 
Tirando a versão GTI, todos as demais versões do Golf trazem o mesmo conjunto de moto r e câmbio. Assim o Golf vem equipado com um eficientíssimo moto r 1,4 litro, que a Volkswagen batiza de TSI. Entre as características principais está o turbo, sistema de injeção direta e configuração de quatro válvulas por cilindro. A potência máxima desse moto r é de 140 cavalos. Detalhe muito interessante, que pela primeira vez na história (no Brasil), o primo “pobre”, está melhor que o primo “rico”. O novo Golf é montado na mesma plataforma do novo Audi A3. Assim, eles compartilham diversos componentes, inclusive o moto r. Mas o fato realmente curioso, é que no Audi A3 o moto r 1,4 litro entrega apenas 122 cavalos! Assim, o novo Golf oferece melhor desempenho que seu primo rico.
 
Outro diferencial desse moto r é o sistema de injeção duplo. O carro tem 8 bicos no total, sendo 4 de injeção direta, e 4 de injeção indireta. De forma geral, funciona assim: Em situações de baixa rotação, e velocidade constante, são usados os bicos de injeção indireta. Quando existe real solicitação de potência, com aumento rápido do giro do moto r, o sistema troca para os bicos de injeção direta, pulverizando o combustível diretamente no interior do cilindro. A vantagem disso é reduzir as emissões de partículas numa ampla gama de utilizações, reduzindo também o consumo de combustível. Assim como acontece na Touareg, o moto r do Golf traz um eficiente método de resfriamento do moto r, totalmente eletrônico. Dessa forma, o moto r pode aquecer mais rápido quando está frio, reduzindo as emissões e economizando combustível.
 
A potência máxima de 140 cavalos está disponível entre 4.500 a 6.000 rpm. Além disso, o torque máximo de 25,5 kgfm, já é atingido a partir de 1.500 rpm (pouco mais que a marcha lenta) se mantendo constante até 3.500 rpm.
 
Câmbio DSG
 
Outro detalhe que salta aos olhos é o eficiente câmbio robotizado de dupla embreagem que a Volkswagen batiza de DSG. Com sete marchas e dupla embreagem, ele é muito mais eficiente que qualquer outro câmbio automático de mesma categoria. O câmbio DSG tem performance muito superior a qualquer câmbio manual, na velocidade de troca de marchas, e é tão econômico quanto o manual no consumo de combustível. Também entrega praticamente o mesmo conforto de um câmbio automático.
 
Desempenho
 
Com câmbio o câmbio DSG de sete marchas, o Golf Comfortline acelera de 0 a 100 km/h em 8,4 segundos, e alcança 212 km/h de velocidade máxima. Fato muito curioso, que esses números são exatamente iguais (segundo a Volkswagen) mesmo quando o Golf vem equipado com o câmbio manual de seis marchas.
 
O novo Golf ainda adiciona o Start-Stop, que desliga o moto r em paradas curtas no semáforo. Com o câmbio DSG, o moto r desliga quando o carro para e o moto rista pisa no freio. No momento que o moto rista retira o pé do freio, o moto r se religa.
 
Infotainment avançado
 
Outro opcional é o sistema de Infotainment. Ele traz reprodução de música digital a partir de várias fontes e navegação GPS com tela touchscreen.
 
O multimedia aceita inclusive comando de voz. Existem ainda duas entradas para cartão tipo SD-Card e interface MMI. Com a utilização de cabos específicos (comprados a parte) é possível conectar um iPhone, pen-drives e até mesmo reprodutores de vídeos com saídas tipo RCA. Esse equipamento inclui conectividade bluetooth (para reprodução de música e viva-voz celular). Outra vantagem são as atualizações dos mapas de navegação por um período de três anos (realizadas em concessionários da marca). Pela primeira vez, a Volkswagen está utilizando sensores de aproximação dos dedos. Assim que o moto rista ou o passageiro da frente movimentam a mão próximo à tela sensível ao toque (touchscreeen), o sistema automaticamente passa do modo display para o modo de entrada, exibindo menus de acesso rápido as funções.
 
Segurança
 
Esse é outro item que o Novo Golf dá um show de tecnologia. A nova geração vem sempre equipada de série com sete airbags sendo: 2 frontais (com desativação do lado do passageiro para transporte de cadeiras infantis), 2 laterais, 2 do tipo cortina e 1 de joelho para o moto rista. Além disso, o carro conta com controle eletrônico de estabilidade “ESC”, controle de tração “ASR” e freios ABS com distribuição eletrônica. Ainda de forma complementar, o carro oferece o bloqueio eletrônico do diferencial “EDS e XDS”. Assim, numa eventual perda de tração em uma das rodas (em piso molhado, por exemplo) o sistema atua de forma eletrônica, limitando a tração na roda que esta escorregando.
 
O novo Golf ainda inclui mais equipamentos de segurança. Um deles é o detector de fadiga. Esse sistema (introduzido primeiramente no atual Passat) detecta a perda de concentração do moto rista e o alerta por meio de um sinal sonoro durante cinco segundos. Uma mensagem visual também aparece no painel de instrumentos, recomendando uma parada para descanso. Se o moto rista não parar dentro dos próximos 15 minutos, o aviso é repetido.
 
Outra solução de segurança é o “Pro Active”, uma tecnologia derivada da Touareg. Caso o dispositivo detecte uma situação de potencial acidente (como início de uma forte frenagem) os cintos de segurança do moto rista e do passageiro da frente são automaticamente pré-tensionados para assegurar a melhor proteção possível pelo airbag. Quando uma situação de condução altamente crítica e instável é detectada, as janelas laterais o teto solar são fechados.
 
Um item bastante inovador é o “Multicollision Brake”, premiado como a mais importante inovação de segurança pelo automóvel clube da Alemanha (ADAC). O dispositivo aciona automaticamente os freios do veículo quando ele se envolve num acidente. O acionamento se baseia na detecção da colisão pelos sensores dos airbags. A frenagem do veículo por meio dos freios é limitada pelo controle eletrônico de estabilidade. Em resumo, esse sistema de frenagem aplica os freios até que o veículo atinja a velocidade de 10 km/h. A velocidade residual do carro pode ser usada assim para dirigi-lo a um local seguro após o processo de frenagem. Isso tudo evita que após uma colisão severa, o carro se envolva em outros acidentes, por continuar andando na via, de forma desgovernada. Com tudo isso, o carro recebe 5 estrelas nos testes de colisão do Latin ´n CAP, tanto para adultos, como para crianças, sendo o carro mais segura da sua categoria no mercado brasileiro.
 
Dirigibilidade
 
Sem medo de errar, pode-se afirmar que o novo Golf é o carro mais gostoso para se dirigir em toda a categoria. Muitos clientes vão achar que o moto r entrega muito mais que os 140 cavalos declarados pela Volkswagen. Aliás, o Golf anda junto com concorrentes que tem moto res declarados com 180 cavalos. O carro tem uma direção muito precisa, e um eficiente conjunto de suspensão, preparado inclusive para a buraqueira nacional. As rodas de liga com 16 polegadas, com pneus 205/55, ajudam a manter o bom controle do carro nas curvas. A direção com assistência elétrica permite manobras suaves, graças ao volante leve. E a posição de dirigir do moto rista, é igualmente agradável. É difícil fazer críticas a esse carro da Volkswagen, ainda mais quando comparamos com o que é oferecido pelos concorrentes diretos.
 
Mexicano no lugar do alemão
 
Atualmente, o Golf vendido no Brasil está sendo importado do México. Mas inicialmente ele vinha importado da Alemanha. No modelo mexicano, o freio de estacionamento deixa de ser eletrônico e passa a ser por acionamento manual, tipo alavanca. Já o sistema de assistência de partida “Auto Hold” foi substituído Hill Assist (assistente de partida em rampas), que funciona apenas em ladeiras e não no plano como o anterior.
 
Na iluminação também há mudanças. O sistema de farol alto DLA (Assistente de luz dinâmico) será substituído pelo FLA (assistente de luz para farol alto). Com esta nova função, em velocidades acima de 60 Km/h, o farol alto é desligado evitando o ofuscamento do veículo que trafega a frente ou em sentido contrário. Quando o veículo deixa de ser identificado o farol alto é religado automaticamente. É uma versão mais simples que o item alemão, oferecido como opcional.
 
Quanto ao acabamento interno, a versão Highline perde o revestimento em couro Vienna Marrakesh (marrom). Já as opções em couro Vienna black (preto) e Shetland (bege) continuam sendo ofertadas. Por fim, o sistema de som premium “Dynaudio” deixa de ser ofertado para a versão GTI, equipada com o pacote Premium.
 
Preço
 
Realmente o novo Golf é uma maravilha de carro. Mas sempre existe o outro lado da moeda. Atualmente, o Golf Comfortline vendido no Brasil, está sendo importado do México.
 
Pra começar a pensar no Golf Comfortline Highline com câmbio manual, o preço inicial é de R$ 73,8 mil (com câmbio DSG, já sobe para R$ 80,8 mil). Ai vem a festa dos opcionais. Pintura metálica mais R$ 1 mil e perolizada por R$ 1,7 mil. O pacote Exclusive (que inclui um monte de equipamentos) soma mais R$ 8,7 mil! O teto-solar sozinho custa R$ 5,2 mil. Então, o novo Golf Comfortline com câmbio DSG avaliado aqui, custa a R$ 91,2 mil! Que o carro é excelente (e o melhor em sua categoria) não existe dúvida. Mas o preço é salgado. O novo Golf vem com três anos de garantia, sem limite de quilometragem. As revisões são feitas a cada 10 mil km.

Para ver uma oferta do Golf, e outros carros da Volkswagen, basta clicar aqui 

Avaliações < Voltar
Avaliação: Golf TSi Comfortline
 

Avaliação: Golf TSi Comfortline

Publicado por Redação Comprecar – Especialista em carros usados e motos usadas

Versão Comfortline entrega melhor custo-benefício, sem deixar de ser eficiente

13 de Fevereiro de 2015

Por Jorge Augusto
Fotos: Marcelo Alexandre
 
Que o Golf é hoje o melhor hatchback do mercado brasileiro, ninguém dúvida. Com um conjunto extremamente eficiente, tecnologia de ponta e dirigibilidade impar, o hatch da Volkswagen supera seus concorrentes com folga. Mas isso tem um preço, e ele é alto! O carro da Volkswagen não é barato. Quando a sétima geração chegou ao mercado brasileiro, ela estava disponível somente na versão Highline (a topo de linha e mais cara). Para tornar o carro mais acessível, pouco tempo depois, a Volkswagen começou a vender a versão Comfortline, que tem um preço mais acessível. Foco dessa matéria, trazemos a matéria de avaliação dessa versão.
 
Agora na sétima geração (também conhecido por MK7), o Golf esta totalmente alinhado com o modelo europeu. Assim, o projeto estrutural do novo Golf evoluiu consideravelmente. Utilizando um novo sistema de plataformas batizado de MQB, a Volkswagen trouxe para o Golf soluções de engenharia de carros de categoria superior, encontradas no grupo mundial da marca. O carro também cresceu. Comparada ao Golf de sexta geração, a distância entre-eixos aumentou 5,3 cm, chegando à para 2,63 m. O comprimento do carro também aumentou 5,5 cm, chegando à 4,26 m. E a largura aumentou 1,3 cm (para 1,79 m).
 
Essas mudanças são perceptíveis no espaço interno. Os passageiros de trás têm agora 1,5 cm mais de espaço para as pernas. O espaço para os ombros está 3,1 cm maior. O banco traseiro é bipartido e rebatível na proporção 60:40. Quando ele é dobrado, aparece uma superfície de carga quase nivelada com 1,55 m de comprimento para cargas. Em posição normal, o porta-malas oferece 313 litros.
 
Interior com ótimo acabamento
 
É justamente no acabamento do interior que a versão Comfortline se diferencia da Highline. Pra começar, o acabamento do painel imita aço escovado (na Highline é em preto Black Pinao). Outra diferença é que no Comfortline, o ar-condicionado é manual de simples zona (no Highline ele é digital com duas zonas “Climatronic”). Os bancos são forrados em tecido (couro no top); o volante multifuncional é opcional (série no top) e os seguintes itens são opcionais: Sensores de chuva e crepuscular com função "Coming & Leaving Home" e o controle automático de velocidade com limitador de velocidade "Speed Limiter". De resto, a versão Confortline é bastante parecida com a Highline.
 
De série, o carro é bastante completo. Ele traz encosto traseiro assimétrico rebatível, coluna de direção com regulagens de altura e de distância, regulagem de altura no banco do moto rista, travamento central com controle re moto , ajuste de altura e sistema de pré-tensionamento dos cintos de segurança dianteiros e gavetas sob os bancos dianteiros.
 
Uma marca registrada dos carros da linha “Import” da Volkswagen é justamente o elevado padrão do acabamento interno. Além de silencioso, a estrutura incorpora matérias de alta qualidade, com montagem precisa, além de visual moderno.
 
Motor e câmbio
 
Tirando a versão GTI, todos as demais versões do Golf trazem o mesmo conjunto de moto r e câmbio. Assim o Golf vem equipado com um eficientíssimo moto r 1,4 litro, que a Volkswagen batiza de TSI. Entre as características principais está o turbo, sistema de injeção direta e configuração de quatro válvulas por cilindro. A potência máxima desse moto r é de 140 cavalos. Detalhe muito interessante, que pela primeira vez na história (no Brasil), o primo “pobre”, está melhor que o primo “rico”. O novo Golf é montado na mesma plataforma do novo Audi A3. Assim, eles compartilham diversos componentes, inclusive o moto r. Mas o fato realmente curioso, é que no Audi A3 o moto r 1,4 litro entrega apenas 122 cavalos! Assim, o novo Golf oferece melhor desempenho que seu primo rico.
 
Outro diferencial desse moto r é o sistema de injeção duplo. O carro tem 8 bicos no total, sendo 4 de injeção direta, e 4 de injeção indireta. De forma geral, funciona assim: Em situações de baixa rotação, e velocidade constante, são usados os bicos de injeção indireta. Quando existe real solicitação de potência, com aumento rápido do giro do moto r, o sistema troca para os bicos de injeção direta, pulverizando o combustível diretamente no interior do cilindro. A vantagem disso é reduzir as emissões de partículas numa ampla gama de utilizações, reduzindo também o consumo de combustível. Assim como acontece na Touareg, o moto r do Golf traz um eficiente método de resfriamento do moto r, totalmente eletrônico. Dessa forma, o moto r pode aquecer mais rápido quando está frio, reduzindo as emissões e economizando combustível.
 
A potência máxima de 140 cavalos está disponível entre 4.500 a 6.000 rpm. Além disso, o torque máximo de 25,5 kgfm, já é atingido a partir de 1.500 rpm (pouco mais que a marcha lenta) se mantendo constante até 3.500 rpm.
 
Câmbio DSG
 
Outro detalhe que salta aos olhos é o eficiente câmbio robotizado de dupla embreagem que a Volkswagen batiza de DSG. Com sete marchas e dupla embreagem, ele é muito mais eficiente que qualquer outro câmbio automático de mesma categoria. O câmbio DSG tem performance muito superior a qualquer câmbio manual, na velocidade de troca de marchas, e é tão econômico quanto o manual no consumo de combustível. Também entrega praticamente o mesmo conforto de um câmbio automático.
 
Desempenho
 
Com câmbio o câmbio DSG de sete marchas, o Golf Comfortline acelera de 0 a 100 km/h em 8,4 segundos, e alcança 212 km/h de velocidade máxima. Fato muito curioso, que esses números são exatamente iguais (segundo a Volkswagen) mesmo quando o Golf vem equipado com o câmbio manual de seis marchas.
 
O novo Golf ainda adiciona o Start-Stop, que desliga o moto r em paradas curtas no semáforo. Com o câmbio DSG, o moto r desliga quando o carro para e o moto rista pisa no freio. No momento que o moto rista retira o pé do freio, o moto r se religa.
 
Infotainment avançado
 
Outro opcional é o sistema de Infotainment. Ele traz reprodução de música digital a partir de várias fontes e navegação GPS com tela touchscreen.
 
O multimedia aceita inclusive comando de voz. Existem ainda duas entradas para cartão tipo SD-Card e interface MMI. Com a utilização de cabos específicos (comprados a parte) é possível conectar um iPhone, pen-drives e até mesmo reprodutores de vídeos com saídas tipo RCA. Esse equipamento inclui conectividade bluetooth (para reprodução de música e viva-voz celular). Outra vantagem são as atualizações dos mapas de navegação por um período de três anos (realizadas em concessionários da marca). Pela primeira vez, a Volkswagen está utilizando sensores de aproximação dos dedos. Assim que o moto rista ou o passageiro da frente movimentam a mão próximo à tela sensível ao toque (touchscreeen), o sistema automaticamente passa do modo display para o modo de entrada, exibindo menus de acesso rápido as funções.
 
Segurança
 
Esse é outro item que o Novo Golf dá um show de tecnologia. A nova geração vem sempre equipada de série com sete airbags sendo: 2 frontais (com desativação do lado do passageiro para transporte de cadeiras infantis), 2 laterais, 2 do tipo cortina e 1 de joelho para o moto rista. Além disso, o carro conta com controle eletrônico de estabilidade “ESC”, controle de tração “ASR” e freios ABS com distribuição eletrônica. Ainda de forma complementar, o carro oferece o bloqueio eletrônico do diferencial “EDS e XDS”. Assim, numa eventual perda de tração em uma das rodas (em piso molhado, por exemplo) o sistema atua de forma eletrônica, limitando a tração na roda que esta escorregando.
 
O novo Golf ainda inclui mais equipamentos de segurança. Um deles é o detector de fadiga. Esse sistema (introduzido primeiramente no atual Passat) detecta a perda de concentração do moto rista e o alerta por meio de um sinal sonoro durante cinco segundos. Uma mensagem visual também aparece no painel de instrumentos, recomendando uma parada para descanso. Se o moto rista não parar dentro dos próximos 15 minutos, o aviso é repetido.
 
Outra solução de segurança é o “Pro Active”, uma tecnologia derivada da Touareg. Caso o dispositivo detecte uma situação de potencial acidente (como início de uma forte frenagem) os cintos de segurança do moto rista e do passageiro da frente são automaticamente pré-tensionados para assegurar a melhor proteção possível pelo airbag. Quando uma situação de condução altamente crítica e instável é detectada, as janelas laterais o teto solar são fechados.
 
Um item bastante inovador é o “Multicollision Brake”, premiado como a mais importante inovação de segurança pelo automóvel clube da Alemanha (ADAC). O dispositivo aciona automaticamente os freios do veículo quando ele se envolve num acidente. O acionamento se baseia na detecção da colisão pelos sensores dos airbags. A frenagem do veículo por meio dos freios é limitada pelo controle eletrônico de estabilidade. Em resumo, esse sistema de frenagem aplica os freios até que o veículo atinja a velocidade de 10 km/h. A velocidade residual do carro pode ser usada assim para dirigi-lo a um local seguro após o processo de frenagem. Isso tudo evita que após uma colisão severa, o carro se envolva em outros acidentes, por continuar andando na via, de forma desgovernada. Com tudo isso, o carro recebe 5 estrelas nos testes de colisão do Latin ´n CAP, tanto para adultos, como para crianças, sendo o carro mais segura da sua categoria no mercado brasileiro.
 
Dirigibilidade
 
Sem medo de errar, pode-se afirmar que o novo Golf é o carro mais gostoso para se dirigir em toda a categoria. Muitos clientes vão achar que o moto r entrega muito mais que os 140 cavalos declarados pela Volkswagen. Aliás, o Golf anda junto com concorrentes que tem moto res declarados com 180 cavalos. O carro tem uma direção muito precisa, e um eficiente conjunto de suspensão, preparado inclusive para a buraqueira nacional. As rodas de liga com 16 polegadas, com pneus 205/55, ajudam a manter o bom controle do carro nas curvas. A direção com assistência elétrica permite manobras suaves, graças ao volante leve. E a posição de dirigir do moto rista, é igualmente agradável. É difícil fazer críticas a esse carro da Volkswagen, ainda mais quando comparamos com o que é oferecido pelos concorrentes diretos.
 
Mexicano no lugar do alemão
 
Atualmente, o Golf vendido no Brasil está sendo importado do México. Mas inicialmente ele vinha importado da Alemanha. No modelo mexicano, o freio de estacionamento deixa de ser eletrônico e passa a ser por acionamento manual, tipo alavanca. Já o sistema de assistência de partida “Auto Hold” foi substituído Hill Assist (assistente de partida em rampas), que funciona apenas em ladeiras e não no plano como o anterior.
 
Na iluminação também há mudanças. O sistema de farol alto DLA (Assistente de luz dinâmico) será substituído pelo FLA (assistente de luz para farol alto). Com esta nova função, em velocidades acima de 60 Km/h, o farol alto é desligado evitando o ofuscamento do veículo que trafega a frente ou em sentido contrário. Quando o veículo deixa de ser identificado o farol alto é religado automaticamente. É uma versão mais simples que o item alemão, oferecido como opcional.
 
Quanto ao acabamento interno, a versão Highline perde o revestimento em couro Vienna Marrakesh (marrom). Já as opções em couro Vienna black (preto) e Shetland (bege) continuam sendo ofertadas. Por fim, o sistema de som premium “Dynaudio” deixa de ser ofertado para a versão GTI, equipada com o pacote Premium.
 
Preço
 
Realmente o novo Golf é uma maravilha de carro. Mas sempre existe o outro lado da moeda. Atualmente, o Golf Comfortline vendido no Brasil, está sendo importado do México.
 
Pra começar a pensar no Golf Comfortline Highline com câmbio manual, o preço inicial é de R$ 73,8 mil (com câmbio DSG, já sobe para R$ 80,8 mil). Ai vem a festa dos opcionais. Pintura metálica mais R$ 1 mil e perolizada por R$ 1,7 mil. O pacote Exclusive (que inclui um monte de equipamentos) soma mais R$ 8,7 mil! O teto-solar sozinho custa R$ 5,2 mil. Então, o novo Golf Comfortline com câmbio DSG avaliado aqui, custa a R$ 91,2 mil! Que o carro é excelente (e o melhor em sua categoria) não existe dúvida. Mas o preço é salgado. O novo Golf vem com três anos de garantia, sem limite de quilometragem. As revisões são feitas a cada 10 mil km.

Para ver uma oferta do Golf, e outros carros da Volkswagen, basta clicar aqui 

O veículo que você procura está aqui na Comprecar!